Magia na série Harry Potter

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Maldição Imperius)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Na série Harry Potter, a magia é retratada como uma força sobrenatural que pode ser usada para substituir as leis da físicas usuais. Muitas criaturas mágicas existem na série, enquanto as criaturas comuns às vezes exibem novas propriedades mágicas. Objetos também podem ser aprimorados ou imbuídos de propriedades mágicas. A pequena porcentagem de seres humanos que são capazes de realizar magia é referida como bruxas e feiticeiros, em contraste com o não-mágico trouxas.

Nos seres humanos, a magia ou a falta dela é um atributo inato. É herdada, realizada em "genes resilientes dominantes".[1] A magia é a norma para os filhos de casais mágicos e menos comum nos trouxas. Existem exceções: aqueles que não conseguem fazer magia, filhos de pais mágicos, são conhecidos como squibs, enquanto que uma bruxa ou mago nascido para pais muggles é conhecido como muggle-born, ou pelo termo depreciativo "sangue-ruim". Enquanto os muggles são bastante comuns, os squibs são extremamente raros.

Utilidade[editar | editar código-fonte]

Bruxas e feiticeiros precisam de treinamento para aprender a controlar sua magia(mas já nascem com a magia). Com crianças jovens e inexperientes, a magia se manifestará subconscientemente em momentos de forte apreensão, medo, raiva e tristeza,como acontece com Harry nos livros e nos filmes.[2] Por exemplo, Harry Potter uma vez tornou o cabelo crescido de volta depois de um corte de cabelo ruim, estabeleceu uma boa constrictor em seu primo a no Zoológico de Londres, e infla Tia Guida como um balão em um momento de raiva. Embora esta reação seja geralmente incontrolável, como uma criança não treinada, Lord Voldemort conseguiu fazer as coisas se mover sem tocá-las, fazer os animais fazerem o que desejassem sem treiná-las, fazer "coisas ruins acontecerem às pessoas" que o aborrecavam, ou fazê-los doer se ele quisesse.[3] Além disso, Lílian Potter foi capaz de orientar e controlar o florescimento de uma flor ao querer(coisas que seus tios não aceitavam).

Quase toda magia é feita com o uso de um Varinha. Sobre o assunto da magia sem varinha, Rowling disse:[4]

Um mago ou bruxa está apenas no seu melhor quando usa sua própria varinha. Ao usar a varinha de outro, os feitiços não são tão fortes como normalmente seriam.

Dentro dos livros, os detalhes técnicos da magia são obscuros. Das lições de Harry, apenas aqueles envolvendo animais mágicos ou a adivinhação são dados em qualquer detalhe.

Severo Snape uma vez disse Harry Potter que "O tempo e o espaço são importantes na magia" durante a primeira aula de Occlumência de Harry em Harry Potter e a Ordem da Fênix e Alvo Dumbledore disse a Harry depois de encontrar o barco magicamente escondido para alcançar o medalhão Horcrux, "a magia sempre deixa vestígios, às vezes traços distintivos".

Limitações[editar | editar código-fonte]

Antes de publicar o primeiro livro de 'Harry Potter', Rowling passou cinco anos estabelecendo as limitações da magia, determinando o que podia e o que não podia fazer. "O mais importante para decidir quando você está criando um mundo fantasioso", disse ela em 2000, "é o que os personagens NÃO PODEM fazer". Por exemplo, enquanto é possível conjurar as coisas do nada, é muito mais complicado criar algo que corresponda a uma especificação exata e não a uma geral; Além disso, qualquer objeto tão conjurado tende a não durar.[5]

Morte[editar | editar código-fonte]

