Macro-tupi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Macro-tupi
Falado em: América do Sul
Total de falantes:
Família: Ameríndia (polifilética)
 

  Macro-tupi
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: tup
Línguas tupis no momento presente e áreas de extensão prováveis no passado

Tronco tupi é um tronco linguístico que abrange diversas línguas das populações indígenas sul-americanas.[1][2] O agrupamento exclusivamente com as línguas caribes foi hipótese levantada por Aryon Dall’Igna Rodrigues em Evidence for Tupi-Carib Relationships, publicado em 1985, como também a de relações "genéticas" desses dois troncos com o macro-jê.[3] Este último é conhecido também como macro-família Tu-Ka-Jê.[4]

Famílias[editar | editar código-fonte]

Ariquém
família linguística que reúne as seguintes línguas
Aueti
família linguística que reúne as seguintes línguas
Juruna
família linguística que reúne as seguintes línguas
Maué
família linguística que reúne as seguintes línguas
Mondé
família linguística que reúne as seguintes línguas
Mundurucu
família linguística que reúne as seguintes línguas
Puruborá
família linguística extinta que reúne as seguintes línguas
Ramarrama
família linguística que reúne as seguintes línguas
Tupari
família linguística que reúne as seguintes línguas
Tupi-guarani
família linguística que reúne as seguintes línguas

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Dicionário escolar da língua portuguesa/Academia Brasileira de Letras 2.ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional. 2008. p. 1261 
  2. RODRIGUES, Aryon Dall'Igna (1994). Línguas brasileiras, para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Editora Loyola. p. 41-46. ISBN 8515010453 
  3. Cabral, Ana Suelly Arruda Câmara; Martins, Andérbio Márcio Silva; Silva, Beatriz Carretta Corrêa da; Oliveira, Sanderson Castro Soares de (2014). «A linguística histórica das línguas indígenas do Brasil, por Aryon Dall'igna Rodrigues: perspectivas, modelos teóricos e achados». DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada. 30 (SPE): 513–542. ISSN 0102-4450. doi:10.1590/0102-445090644999061809. Consultado em 7 de março de 2018. 
  4. Galucio, Ana Vilacy; Muysken, Pieter (Agosto de 2007). «Introdução». Belém. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas. 2 (2): 9–11. ISSN 1981-8122. doi:10.1590/s1981-81222007000200002. Consultado em 7 de março de 2018. 
  5. «Nheengatú — Biblioteca Digital Curt Nimuendajú». Etnolinguistica.org. Consultado em 27 de fevereiro de 2017. 
  6. [1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]