Árvores de Tolkien

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Mallorns)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

As árvores de Tolkien são árvores fictícias criadas pelo autor J.R.R.Tolkien para que tomassem parte de sua mitologia. Algumas são de enorme importância para a obra. Estão listadas abaixo de acordo com o local onde cresciam.

Terras Imortais[editar | editar código-fonte]

As Duas Árvores
Ver artigo principal: Duas Árvores de Valinor

Nas Terras Imortais (Aman) cresciam as Duas Árvores de Valinor, criadas por Yavanna e que davam luz aos Valar nos tempos antigos. São brevemente descritas aqui:

  • Laurelin: o nome é composto por duas palavras em Quenya: laurë, cujo significado é ouro e lin, cujo significado é canção. Suas folhas eram de um verde rico e as bordas eram douradas. Sua luz era quente, e parte da seiva que escorria de suas cornucópias de ouro era armazenada em tonéis, os poços de Varda. Depois do Ocaso de Valinor Yavanna pegou o último fruto da árvore e a deu a uma Maya de fogo que ficou responsável por carregá-la do Oriente ao Ocidente. Assim surgiu o Sol.
  • Telperion: o nome é composto pela palavra Quenya tyelpe, prata, mas devido a influencia dos Teleri era mais comumente chamada utilizando-se o radical "Telpe", a forma telerin da prata. Pode-se explicar essa influência devido ao fato dos Teleri amarem mais a prata do que o ouro, sendo sua habilidade com prata admirada até mesmo pelos Noldor. Era a mais antiga das Duas Árvores. Suas folhas eram de verde-escuro e adornada de prata em baixo. Caía orvalho de suas flores, que também era armazenado. Após o Ocaso de Valinor foi entregue a um Maya para ser a Lua.

Númenor, Eressëa e Terra-média[editar | editar código-fonte]

As árvores de Númenor eram perenes e em sua maioria, perfumadas. Muitas não tem um papel de destaque na história. Foram trazidas de Tol Eressëa pelos elfos para Númenor. As da Terra-média são duas apenas.

  • Lairelossë: seu nome significa Branca como a Neve no Verão, e era uma árvore fragrante que crescia em Númenor numa parte chamada Nísimaldar (Árvores Fragrantes).
  • Vardarianna: seu nome provavelmente deriva dos termos Varda, uma Valië e Anna (presente). Também crescia em Nísimaldar.
  • Nessamelda: seu nome pode significar Amada por Nessa, que também era uma Valië, e crescia em Nísimaldar.
  • Taniquelassë: seu nome contém a palavra Quenya lassë, folha, e também crescia em Nísimaldar.
  • Laurinqüe: árvore de cachos de flores amarelas (laurë= luz dourada) que crescia em Hyarrostar, sudeste de Númenor.
  • Yavannamírë: seu nome significa Jóia de Yavanna. Essa árvore, que crescia em Nísimaldar, tinha frutos escarlates.
  • Oiolairë: árvore perene, seu nome significa Sempre-verão. Era de muita importância para os marinheiros de Númenor, pois a cada viagem, um ramo de Oiolairë era colocado na proa do navio para proteção. Esse ramo ganha o nome de Ramo do Retorno.
  • Mallorn: essa árvore ganha muita importância na história. Seu nome em Quenya é Malinornë (Malin-= Ouro, Ornë = Arvore). Era uma árvore de casca prateada que crescia num tronco único. Sua folha era verde-pálido por cima e prateada por baixo, e no outono ganhavam um tom dourado. Na primavera as flores douradas se abriam, continuamente ainda no verão, quando as folhas caíam. Não crescia apenas em Númenor e em Tol Eressëa: sementes foram dadas de presente a Galadriel, que as plantou em Lórien e posteriormente ela deu uma semente a Samwise Gamgee que a plantou no Condado, sendo o único mallorn "a oeste das montanhas e a leste do mar".
  • Galathilion: cópia de Telperion feita por Yavanna para os elfos em Valinor.
  • Celeborn: árvore plantada em Tol Eressëa, criada a partir de uma muda de Galathilion. Seu nome significa "Arvore de Prata" (Não confundir com Celeborn, elfo de origem telerin de mesmo nome, mas cujo nome significa algo como "Alto de Prata")
  • Nimloth: contém as palavras Sindarin Nim, branco e Loth, flor. Era uma muda de Celeborn plantada em Númenor, e sua descendente é a Árvore Branca de Gondor plantada no pátio de Minas Tirith, na Terra-média.

Significado das árvores[editar | editar código-fonte]

As árvores tinham enorme significado para Tolkien, e estão sempre presentes em sua obra, em especial nos livros O Senhor dos Anéis, O Silmarillion, Contos Inacabados e Folha por Niggle. É perceptível em sua obra o significado de ressurreição das árvores. No Senhor dos Anéis, o destino do reino de Gondor está ligado à Árvore Branca, que morre quando Gondor está a beira da ruína, mas é nos tempos em que o reino volta aos bons tempos que uma nova muda é encontrada.

Para os seres supremos que governam a Terra, os Valar, as Duas Árvores são fontes de luz e consideradas uma das mais perfeitas obras dos Valar. Foram destruídas, mas voltarão a viver após a Última Batalha graças a Yavanna e as Silmarills.