Mademoiselle O

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

"Mademoiselle O" é uma memória por Vladimir Nabokov sobre sua excêntrica governanta franco-suíça.

História da publicação[editar | editar código-fonte]

Isso foi primeiro escrito e publicado em francês em Mesures (vol. 2, no. 2, 1936)[1] e subsequentemente em inglês (traduzido por Nabokov e Hilda Ward) em The Atlantic Monthly (janeiro de 1943).[2]

Isso foi primeiro antologizada em Nine Stories (1947)[3] e foi mais tarde reproduzida em Nabokov's Dozen (1958)[4] e The Stories of Vladimir Nabokov.

Isso se tornou um capítulo de Conclusive Evidence (1951, também intitulado Fala, Memória) e, subsequentemente de Drugie Berega (1954, traduzido em russo pelo autor) e Speak, Memory: An Autobiography Revisited (1966).[5]

Notas

  1. Michael Juliar, Vladimir Nabokov: A Descriptive Bibliography (New York: Garland, 1986; ISBN 0-8240-8590-6), item C399, p.505.
  2. Juliar, item C461, p.512.
  3. Juliar, item A25, pp.190–195.
  4. Juliar, item A32, pp.253–7.
  5. All editions of the autobiography: Juliar, item A26, pp.196–211.