Rowling descreveu a morte como o tema mais importante nos livros.[6] Conseqüentemente, como Dumbledore afirma em "Harry Potter e o Cálice de fogo", não há feitiços que realmente possam trazer as mortas de volta à vida. Enquanto os cadáveres podem ser transformados em obedientes Inferi no comando de um mago vivo, eles são pouco mais do que zumbis sem alma ou vontade própria. No entanto, existem alguns métodos de comunicação com os mortos, embora com resultados limitados. Por exemplo, todos os diretores de Hogwarts aparecem em um retrato mágico quando eles morrem, permitindo a consulta das gerações futuras. Também é possível através do raro efeito Priori Incantatem para conversar com "sombras" fantasmagóricas de pessoas assassinadas magicamente. Pedra de Ressurreição também permite conversar com os mortos, mas aqueles trazidos de volta pela Pedra não são corpóreos, nem desejam ser incomodados com o seu repouso pacífico. Ao longo da série, este limite é continuamente mencionado, e os feiticeiros tentam transcendê-lo em sua própria loucura.

Da mesma forma, não é possível tornar-se imortal, a menos que se faça uso de um objeto de grande poder para sustentar a vida, como os Objetos mágicos em Pedra Filosofal da Pedra Filosofal de Harry Potter ou horcrux. Se alguém possuíssemos as três Relíquias da Morte, é fabuloso que eles possuam as ferramentas para se tornar o "mestre da morte". No entanto, é sugerido que ser um verdadeiro "mestre da morte" é estar disposto a aceitar que a morte é inevitável. Outros métodos de extensão da vida incluem beber sangue de unicórnio, o que manterá a pessoa viva, mesmo que a morte seja iminente, mas com o preço terrível de ser amaldiçoado para sempre. Ser mágico pode contribuir para a longevidade, uma vez que existem vários personagens da série que são invulgarmente vivos (como Griselda Marchbanks, que era um vigiador durante os exames O.W.L da Albus Dumbledore). É revelado por Nearly Headless Nick no quinto livro que todas as feiticeiras e feiticeiras podem se tornar fantasmas [fantasmas (Harry Potter)] ao morrer; no entanto, é descrito como "uma imitação pálida da vida". Snape afirma que um fantasma é meramente "a impressão de uma alma separada deixada sobre a Terra".

A morte é estudada no Departamento dos Mistérios em uma câmara contendo um véu enigmático, que Rowling descreveu como "a divisão entre a vida ea morte". No que diz respeito ao que é do outro lado, ela elaborou: "Eu acredito que você continua? Sim, eu acredito que você continua. Eu acredito em uma vida após a morte, embora eu esteja completamente sem dúvida e sempre tenha sido aí está você."[7] Sirius cai através deste véu em Ordem da Fênix depois que ele é atingido com uma maldição de Bellatrix

Principais exceções à Lei de Transformação Elementar de Gamp[editar | editar código-fonte]

As "Principais Exceções à Lei de Transformação Elementar de Gamp" é uma teoria mágica mencionada por Hermione e mais tarde repetida por Ron no livro final. Ela explica que a comida é uma dessas: bruxas ou magos podem cozinhar e preparar comida usando magia, e até mesmo multiplicá-la, mas não criá-la sem nada. Existem inúmeros exemplos na série de alimentos que "aparecem" foram conjurados a partir do nada, como a súbita materialização dos ingredientes nas panelas da cozinha de Molly Weasley e quando a professora McGonagall cria um prato auto-recarregável de sanduiches para Harry e Ron em Harry Potter e a Câmara Secreta . Em todos os casos, esses eventos podem ser razoavelmente explicados, pois os alimentos são multiplicados ou transportados de outro lugar. Um exemplo do último é banquetear em Hogwarts - a comida é preparada por elfos nas cozinhas e colocada em quatro mesas de réplica, diretamente abaixo das mesas reais da casa no Grande Salão. O alimento é então magicamente transportado para as mesas.

Esta é a única exceção mencionada explicitamente na série. No entanto, a própria Rowling afirmou uma vez em uma entrevista que "dinheiro" é algo que os magos não podem simplesmente se materializar fora do ar,[5] ou o sistema econômico do mundo bruxo então ser gravemente falho e interromper. Enquanto os Objetos mágicos em Pedra Filosofal de Harry Potter # podem permitir alquimia, isso é retratado como um objeto extremamente raro, mesmo único, cujo proprietário não aproveita seus poderes.

