Malaio ambonês

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Malaio ambonês
Falado em: Indonésia
Total de falantes: O total de falantes como língua nativa é desconhecido (250 000 em 1987). 1,4 milhões incluindo os falantes como segunda língua.[1]
Família: Crioulos de base malaia
 Indonésia
  Malaio ambonês
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---

O malaio ambonês é uma língua crioula de base malaia que tem sido evidente desde o século XVII. Ela foi levada por comerciantes da parte ocidental da Indonésia, em seguida, desenvolvida quando o Império Holandês colonizaram as ilhas Molucas. Este foi o primeiro exemplo da transliteração do malaio em alfabeto latino, e usado como uma ferramenta dos missionários na Indonésia Oriental. O malaio foi ensinado nas escolas e igrejas em Ambon, e, por isso, tornou-se uma língua franca em Ambon e seus arredores.

Os falantes nativos cristãos usam o malaio ambonês como língua materna, enquanto os muçulmanos falam como segunda língua como eles têm sua própria língua. Os muçulmanos da ilha de Ambon particularmente vivem em diversas áreas no município de Ambon, dominante em Salahutu e na península de Leihitu. Enquanto nas ilhas Lease (pron: LAY-AH-SAY), a comunidade cristã de língua ambonesa é dominante na parte ilhas Haruku, Saparua e Nusa Laut. O crioulo malaio ambonês também tornou-se língua franca em Buru, Ceram, Geser-Gorom e sudoeste das Ilhas Molucas, embora com diferentes sotaques.

O malaio ambonês é baseado em malaio com grandes influências do português (cerca de 350 termos de origem portuguesa)[2] e do neerlandês, ambos são línguas europeias, bem como os vocabulários ou estruturas gramaticais de línguas nativas da região. O malaio ambonês é famoso por seu sotaque melodioso. Muçulmanos e cristãos falantes tendem a fazer escolhas diferentes no vocabulário.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Malay, Ambonese» (em inglês). Ethnologue. Consultado em 11 de julho de 2015 
  2. «A Herança da Língua Portuguesa no Oriente (Ásia)». Consultado em 11 de julho de 2015