Magnitude sísmica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

As escalas de magnitude sísmica são usadas para descrever a força geral ou “tamanho” de um terremoto. Estas são diferenciadas das escalas de intensidade sísmica que categorizam a intensidade ou gravidade do tremor do solo (tremor) causado por um terremoto em um determinado local. As magnitudes são geralmente determinadas a partir de medições das ondas sísmicas de um terremoto, conforme registradas em um sismograma. As escalas de magnitude variam de acordo com o aspecto das ondas sísmicas que são medidas e como são medidas. Diferentes escalas de magnitude são necessárias devido às diferenças nos terremotos, às informações disponíveis e aos propósitos para os quais as magnitudes são usadas.[1]

Escala de Richter[editar | editar código-fonte]

Foi uma escala muito usada e descontinuada. A magnitude de um sismo pode ser quantificada pela escala de Richter e está relacionada com a energia libertada durante o sismo, sendo expressa pela fórmula matemática estabelecida em 1935 por Beno Gutenberg e Charles Francis Richter:

log E = 11,4 + 1,5 M

em que E é a energia liberada (em ergs) e M a magnitude do terramoto.[2]

O incremento de uma unidade nesta escala corresponde a um aumento de dez vezes na amplitude da onda sísmica e de cerca de 32 vezes na energia libertada durante o sismo.

Escala de magnitude de momento[editar | editar código-fonte]

Atualmente, a tendência é medir a magnitude com base no momento sísmico, que representa uma medida com significado físico.[3][4] É, portanto, uma medida menos consistente do tamanho de um terremoto e deu lugar à definição de uma nova escala baseada no momento sísmico (Kanamori, 1977), denominada escala de magnitude de momento (Moment magnitude scale) ou MMS, que substituiu a escala Richter.[5]

O momento sísmico pode ser relacionado com os parâmetros da falha, através da relação de Aki (1966),

´

onde μ é o módulo de rigidez, S é a área da falha e D é o deslocamento médio sobre o plano da falha.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Abe, Katsuyuki; Noguchi, Shin'ichi (1 de agosto de 1983). «Revision of magnitudes of large shallow earthquakes, 1897–1912». Physics of the Earth and Planetary Interiors (1): 1–11. ISSN 0031-9201. doi:10.1016/0031-9201(83)90002-X. Consultado em 18 de setembro de 2023 
  2. Como medir a força de um terremoto?
  3. «Magnitude». web.archive.org. 13 de agosto de 2007. Consultado em 18 de setembro de 2023 
  4. «Energias de um Sismo - Sismologia IAG/USP». Consultado em 26 de setembro de 2008. Arquivado do original em 13 de abril de 2009 
  5. Terremoto

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre geologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.