Emoções[editar | editar código-fonte]

Conforme explicado anteriormente, jovens feiticeiros não treinados podem desencadear a magia descontrolada quando estão no estado de emoções elevadas. Mas as emoções também afetam bruxas e feiticeiros treinados e suas habilidades mágicas. Por exemplo, em "Half-Blood Prince", uma [[Nymphadora Tonks] destronada] perde temporariamente seu poder como Metamorphmagus quando Remus Lupin começa a se distanciar dela. A forma dela Patronus muda para refletir sua depressão. Outro exemplo é Merope Gaunt, que só demonstrou qualquer habilidade mágica quando retirado da opressão de seu pai, mas depois perdeu novamente quando o marido a abandonou.

Vários feitiços mágicos requerem o uso de certas emoções quando os molda. O encanto de Patronus, por exemplo, exige que o conjurador se concentre em uma memória feliz. (Força de vontade, em circunstâncias atenuantes, ajuda muito. Um exemplo disto é quando Harry é capaz de conjurar um Patronus corpóreo quando Sirius corre o risco de ser administrado o Beijo Dementor.) Predefinição:HP3 Outro exemplo é o Maldição Cruciatus, que causa uma enorme dor; como Harry descobre durante um duelo com Bellatrix Lestrange, o uso efetivo dessa magia negra proibida requer desejos sádicos.

O amor (no seu sentido mais amplo) é representado como uma forma de magia particularmente poderosa. De acordo com Dumbledore, o amor é uma "força que é ao mesmo tempo maravilhosa e mais terrível do que a morte do que a inteligência humana, do que as forças da natureza" O sacrifício voluntário de Lily por conta de Harry o salva de Voldemort como um bebê, e Harry faz um sacrifício semelhante para salvar seus amigos no final de "Relíquias da Morte". Uma certa profecia chave na série descreve Harry como tendo "o poder que o Senhor das Trevas não sabe", referenciando sua capacidade para amor.

O amor verdadeiro é impossível de criar magicamente; Amortentia, uma poção de amor, só pode criar uma poderosa sensação de paixão e obsessão.

Feitiços[editar | editar código-fonte]

Feitiços são as ferramentas de todos os fins de um mago ou bruxa; pequenas explosões de magia usadas para realizar tarefas especializadas únicas, como abrir bloqueios ou criar fogo. Normalmente, o elenco requer um encantamento, na maioria das vezes em uma forma modificada de Latim e gesticulando com Varinha. No entanto, Rowling revelou que feiticeiros particularmente talentosos podem lançar feitiços sem o auxílio de varinha, embora a magia produzida com uma seja geralmente mais precisa e poderosa.[8] Os feitiços também podem ser lançados de forma não verbal, mas com uma varinha. Esta técnica especial é ensinada no sexto ano de estudo em Hogwarts e exige que o conjurador se concentre no encantamento. Alguns feitiços (por exemplo, "Levicorpus") aparentemente foram projetados para serem usados de forma não verbal. Enquanto a maioria das magias mostradas nos livros exige que o rodízio use sua voz, outras não (e isso pode depender da bruxa ou do assistente). Dumbledore é conhecido por fazer feitos impressionantes de magia sem falar, como conjurar sacos de dormir roxos suficientes para acomodar toda a população estudantil ou durante seu duelo com Voldemort no final da Harry Potter e a Ordem da Fênix.

Em alguns casos, é possível usar uma varinha sem segurá-la. No quinto livro, Harry diz Lumos para acender sua varinha quando está deitado no chão em algum lugar perto dela. Além disso, Animagos e Metamorfomagos não precisam de varinhas para sofrer suas transformações.

