Mabe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o artista plástico nipo-brasileiro, veja Manabu Mabe.
Mabe
Tipo Empresa de capital fechado
Gênero Privada
Fundação 1946
Encerramento 2016
Sede Cidade do México, México
Empregados 21,000
Produtos Eletrodomésticos
Subsidiárias Mabe Brasil
Faturamento Aumento $4 bilhão
Website oficial Site oficial

A Mabe foi uma empresa mexicana fabricante de linha branca, que atua em vários mercados há mais de 60 anos – 5 deles no Brasil, como dona das marcas Continental, GE e Dako. Abriu falência no início de 2016 depois de anos de recuperação judicial sem sucesso.

Com 19 unidades fabris no mundo, fatura cerca de US$ 3,7 bilhões ao ano e emprega mais de 20 mil colaboradores diretos. Só no Brasil, a Mabe possui um centro de distribuição, duas fábricas com produção anual superior à 4 milhões de unidades e mais de 4 mil colaboradores e é detentora de duas marcas de eletrodomésticos no País - Dako e Continental. O grupo exporta para cerca de 70 países. Desde 2003, a empresa duplica seu faturamento no Brasil a cada três anos.

Atualmente tem como principais executivos Egil Larsson no cargo de CEO e Mauro Moraes, no cargo de CFO.

Com sede no México e fundada em 1946, a Mabe era a maior exportadora do setor para os Estados Unidos. No México possui 48% de participação de mercado e implantou um Centro de Tecnologia e Projetos, considerado um dos melhores do mundo.

Em 1987 a divisão americana GE Appliances associou-se à Mabe, criando uma joint venture para competir no mercado global e ser um centro de exportação para o mercado americano. A parceria se estendeu ao Pacto Andino, através da Mabe Andina, que lidera os mercados da Venezuela, Colômbia, Equador e Peru, com cerca de 50% de participação no segmento.

Em 2003 a Mabe adquiriu o negócio de refrigeração da CCE no Brasil e assumiu o controle da GE DAKO, originando a Mabe Brasil (Eletrodomésticos), com três unidades fabris, no interior de São Paulo. A unidade de Campinas produz fogões e as duas unidades de Itu fabricam refrigeradores, lavadoras de roupa e peças injetadas. Também em 2003 a Mabe consolidou sua aquisição da Kronen Argentina, adquirindo 100% de participação acionária. Esta operação originou a Mabe Argentina que, somada à Mabe Brasil, forma a Mabe Mercosul.

Em julho de 2010, a Mabe adquiriu o controle no País da BSH Continental Eletrodomésticos Ltda, filial brasileira da alemã BSH Bosch und Siemens Hausgeräte GmbH, proprietária das marcas Bosch e Continental.

Recuperação judicial e falência[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2013 a Mabe Brasil entrou com pedido de recuperação judicial. A medida foi tomada devido a problemas de liquidez. A intenção da empresa é reestruturar sua operação, tornar-se viável no Brasil. A Mabe informou que a operação no Brasil vai continuar, e os serviços de pós-venda, como o SAC e a rede de assistência técnica, continuarão em operação normal.[1] O pedido de recuperação judicial foi aceito pela 2ª Vara Cível de Hortolândia, São Paulo.[2]Em 2014, a unidade fabril de Itu foi fechada e cerca de 1.000 funcionários foram dispensados sem receber seus direitos trabalhistas.

Em fevereiro de 2016 a Mabe decretou falência no México e pediu ajuda a sua filial no Brasil, que em abril do mesmo ano também decretou falência, deixando milhares de trabalhadores sem seus direitos trabalhistas.[3]

Segundo o documento de falência, a fabricante de fogões e geladeiras das marcas Dako e Continental não cumpriu as obrigações do acordo de recuperação, como pagar credores e manter pagamento de funcionários.

A empresa, que nasceu com fusão entre a GE e a Dako em meados de 2004, é controlada pelo grupo mexicano Mabe. Ela havia entrado com pedido de recuperação judicial em maio de 2013.

Um ano depois, com a aprovação do pedido, fechou uma de suas fábricas em Itu, SP, demitindo 1.000 pessoas.

No entanto, não pagou os credores trabalhistas e não há provas de que ela pagou o único credor com garantia real, que eram obrigações da empresa durante o processo, afirma o documento.

O Ministério Público se manifestou a favor da falência no dia 10 de fevereiro de 2016. Com isso, a Justiça de São Paulo autorizou a demissão dos funcionários, a retirada do FGTS e o seguro desemprego.

Fim das atividades[editar | editar código-fonte]

Em dezembro do 2015, a Mabe encerrou suas atividades nas duas fábricas em Campinas e Hortolândia, ambas em SP, e concedeu férias coletivas aos trabalhadores.

A previsão era que a operação voltasse a funcionar em janeiro, mas a empresa não conseguiu pagar salários nem o 13º de mais de 1.500 funcionários.

Desde dezembro, centenas de funcionários estão acampados em frente às fábricas, segundo o G1. 

No início desta semana, um confronto entre um segurança e os trabalhadores terminou em tiros. Ao se sentir acuado, um dos vigias atirou três vezes para cima, diz a empresa, que afirma que afastou o segurança.

Dívidas e dificuldades[editar | editar código-fonte]

De acordo com o documento de falência, a empresa não possui receita para retomar suas atividades nem para pagar os seus credores.

As verbas rescisórias de demissões feitas em dezembro totalizam 19,1 milhões de reais. Ela ainda deve 19,2 milhões de reais em serviços contratados e 4,5 milhões de reais em matéria prima. Há, ainda, 2.234 processos contra a empresa.

Outra dificuldade da empresa é conseguir capital de giro para financiar suas atividades.

Solução[editar | editar código-fonte]

Agora, o escritório Capital Administradora Judicial será o responsável por gerenciar os bens da empresa, como fábrica e equipamentos, assim como as dívidas pendentes.

A solução encontrada para o pagamento das dívidas foi a criação de uma nova empresa, usando os bens restantes para estruturá-la, gerar receita e pagar as dívidas com fornecedores e trabalhadores.

A diretoria e acionistas da Mabe Brasil são proibidos de participar dessa nova empresa. Esse passo ainda depende da aprovação da Justiça.

Por Karin Salomão - Exame  

Referências

  1. http://www.mabebrasil.com.br
  2. «Justiça aceita pedido de recuperação judicial feito pela Mabe Brasil». G1- Globo.com - Campinas e região. 13 de maio de 2013. Consultado em 19 de abril de 2015 
  3. «Justiça decreta falência da fabricante de geladeiras Mabe | EXAME.com». Exame. Consultado em 19 de junho de 2016