Mab (satélite)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mab
Satélite Urano XXVI
Características orbitais[1]
Semieixo maior 97 736 km
Excentricidade 0,0025
Período orbital 0,923 d
Inclinação 0,134 °
Argumento do periastro 249,565°
Longitude do nó ascendente 350,737°
Características físicas
Diâmetro equatorial ~24[2] km
Área da superfície ~1 900 km²
Volume ~8 000 km³
Massa ~1×1016 kg
Densidade média ~1,3 g/cm³
Gravidade equatorial ~0,00044 g
Período de rotação sincronizado
Velocidade de escape ~0,011 km/s
Inclinação axial 0
Albedo 0,103
Temperatura média: -210,15 ºC

Mab, também designado como Urano XXVI,[3] é um satélite natural de Urano. Foi descoberto por Mark R. Showalter e Jack J. Lissauer em 2003 usando o Telescópio Espacial Hubble e recebeu a designação provisória S/2003 U 1.[4] Foi nomeado a partir de um personagem da obra de William Shakespeare Romeo and Juliet.[3]

Como Mab é um satélite pequeno e escuro, ele não foi visto nas imagens da Voyager 2 obtidas durante o sobrevoo por Urano em 1986. No entanto, ele é mais brilhante que outra lua, Perdita, que foi descoberta a partir das imagens da Voyager 2 em 1997. Isso levou cientistas a reexaminarem as fotos novamente, e Mab foi achado nas fotos.[2]

Não se sabe o tamanho exato de Mab. Se o satélite for tão escuro quanto Puck, ele mede cerca de 24 km de diâmetro. Por outro lado, se ele for brilhante como Miranda, é menor que Cupido e comparável em tamanho com as menores luas externas.[2]

Mab é fortemente perturbado. A fonte para a perturbação ainda é desconhecida, mas possivelmente é uma ou mais das luas próximas.[2]

Mab orbita Urano à mesma distância que o anel μ (conhecido anteriormente como R/2003 U 1), um anel de poeira recentemente descoberto. Seu tamanho é aproximadamente ideal para produção de poeira, já que luas maiores podem recoletar a poeira escapatória e luas pequenas são muito pequenas para suprir o anel através de partículas do anel ou colisões de meteoroides.[5]

References[editar | editar código-fonte]

  1. «Planetary Satellite Mean Orbital Parameters». Jet Propulsion Laboratory. Consultado em 11 de março de 2011 
  2. a b c d Showalter, Mark R.; Lissauer, Jack J. (22 de dezembro de 2005). «The Second Ring-Moon System of Uranus: Discovery and Dynamics». Science Express. 311 (5763). 973 páginas. PMID 16373533. doi:10.1126/science.1122882 
  3. a b «Planet and Satellite Names and Discoverers». Gazetteer of Planetary Nomenclature. USGS Astrogeology. 21 de julho de 2006. Consultado em 5 de agosto de 2006 
  4. Showalter, M. R.; Lissauer, J. J. (25 de setembro de 2003). «IAU Circular No. 8209». Consultado em 5 de agosto de 2006 
  5. Laura Layton (28 de dezembro de 2005). «Uranus' second ring-moon system». Astronomy Magazine. Consultado em 10 de maio de 2008 
Ícone de esboço Este artigo sobre um satélite natural é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.