Os feitiços são divididos em categorias como Maldições, azarações, transfigurações e poções.[9] Maldições são associadas às artes das trevas, e embora estejam relacionadas, as azarações tem um efeito reduzido.[9] Embora as Maldições ofensivas e potencialmente perigosas existam em grande número, três são consideradas utilizáveis ​​apenas para o grande mal, o que lhes gera a classificação especial de "Maldições imperdoáveis".

A principal representação de um "feitiço" nos livros de Harry Potter é por composta de um gesto feito com a personagem varinha, combinada com um encantamento mental ou falado. Nos livros e os associados da série cinematográfica, os nomes da maioria desses feitiços ou encantamentos os usados ​​para fazê-los são derivados das línguas clássicas, especialmente o latim. Estes nomes não são gramaticalmente corretos em qualquer idioma; os termos mais falados assemelham-se a palavras em latim com significado apropriado, mas em si são o latim macarrônico.

Devido à sua popularidade, os nomes de diversos feitiços já foram usados para nomear pratos em food-trucks[10][11] e restaurantes, golpes de artes marciais,[12] além de poses de yoga.[13]

As Maldições Imperdoáveis[editar | editar código-fonte]

São feitiços da série Harry Potter (Livro da autora J.K. Rowling) que foram proibidos pelo Ministério da Magia por possuírem caráter maligno e objetivo cruel (matar, torturar, controlar...). O uso das tais maldições implica prisão perpétua em Azkaban.[14]

Maldição Cruciatus[editar | editar código-fonte]

Crucio - Chamada também de Maldição da Tortura, causa enormes dores psicológicas e físicas. É um dos feitiços favoritos de Lord Voldemort e dos Comensais da Morte e, segundo Belatrix Lestrange, para o feitiço funcionar, "não basta apenas pronunciar as palavras, é preciso querer causar dor e sentir prazer com o sofrimento do seu oponente."[15] Visto/mencionado em Harry Potter e o Cálice de Fogo quando Bartô Crouch Jr., que estava transformado por meio da poção polissuco no ex-auror Alastor Moody, usa a maldição em um amblipígio (animal da mesma classe das aranhas) durante a aula de Defesa Contra as Artes das Trevas. 2- Harry descobre que Bartô Crouch Jr. e Belatrix Lestrange (Bellatrix, na versão inglesa) foram enviados para Azkaban, por terem usado esta maldição em Frank e Alice Longbottom, pais de Neville Longbottom, até a insanidade. 3- Em Harry Potter e a Ordem da Fênix, Harry usa tal maldição em Bellatrix Lestrange após ela ter supostamente matado seu padrinho Sirius Black. 4- No livro Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Harry torna a usar essa maldição, mas Snape diz que ele é incapaz de fazer o uso correto de tal feitiço. Também em Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Draco Malfoy tenta usar contra Harry quando lutam no banheiro feminino, mas não termina o feitiço.

Mas Harry aprende como usá-lo no sétimo livro, quando Amico Carrow cospe no rosto da professora Minerva McGonagall, em Hogwarts,e Draco Malfoy usou junto a Voldemort em um comensal da morte,chamado Thorfinn Rowle, pela falha na missão de capturar Harry e seus amigos.

Também podemos vê-lo no sétimo livro, quando Bellatrix Lestrange tortura Hermione Granger fortemente na Mansão Dos Malfoy.

É mencionado no sétimo livro que Alvo Dumbledore foi atingido por Grindelwald com essa maldição.

Maldição Imperius[editar | editar código-fonte]

