MTV Unplugged +3

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
MTV Unplugged +3
Álbum de vídeo de Mariah Carey
Lançamento 26 de junho de 1992 (1992-06-26)
Gravação 16 de março de 1992 (1992-03-16)
Estúdio(s) Kaufman Astoria Studios
(Nova Iorque)
Gênero(s)
Duração 44:59
Formato(s)
Gravadora(s) Columbia
Direção Larry Jordan
Cronologia de Mariah Carey
The First Vision
(1991)
Here Is Mariah Carey
(1993)

MTV Unplugged +3 é o segundo lançamento em vídeo da artista musical estadunidense Mariah Carey. O seu lançamento ocorreu em 26 de junho de 1992, através da Columbia Records. Após o sucesso dos dois álbuns anteriores de Carey e os crescente comentários críticos sobre a sua falta de turnês, bem apresentações televisivas insubstanciais, a Sony BMG organizou uma apresentação nos estúdios Kaufman Astoria, situado em Nova Iorque, no dia 16 de março de 1992. O show, intitulado MTV Unplugged, foi transmitido na MTV para ajudar a divulgar o segundo álbum de estúdio de Carey, Emotions (1991). No entanto, após o seu sucesso, a apresentação foi lançada como um extended play (EP) de mesmo nome, com um VHS acompanhante — mais tarde lançado em DVD — intitulado MTV Unplugged +3.

Na tentativa de provar que os vocais de Carey não foram derivados de sintetizadores de estúdio, o especial obteve análises positivas da mídia especializada, a qual prezou os vocais de Carey e sentiu que o EP e o vídeo ajudaram a mostrar o seu talento. O vídeo liderou a tabela Top Music Videos e foi certificado como platina pela Recording Industry Association of America (RIAA) ao comercializar mais de 500 mil cópias nos Estados Unidos.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após o lançamento do segundo álbum de estúdio de Carey, Emotions (1991), críticos começaram a se perguntar se Carey finalmente iria embarcar em uma turnê mundial, já que não havia feito isto com seu álbum de estreia autointitulado.[1] Apesar de Carey ter feito várias aparições em premiações importantes, bem como performances em programas televisivos, críticos começaram a acusar Carey de ser uma artista de estúdio, não sendo capaz de entregar ou replicar os mesmos vocais a mesma qualidade de vocais ao vivo, especialmente o seu registro de apito.[1] Durante várias entrevistas televisionadas, Carey negou as acusações, alegando que ela não embarcou em turnês por medo dos tempos de viagem e das distâncias longas, assim como a tensão em sua voz causada ao realizar suas canções. No entanto, na esperança de colocar quaisquer reclamações de ela ser uma artista fabricada para descansar, Carey e Walter Afanasieff decidiram reservar uma aparição no MTV Unplugged, um especial televisivo organizado e transmitido pela MTV.[1] O objetivo do programa é que artistas conhecidos apresentassem algumas de suas faixas em versões acústicas ou sem equipamentos de estúdio. Enquanto vivo, o show permite a entrada de vários músicos e vocalistas de apoio, enquanto é gravado em um ambiente acústico.[2] Os problemas enfrentados por Carey no show foi a escolha de conteúdo; ela não sabia o material que iria apresentar no concerto íntimo. Enquanto Carey escolhia fortemente as suas canções mais comoventes e poderosas, decidiu-se que o conteúdo mais popular a esse ponto seria incluído.[2] Dias antes da gravação do show, Carey e Afanasieff pensaram em acrescentar uma regravação de uma música mais velha, a fim de proporcionar algo diferente e inesperado. Eles escolheram "I'll Be There", uma canção que se tornou popular na voz do grupo Jackson 5 no ano de 1970, ensaiando-a algumas vezes antes da noite do concerto.[2]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Carey apresentando "I'll Be There" durante o funeral de Michael Jackson (2009).

