MC Carol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
MC Carol
MC Carol em 2017
Informação geral
Nome completo Carolina de Oliveira Lourenço
Também conhecido(a) como Carol de Niterói, MC Carol Bandida, Rainha Feminista
Nascimento 6 de outubro de 1993 (24 anos)
Local de nascimento Niterói, Rio de Janeiro
País  Brasil
Gênero(s) Funk carioca, Rap
Ocupação(ões) Rapper, cantora, compositora
Instrumento(s) Vocal
Extensão vocal Contralto
Período em atividade 2010–atualmente
Gravadora(s) Heavy Baile
Afiliação(ões) Karol Conka
Influência(s) Tati Quebra-Barraco,[1] Racionais MCs, Mr. Catra

MC Carol, nome artístico de Carolina de Oliveira Lourenço (Niterói, 6 de outubro de 1993), é uma cantora e compositora brasileira. Se tornou notória por unir, em sua música, temáticas sociais e que envolvem feminismo e, ao mesmo tempo, canções de duplo sentido e que tratam de sexo explícito, assim como canções com tom humorístico.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carolina de Oliveira Lourenço nasceu na cidade de Niterói, no estado do Rio de Janeiro e viveu no Morro do Preventório.[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Como artista solo, passou a se destacar com o lançamento de vários singles e canções divulgadas pela internet.[3] Seu primeiro sucesso foi a música "Bateu uma Onda Forte". Em seguida, a cantora também destacou-se com "Jorginho Me Empresta a 12", "Liga pro Samu"[4] e "Não Foi Cabral".

Em seguida, a intérprete anunciou o lançamento de seu primeiro álbum, Bandida.[5] Como prévia do disco, MC Carol lançou dois singles. O primeiro foi a canção "Delação Premiada", com a produção e participação de Leo Justi[6] e o segundo foi "100% Feminista", em parceria com a cantora Karol Conka.[5][7] O disco foi liberado nas plataformas digitais em 28 de outubro de 2016.[8]

A letra da música "Não Foi Cabral" questiona a história do Brasil ministrada por professores da rede de educação, que seguem a maior parte dos livros escolares.[9] Em entrevista à G1, a funkeira analisou os versos que falam do descobrimento do país, do genocídio de indígenas e cobra destaque para Dandara, a mulher de Zumbi dos Palmares. Essa música começa com um remix do hino nacional, contesta o descobrimento, em tom de voz agressivo: “Nada contra ti / Não me leve a mal / Quem descobriu o Brasil / Não foi Cabral / Pedro Álvares Cabral / Chegou 22 de abril / Depois colonizou / Chamando de Pau-Brasil / Ninguém trouxe família / Muito menos filho / Porque já sabia / Que ia matar vários índios”. A cantora compôs a canção a partir de um convite do projeto Temas de Dança, que estuda a relação entre corpo, dança e história. MC Carol começou a falar sobre a adolescência na escola e falou que debatia muito com as professoras. Elas diziam que Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil, e ela falava: "Professora, Pedro Álvares Cabral não descobriu o Brasil porque já tinha 4 milhões de índios aqui. Como ele descobriu?”.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Afirmou ter flertado com o PSOL, em 2017, após anunciar interesse de ser pré-candidata a deputada estadual do Rio de Janeiro. Sua pré-candidatura conta com o apoio do deputado estadual Marcelo Freixo, sendo que este pleiteará uma vaga na Câmara dos Deputados. Sua militância engloba os movimentos feministas, negros e da periferia carioca, além de contar com a ajuda de artistas do funk.[10]

Mas foi pelo PCdoB, a convite da deputada Jandira Feghali em abril de 2018, que MC Carol e com apoio da União da Juventude Socialista (UJS), que anunciou sua pré-candidatura à ALERJ. Embora tivesse com a ideia da candidatura desde dezembro do ano passado, o assassinato de sua amiga e vereadora Marielle Franco, em março de 2018, impulsionou sua decisão.[11]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma cantora é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.