Macronutriente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde fevereiro de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde fevereiro de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Macronutrientes são os componentes da alimentação fundamentais para os organismos.

Para os animais, os principais nutrientes são proteínas, lipídios e carboidratos[1].


Macronutrientes são os nutrientes minerais que perfazem os critérios da essencialidade as plantas e são exigidos em grandes quantidades (kg/há). A divisão entre micro e macronutrientes não tem correlação com uma maior ou menor essencialidade. Macronutrientes e micronutrientes exercem as mesmas funções em todas as plantas superiores. Por esse motivo, sua falta ou excesso provoca a mesma manifestação visível – o sintoma[2] Uma explicação para os macronutrientes serem requeridos em quantidades elevadas é o fato de eles fazerem parte de moléculas essenciais para o vegetal, ou seja, possuem um papel estrutural. Por outro lado, os MICRONUTRIENTES estão mais relacionados à ativação de certas enzimas, sendo que possuem um papel regulatório [3]. Seis elementos químicos são considerados Macronutrientes minerais para as plantas superiores:Nitrogênio (N), Fósforo (P), Potássio (K), Cálcio (Ca), Magnésio (Mg), Enxofre(S). Os elementos Carbono (C), Hidrogênio (H) e Oxigênio (O) são Macronutrientes orgânicos, pois não são obtidos através do solo.

Funções dos Macronutrientes

Nitrogênio (N): De maneira geral, o N é o nutriente mineral mais exigido pelas plantas. Cerca de 90% do N da planta encontra-se em forma orgânica e é assim que desempenha as suas funções, como componente estrutural de macromoléculas e constituinte de enzimas. Os “aminoácidos livres” dão origem: a outros aminoácidos e às proteínas e, por conseqüência, às coenzimas; são percursores de hormônios vegetais – triptofano do ácido indolacético e metionina do etileno, DNA e RNA (purinas e pirimidinas), molécula de clorofila[4]

Fósforo (P): H2 PO4 – regulação da atividade de enzimas. Liberação de energia do ATP e do fosfato de nucleotídeo de adenina – respiração, fixação de CO2 , biossíntese, absorção iônica. Constituinte dos ácidos nucléicos. Fosfatos de uridina, citosina e guanidina – síntese de sacarose, fosfolipídeos e celulose. Fosfolipídeo de membrana celular[5].

Potássio (K): Este elemento está associado a economia de água, abertura e fechamento dos estômatos – fotossíntese, ativação de enzimas – transporte de carboidratos fonte-dreno[6]; potencial hídrico celular (osmorregulador) – turgidez de tecido vegetal .


Cálcio (Ca): Como pectato, na lamela média, funciona como “cimento” entre células adjacentes. Participa do crescimento da parte aérea e das pontas das raízes. Redução no efeito catabólico das citocininas na senescência. No vacúolo, presente como oxalato, fosfato, carbonato – regulação do nível desses ânions. Citoplasma: Ca-calmodulina como ativadora de enzimas (fosfodiesterase cíclica de nucleotídeo, ATPase de menbrana e outras). Mensageiro secundário de estímulos mecânicos, ambientais, elétricos. Manuteção da estrutura funcional do plasmalema[7].

Magnésio (Mg): Ocupa o centro do núcleo tetrapirrólico da clorofila. Cofator das enzimas que transferem P entre ATP e ADP. Fixação do CO2 : ativação da carboxilase da ribulose fosfato e da carboxilase do fosfoenolpiruvato. Estabilização dos ribossomas para a síntese de proteínas[8]

Enxofre(S): Presente em todas as proteínas, enzimáticas ou não, e em coenzimas: CoA – respiração, metabolismo de lipídeos; biotina – assimilação de CO2 e descarboxilação; tiamina – descarboxilação do piruvato e oxidação de alfacetoácidos. Componente da glutationa e de hormônios. Pontes de bissulfato, -S-S-, participam de estruturas terciárias de proteínas. Formação de óleos glicosídicos e compostos voláteis. Formação de nódulos das leguminosas. Ferredoxina – assimilação do CO2 , síntese da glicose e do glutamato, fixação do N2 , redução do nitrato[9].




Referências

  1. “Os Nutrientes” no site rg nutri.com.br acessado a 22 de junho de 2009
  2. [MALAVOLTA, E. INTERNATIONAL PLANT NUTRITION INSTITUTE – BRASIL. Informações Agronômicas Nº 121 – MARÇO/2008.]
  3. [PERES, L. E. P. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz]
  4. [ • FAQUIN, V. Nutrição Mineral de Plantas. Curso de pós-graduação “lato sensu” (especialização) a distância solos e meio ambiente. Universidade Federal de Lavras - UFLA Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão - FAEPE Lavras – MG, 2005. ]
  5. [MALAVOLTA, E. INTERNATIONAL PLANT NUTRITION INSTITUTE – BRASIL. Informações Agronômicas Nº 121 – MARÇO/2008.]
  6. [MALAVOLTA, E. INTERNATIONAL PLANT NUTRITION INSTITUTE – BRASIL. Informações Agronômicas Nº 121 – MARÇO/2008.]
  7. [MALAVOLTA, E. INTERNATIONAL PLANT NUTRITION INSTITUTE – BRASIL. Informações Agronômicas Nº 121 – MARÇO/2008.]
  8. [MALAVOLTA, E. INTERNATIONAL PLANT NUTRITION INSTITUTE – BRASIL. Informações Agronômicas Nº 121 – MARÇO/2008.]
  9. MALAVOLTA, E. INTERNATIONAL PLANT NUTRITION INSTITUTE – BRASIL. Informações Agronômicas Nº 121 – MARÇO/2008.]
Ícone de esboço Este artigo sobre Fisiologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.