A performance de Carey foi gravada no dia 16 de março de 1992 nos estúdios Kaufman Astoria, situado em Queens, na cidade de Nova Iorque.[3] O show contou com uma série de músicos, vocalistas de apoio e apenas uma tripulação de dez pessoas para a filmagem e a gravação. O espetáculo foi dirigido por Larry Jordan, que já havia trabalhado com Carey no vídeo musical de "Someday".[3] Dana Jon Chapelle foi escolhido como o mixer de som, tendo trabalhado com Carey em seus dois álbuns de estúdio anteriores.[3] O concerto se iniciou com a interpretação de "Emotions", na qual Carey entrou no estúdio vestida com uma jaqueta, calças e botas, todas da cor preta.[3] Antes da introdução de estúdio da canção, Carey cantou um improviso gospel e um número à capela, levando ao refrão da canção, liderado por David Cole. Após a canção, Carey apresentou a banda e a equipe de filmagem e de gravação; à sua esquerda, havia uma seção de cordas de quatro peças com Belinda Whitney Barnett, Cecilia Hobbs-Gardner, Wince Garvey e Laura Corcos, enquanto San Shea tocava o cravo e o harmonium.[3] A seção rítmica do concerto foi formada por Gigi Conway nos tambores, Randy Jackson no baixo, Vernon Black no violão e Sammy Figueroa e Ren Klyce como os percussionistas. Além disso, Carey tinha dez vocalistas de apoio no palco, liderados por Trey Lorenz e Patrique McMillan.[3] A faixa seguinte do repertório foi "If It's Over", uma colaboração com Carole King. Walter Afanasieff substituiu Cole no piano, durante o qual um conjunto de cinco músicos masculinos foram levados ao palco.[4] Esses músicos foram Lew Delgado no saxofone barítono; Lenny Pickett no saxofone tenor; George Young no saxofone alto; Earl Gardner no trompete; e Steve Turre no trombone.[4] Eles estavam presentes durante a apresentação de Carey no Saturday Night Live, ocorrida alguns meses antes. Ao passo em que Carey apresentou a canção, ela disse: "Essa próxima música eu escrevi com uma das pessoas que eu mais gosto, Carole King", com a canção seguinte sendo posteriormente iniciada.[4] Para "Someday", Cole voltou ao palco, substituindo Afanasieff no teclado.[5] Durante a canção, Carey colocou o dedo indicador sobre sua orelha esquerda diversas vezes, especialmente ao usar o registro de apoio.[5] Mais tarde, ela explicou ao público que iria ajuda-los em ouvir, mais precisamente, algo que precisava corretamente executar uma nota maior variável.[5] Carey iniciou "Vision of Love" e Afansieff trocou de posição com Cole novamente.[6] A performance variou diversas vezes com a sua versão de estúdio, já que suas chaves eram mais baixas e a voz de Carey foi usada ​​na forma à capela, sem qualquer instrumentação pesada.[6] Antes de começar a quinta música do repertório, "Make It Happen", Afanasieff dividiu o órgão com Cole, tocando baixo enquanto a última tratou dos agudos.[6] Depois que a canção iniciou, os vocalistas de apoio começaram a "empilhar seus vocais" sobre Carey, de acordo com o autor Chris Nickson, e permitiu que a música atingisse uma "sensação de um coral".[6] Ele sentiu que a canção foi superior à sua versão de estúdio, devido à sua performance e seus vocais despojados:

Logo depois de completar "Make It Happen", Carey ansiosamente apresentou a canção final do repertório, "I'll Be There". Carey cantou a primeira parte da canção da mesma forma em que foi arranjada e cantada originalmente por Michael Jackson, enquanto Trey Lorenz cantou a segunda parte, originalmente interpretada por Jermaine Jackson.[7] Depois de realizar a canção com uma forma muito simples e mínimos arranjos instrumentais, os vocalistas de apoio começaram a cantar a melodia de "Can't Let Go" (1991), fazendo Carey apresentar "mais uma canção final" para o show.[7] Vários dias depois do concerto, Carey conversou com Melinda Newman, da revista Billboard, falando sobre a experiência de gravar o concerto, assim como sua visão sobre o seu ponto de vista criativo.[7] Ela disse: "O [MTV] Unplugged me ensinou muito sobre mim mesma, porque eu tento procurar defeitos em tudo o que faço e tornar isso um pouco perfeito e demasiado, porque eu sou perfeccionista. Eu sempre vou passar por cima da matéria-prima, e agora eu tenho chegado ao ponto em que eu entendo que a matéria-prima é geralmente melhor".[7]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

A MTV havia originalmente planejado transmitir o show várias vezes no mês de abril de 1992, pois era normal as sessões do MTV Unplugged serem transmitidas em torno de seis vezes durante o seu mês de lançamento antes de serem arquivadas.[8] A versão de Carey foi recebida com aclamação crítica e sua popularidade foi estendida, fazendo com que seja transmitida com mais frequência do que o habitual.[8] Fãs de todo os Estados Unidos fizeram várias solicitações para o concerto a ser exibido na televisão, e até o final de abril de 1992, o episódio de Carey do MTV Unplugged foi transmitido mais de três vezes do que o normal. O sucesso do concerto fez com que funcionários da Sony funcionários o usassem como um álbum. No entanto, Carey e Afansieff já estavam fazendo progressos para lançar um novo álbum no ano de 1993.[8] Sendo assim, a Sony decidiu lançá-lo como um extended play (EP), vendendo por um preço reduzido devido à sua duração mais curta.[8] Após o sucesso do primeiro single do EP, "I'll Be There", a Sony optou por liberar não apenas o EP, mas um pacote com um VHS acompanhante, com um vídeo do concerto, intitulado MTV Unplugged +3.[8] Além de caracterizar as sete canções do concerto, o VHS — mais tarde lançado em DVD — contém os vídeos musicais de "Can't Let Go", "Make It Happen", e uma versão remixada do vídeo musical de "Emotions".[8]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 3 de 5 estrelas.[9]

