Magistrados executivos do Império Romano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Roma Antiga
Roman SPQR banner.svg

Este artigo é parte da série:
Política e governo da
Roma Antiga


Períodos
Reino de Roma
753 a.C.509 a.C.

República Romana
508 a.C.27 a.C.
Império Romano
27 a.C.1453

Constituição romana

Constituição do Reino
Constituição da República
Constituição do Império
Constituição do Dominato
Senado
Assembleias Legislativas
Magistrados executivos

Magistrados ordinários
Magistrados extraordinários
Títulos e Honras
Imperador
Precedente e Lei

Outros países · Atlas

Os magistrados executivos do Império Romano eram pessoas eleitas durante o antigo Império Romano. Durante a transição da monarquia para a república, o equilíbrio de poderes constitucionais passou do ramo executivo (o rei de Roma) para o senado romano. Durante a transição da república para o império, o equilíbrio de poder regressou para o ramo executivo (o imperador romano). Em teoria, o senado elegia cada novo imperador, embora na prática fosse o exército quem fazia a escolha. Os dois principais componentes do poder do imperador (o seu imperium) eram o "poder tribunício" (potestas tribunicia) e o "poder proconsular" (imperium proconsulare).[1] Em teoria, o poder tribunício, semelhante ao poder dos tribunos da plebe durante a república) dava ao imperador autoridade sobre o governo civil de Roma, enquanto que os poderes proconsulares, semelhantes aos dos governadores militares, ou procônsules, na república, lhe davam autoridade sobre o exército romano. Embora estas distinções fossem claramente definidas durante o início do império, ao longo do tempo foram sendo perdidas e os poderes do imperador tornaram-se menos constitucionais e mais monárquicos.[2]

Referências

  1. Abbott 1901, p. 342
  2. Abbott 1901, p. 341

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Abbott, Frank Frost (1901). A History and Description of Roman Political Institutions. [S.l.]: Elibron Classics. ISBN 0-543-92749-0