Imperius,[16] chamada também de Maldição do Enganamento, toma o controle do alvo e faz com que a vítima siga fielmente as ordens do bruxo que lançou o feitiço. Feiticeiros com grande força de vontade podem vencer essa maldição como Harry faz durante as aulas com o falso Alastor Moody em "Harry Potter e o Cálice de Fogo".[17] A Oclumência não tem qualquer influência sobre a maldição, como podemos notar quando o verdadeiro Moody é colocado sobre a influência da maldição apesar de ter grande experiência em oclumência. Esta maldição controla a vontade do amaldiçoado e não sua mente, tanto que os amaldiçoados continuam a pensar normalmente apesar de não terem controle sobre seus atos. Visto/mencionado em Diversos locais. Visto em Harry Potter e o Cálice de Fogo quando Bartô Crouch Jr., que estava disfarçado de o ex-Auror Olho-Tonto Moody, usa contra uma aranha em uma aula de Defesa Contra a Arte das Trevas. No mesmo filme, a maldição é usada por Lord Voldemort em Harry Potter, isso para obriga-lo a usar os bons modos de um duelo contra Voldemort. Também visto em Harry Potter e as Relíquias da Morte quando Harry Potter utiliza esta maldição em um duende na recepção de Gringotes, e depois usada por Rony Weasley dentro do banco após serem submetidos à Queda do Ladrão (encantamento que desfaz todos os feitiços que ameacem invasão aos cofres de Gringotes), no mesmo duende.

Foi muito usada no tempo em que Lord Voldemort era poderoso, criando dificuldades para que o Ministério da Magia separasse os reais seguidores de Voldemort dos enfeitiçados. Muitos dos Comensais da Morte disseram-se enfeitiçados pela Maldição Imperius para escapar de Azkaban após a queda de seu mestre.Em Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Draco Malfoy enfeitiça Madame Rosmerta em Hogsmeade.

Através de treino é possível resistir a essa maldição. Harry Potter é um dos bruxos capazes de resistir completamente, tendo sido treinado para isso durante as aulas com o falso Alastor Moody (na verdade, Bartô Crouch Jr.), no quarto livro. Vítor Krum foi enfeitiçado com Imperio na terceira tarefa do Torneio Tribruxo. O Ministro júnior da Grã-Bretanha, Herberto Chorley, reagiu mal quando foi encantado. Draco Malfoy usou esse feitiço em Madame Rosmerta, que por sua vez amaldiçoou Katie Bell. Aparece nos livros Cálice de Fogo (p. 171, 539, 542, 544) Ordem da Fênix, Enigma do Principe e Relíquias da Morte.

Maldição Avada Kedavra[editar | editar código-fonte]

Avada Kedavra[10][16] é a pior das três Maldições Imperdoáveis, faz com que um raio verde saia da varinha e atinja o alvo instantaneamente, matando sem deixar rastos ou sinais visíveis. A cicatriz de Harry é a única exceção. Ele também se tornou uma exceção por ser a única pessoa que já sobreviveu a essa maldição.[18] Perto do verão de 1998, Harry tornou-se o primeiro bruxo a sofrer mais de uma vez a Maldição da Morte e também o primeiro a ressuscitar depois do ataque. Uma autópsia trouxa não consegue identificar a causa da morte. Dumbledore conseguiu proteger Harry da Avada Kedavra com barreiras físicas (as estátuas do Ministério da Magia), e Edwiges bloqueou o caminho de mais um feitiço, morrendo para proteger Harry.

Além disso, Fênix, pássaros imortais que ressurgem das suas próprias cinzas sobrevivem a esse feitiço, pegando fogo quando são atingidas por ele (como fazem quando estão velhas) e depois revivem de suas cinzas. Quem utilizar a Maldição da Morte em outro ser humano recebe pena de prisão perpétua, na prisão bruxa de Azkaban. No quinto livro, Alvo Dumbledore conta mais alguns detalhes sobre a morte dos pais de Harry Potter: como sua mãe, Lílian Evans, o havia protegido com um feitiço muito antigo, o qual Voldemort jamais conseguiria compreender. Ela e seu marido, Tiago Potter, faleceram enquanto protegiam o filho, que sobreviveu apenas com uma cicatriz em forma de raio, que lhe traz ligações e estranhas habilidades, como a ofidioglosia - capacidade de se comunicar com cobras, com aquele que tentou matá-lo, Lord Voldemort.