Shawn M. Haney, do portal Allmusic, concedeu ao vídeo três de cinco estrelas, elogiando os vocais de Carey, bem como a regravação de "I'll Be There".[9] Haney escreveu que "aos poucos, o poder e a estima destes contos levantam novas alturas e permanecem em um pico com a retirada de fôlego, o momento da realização de 'I'll Be Be There', uma música encantadora primeiramente cantada por The Jackson 5".[9] Escrevendo para o periódico St. Petersburg Times, Sabrina Miller chamou Carey de "artista" e escreveu que "programas como o MTV Unplugged mostra um talento como o dela com um ponto de exclamação".[10] Jon Pareles, periodista do The New York Times, disse que a apresentação foi "muito boa", e afirmou que a regravação de Carey de "I'll Be There" "solta fogos de artifício".[11] Um escritor da revista Entertainment Weekly disse que o concerto possui "turnê de força vocal", e escreveu que "além de seus tubos de tirar o fôlego, ela desenvolveu o comando da presença de palco".[12] Além disso, ele também sentiu que a interpretação de Carey de "I'll Be There" era "matadora" e concluiu a sua revisão dizendo que "no processo, esta rara aparição pública nos lembrou que havia um artista de grande liga dentro desse vestido de festa".[12]

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, MTV Unplugged +3 debutou na liderança da tabela Billboard Top Music Videos e foi certificado como platina pela Recording Industry Association of America (RIAA), denotando vendas de mais de 300 mil unidades no país.[13]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo os profissionais envolvidos na elaboração de MTV Unplugged +3, de acordo com o encarte do vídeo:[14]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "Emotions"   4:00
2. "If It's Over"   3:48
3. "Someday"  
  • Carey
  • Ben Marguiles
3:57
4. "Vision of Love"  
  • Carey
  • Marguiles
3:36
5. "Make It Happen"  
  • Carey
  • Cole
  • Clivillés
4:10
6. "I'll Be There"  
4:42
7. "Can't Let Go"   4:35
8. "Make It Happen" (vídeo musical)
  • Carey
  • Cole
  • Clivillés
5:27
9. "Can't Let Go" (vídeo musical)
  • Carey
  • Afanasieff
3:49
10. "Emotions" (12" Club Video Edit)
  • Carey
  • Cole
  • Clivillés
3:58
Duração total:
43:03

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

País Data Gravadora Formato
Estados Unidos[16] 26 de junho de 1992 Columbia VHS, DVD

Referências

  1. a b c Nickson 1998, p. 70
  2. a b c Nickson 1998, p. 71
  3. a b c d e f Nickson 1998, p. 72
  4. a b c Nickson 1998, p. 73
  5. a b c Nickson 1998, p. 74
  6. a b c d e Nickson 1998, p. 75
  7. a b c d Nickson 1998, p. 76
  8. a b c d e f Nickson 1998, pp. 78–79
  9. a b c Haney, Shawn M. «Mariah Carey: MTV Unplugged» (em inglês). Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 12 de junho de 2014 
  10. Miller, Sabrina (7 de agosto de 1992). «Mariah Carey a hit on MTV production Series». St. Petersburg Times (em inglês). Times Publishing Company. Consultado em 12 de junho de 2014 
  11. Pareles, Jon (13 de dezembro de 1993). «Review/Pop; Venturing Outside the Studio, Mariah Carey Proves Her Mettle». The New York Times (em inglês). The New York Times Company. Consultado em 12 de junho de 2014 
  12. a b «Carey On». Entertainment Weekly (em inglês). Time Warner. 25 de dezembro de 1992. Consultado em 12 de junho de 2014 
  13. a b «Certificações (Estados Unidos) (vídeo) – Mariah Carey – MTV Unplugged» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 8 de junho de 2017  Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, e seleccione Video Longform, e clique em SEARCH.
  14. (1992) Créditos do álbum MTV Unplugged +3 por Mariah Carey. Columbia Records.
  15. «Top Music Video Cassettes». Billboard. 99 (81). 30 de junho de 1992. ISSN 0006-2510 
  16. «MTV Unplugged [MTV Unplugged +3]» (em inglês). AOL Music. AOL Inc. Consultado em 12 de junho de 2014 
Bibliografia
  • Nickson, Chris (1998). Mariah Carey revisited: her story. [S.l.]: St. Martin's Press. ISBN 978-0-312-19512-0