Made in Dagenham

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: ""Igualdade de Sexos"" redireciona a este artigo. Para o conceito sociológico, veja Igualdade de género.
Made in Dagenham
Igualdade de Sexos[1] (PRT)
Revolução em Dagenham[2] (BRA)
 Reino Unido
2010 •  cor •  113 min 
Realização Nigel Cole
Produção Stephen Woolley
Elizabeth Karlsen
Elenco Sally Hawkins
Miranda Richardson
Rosamund Pike
Jaime Winstone
Bob Hoskins
Rupert Graves
Richard Schiff
John Sessions
Kenneth Cranham
Daniel Mays
Geraldine James
Andrea Riseborough
Género filme biográfico
comédia cinematográfica
filme de drama
Música David Arnold
Cinematografia John de Borman
Edição Michael Parker
Companhia(s) produtora(s) BBC Films
Number 9 Films
Distribuição Paramount Pictures (UK)
Sony Pictures Classics (US)
Lançamento 2010/Set./11 no Toronto International Film Festival(premiere)
Idioma inglês
Orçamento €6 milhões[3]

Made in Dagenham (bra: Revolução em Dagenham; prt: Igualdade de Sexos) é um filme britânico de 2010, dos gêneros comédia dramática e biográfica, realizado por Nigel Cole e escrito por William Ivory, baseado na Greve de 1968 na fábrica da Ford em Dagenham, onde as mulheres trabalhadoras lutaram e protestaram por seus direitos e contra a discriminação sexual.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em 1968, a Fábrica da Ford em Dagenham era uma das maiores empresas empregadoras privadas do Reino Unido. Além dos homens trabalhadores que ganhavam um salário favorável, também existiam 187 mulheres que eram pagas abaixo do salário dos homens e que atuavam sob condições precárias. Insatisfeitas, as mulheres, representadas pelo delegado sindical, e por Rita O'Grady, tentam alterar a situação. Reivindicando junto das chefias da empresa melhores condições de trabalho e aumento dos salários, umas vez que consideram que fazem um trabalho igualmente importante ao dos homens. A recusa da empresa em acatar as propostas leva as mulheres trabalhadores a responderem com mais ações de luta. Greves, manifestações e intervenções nos plenários da empresa. Chegam a falar com a Secretária de Estado para o Emprego, no sentido de pressionar as chefias da empresa. As lutas levadas a cabo pelas mulheres da empresa da Ford de Dagenham fizeram história ao conseguirem atingir os seus objetivos.

Exatidão histórica[editar | editar código-fonte]

As mulheres não trabalhavam mesmo na divisão da fábrica em Dagenham, mas a cerca de um quilômetro, em River Plant. A personagem principal, líder da luta das mulheres presentes no filme, Rita O'Grady, não é uma personagem real, é na verde um composto, para refletir numa só pessoa o que se passou com um determinado grupo. A escola usada no filme é a Escola de Eastbrook em Dagenham. O quadro de lousa que aparece na cena de abertura é o original desde que a escola foi construída.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Banda sonora[editar | editar código-fonte]

Foi lançada a banda sonora do filme com as seguintes músicas:[4]

Portal A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. «Igualdade de Sexos». no CineCartaz (Portugal) 
  2. Revolução em Dagenham no CinePlayers (Brasil)
  3. «Made in Dagenham: interview with producers Stephen Woolley and Elizabeth Karlsen». The Daily Telegraph. 16 de setembro de 2010. Consultado em 5 de outubro de 2010 
  4. Made in Dagenham: Original Soundtrack (em inglês) no Allmusic. Acessado em 2011-05-15.
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme britânico é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.