Visto/mencionado:: Em Harry Potter e as Relíquias da Morte é usado muitas vezes na Batalha em Hogwarts. Todos a quem esta maldição é dirigida morrem. Só é conhecido um sobrevivente: Harry Potter. No filme de Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2, é mostrado alguns dos personagens se defendendo do feitiço com o feitiço Protego que se for lançado corretamente te defende de qualquer feitiço, até mesmo a Maldição da Morte.

Em Harry Potter e a Câmara Secreta (possivelmente, somente no filme):

  • Por Lucio Malfoy, quando tenta matar Harry, mas é impedido por Dobby. Ele diz somente "Avada...", logo o feitiço mais possível é "Avada Kedavra".

Em Harry Potter o Cálice de Fogo:

Em Harry Potter e a Ordem da Fênix:

Em Harry Potter e o Enigma do Príncipe:

Em Harry Potter e as Relíquias da Morte:

A palavra aramaica Avada significa "Eu destruo/mato". Considerando que Kedavra significa "como eu falo", logo fica "Eu mato quando falo". J. K. Rowling quando estava em um festival de livros em 2004 e deu a explicação sobre o significado de Avada Kedavra, afirmando ser um antigo feitiço em aramaico, tendo sido a origem etimológica de Abracadabra.[19]

Nota: No filme Harry Potter e a Ordem da Fênix, Bellatrix Lestrange usa essa maldição em Sirius Black, com sucesso, mas apenas no filme. Quanto ao livro ele é atingido por um feitiço desconhecido, possivelmente um Feitiço Estuporante, pois no livro não é citado o feitiço. Podendo então assumir que Sirius morreu ao atravessar o véu.
Nota 2: Quando um animal é transformado em Horcrux (propositadamente), recebe proteção contra quase todos os feitiços, isso inclui a maldição da Morte, como é demonstrado em Harry Potter e as Relíquias da Morte.


Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.


Referências

  1. «FAQ jkrowling.com». Consultado em 8 de maio de 2017.. Cópia arquivada em 21 de julho de 2011 
  2. «J.K Rowling Official Site». Consultado em 27 de fevereiro de 2008. 
  3. Predefinição:HP6, chapter 13
  4. «2001: Accio Quote!, the largest archive of J.K Rowling interviews on the web». Consultado em 27 de fevereiro de 2008.. Arquivado do original em 27 de agosto de 2008 
  5. a b «JKR quotes about "the rules" of Harry Potter's Wizarding World:». Consultado em 27 de fevereiro de 2008. 
  6. Harry Potter and Me. Accio Quote. 28 de dezembro de 2001. BBC 
  7. Anelli, Melissa. «More About that Veil». Harry, A History. Consultado em 8 de maio de 2017.. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2008 
  8. «History of Magic in North America». Pottermore. Consultado em 5 de maio de 2017. 
  9. a b Easthment, Stephen (2012). Harry Potter - the Harry Potter Spellbook - Unofficial Guide. [S.l.]: Ebooklt. ISBN 9781456610807 
  10. a b O Viral (5 de junho de 2017). «Na crise, fãs de Harry Potter investem em food truck temático. E deu certo!». Consultado em 17 de novembro de 2017. 
  11. Jéssica Silva (9 de junho de 2017). «Trailer de lanches tem cardápio que homenageia 'Harry Potter'». Consultado em 17 de novembro de 2017. 
  12. Andreia Guerreiro (17 de abril de 2017). «Será que os miúdos também gostam de superalimentos?». Consultado em 17 de novembro de 2017. 
  13. Diego Almeida (5 de novembro de 2016). «Harry potter vira tema de aulas de Yoga no Texas». Consultado em 17 de novembro de 2017. 
  14. «Harry Potter and the Goblet of Fire - Pottermore». Pottermore 
  15. «Crucio - Pottermore». Pottermore 
  16. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Lucas
  17. «Imperio - Pottermore». Pottermore 
  18. «Avada Kedavra - Pottermore». Pottermore 
  19. potterish.com. «O que J.K. Rowling diz sobre… Nomes e Significados». Consultado em 20 de novembro de 2017.