Maíra (mitologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Maíra
MahyraMair
sucessor de Maíra-humane

Mahyra, Maíra ou Mair[1] é um personagem da mitologia tupi-guarani, que representa o herói mítico ou grande ancestral,[2] pai dos gêmeos Korahi e Sahi (o sol e a lua). Estes que completam o trabalho de separação da natureza e da cultura, iniciados por Mahyra, o herói civilizador por excelência, pois ele quem roubou o fogo do urubu e o deu aos homens.

Teria sido um profeta, sucessor de Mairumûana ou Maíra-humane (literalmente, "o antigo Maíra": Maíra + umûan, "antigo" + a, sufixo). Os índios tupis do litoral brasileiro do século XVI associaram este ser mitológico aos homens brancos e, em especial, aos navegadores franceses, passando a chamá-los de "maíra".[3]

Inicialmente, os tupinambás consideravam-se filhos do herói mítico ou grande ancestral Maíra. E chamavam o território tupinambá no período pré-crabalino (atuais estados brasileiros do Amapá, Pará e, Maranhão) pelo topônimo "Mairi"; termo com origem no nheengatu, que inicialmente significaria o "território de Maíra" ou "terra dos filhos de Maíra".[4]

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 066.
  2. Mairi. [S.l.: s.n.] 
  3. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 254
  4. Neves, Ivânia dos Santos (2022). Mairi a terra de maíra: a ancestralidade indígena eclipsada em Belém. 7. Rio de Janeiro: Policromias revista do discurso, imagem e som. pp. 178–205 
Ícone de esboço Este artigo sobre antropologia ou um antropólogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.