Magnitude sísmica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox question.svg
Esta página ou seção carece de contexto (desde fevereiro de 2017).

Este artigo (ou seção) não possui um contexto definido, ou seja, não explica de forma clara e dire(c)ta o tema que aborda. Se souber algo sobre o assunto edite a página/seção e explique de forma mais clara e objetiva o tema abordado.

Escala de Richter[editar | editar código-fonte]

A magnitude de um sismo pode ser quantificada pela escala de Richter e está relacionada com a energia liberada durante o sismo, sendo expressa pela fórmula matemática estabelecida em 1935 por Beno Gutenberg e Charles Francis Richter:

log E = 11,4 + 1,5 M

em que E é a energia liberada (em ergs) e M a magnitude do terremoto.[1]

O incremento de uma unidade nesta escala corresponde a um aumento de dez vezes na amplitude da onda sísmica e de cerca de 32 vezes na energia libertada durante o sismo.

Escala de magnitude de momento[editar | editar código-fonte]

Atualmente, a tendência é medir a magnitude com base no momento sísmico, que representa uma medida com significado físico. [1] [2] É, portanto, uma medida menos consistente do tamanho de um terremoto e deu lugar à definição de uma nova escala baseada no momento sísmico (Kanamori, 1977), denominada escala de magnitude de momento (Moment magnitude scale) ou MMS, que substituiu a escala Richter.[3]

O momento sísmico pode ser relacionado com os parâmetros da falha, através da relação de Aki (1966),

´

onde μ é o módulo de rigidez, S é a área da falha e D é o deslocamento médio sobre o plano da falha.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.