Manel Cruz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manel Cruz
Supernada-Noites Ritual Rock 2005-02.jpg
Manuel Cruz durante um concerto dos Supernada, em 2005
Informação geral
Nascimento 16 de outubro de 1974 (42 anos)
Origem São João da Madeira
País  Portugal
Gênero(s) Rock Alternativo
Instrumento(s) voz, guitarra, harmónica, bateria
Período em atividade desde 1991
Afiliação(ões) Ornatos Violeta, Pluto, Supernada

Manel Cruz, nome artístico de Manuel Gomes Coelho Pinho da Cruz[1] (São João da Madeira, 16 de outubro de 1974) é um vocalista, guitarrista e letrista português.

Actualmente é membro dos grupos rock Pluto e Supernada, e possui também um projecto a solo designado Foge Foge Bandido. Contudo, é mais conhecido pela sua carreira nos extintos Ornatos Violeta, na qual ganhou notoriedade e reconhecimento.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido a 16 de Outubro de 1974,na cidade de Vale de Cambra, Manuel Gomes Coelho Pinho da Cruz, o terceiro de três filhos, Marta e Marcos, são o fruto da união de Manuela Coelho e Adão Cruz.

Manuel Cruz, ou como gosta que se lhe chamem, Manel, desde muito novo sempre teve aptidão para as artes e frequentou a Escola Secundária Artística Especializada de Soares dos Reis. A sua primeira paixão foi a banda desenhada e durante os seus primeiros 18 anos de vida dedicou-lhe muito do seu tempo, chegando até a fazer algumas exposições, sendo que a música só apareceu depois desse tempo surgindo como um refúgio a uma certa pressão de várias pessoas em relação ao seu jeito para a arte plástica. A par da música, trabalha também, como ilustrador e pintor.

No concerto dos Da Weasel (Novembro de 2007)

Ornatos Violeta[editar | editar código-fonte]

O seu percurso musical iniciou-se nos Ornatos Violeta, a sua primeira banda, em 1991, como vocalista, compositor e letrista onde permaneceu durante cerca de 11 anos. Manel Cruz nunca teve qualquer tipo de formação musical ou de canto, achava as aulas demasiado chatas. Mas não foi isso que o impediu de compor e dar voz a tantas e tantas músicas. Sendo que os 11 anos enquanto “ornato” o ajudaram a evoluir em vários sentidos, notando-se isso mesmo na música que fez e continua a fazer.

Em 2000, Manel Cruz, foi galardoado pelo Jornal Blitz com o prémio de “Melhor Voz Masculina”, ao mesmo tempo que os Ornatos Violeta arrecadavam os outros três prémios para os quais tinham sido nomeados tornando-se nos grandes vencedores da noite.[2]

Em 2002, e para grande tristeza de muitos dos fãs de Ornatos Violeta, foi anunciado o seu fim. Desta maneira, Manel Cruz, continuou o seu percurso como músico ingressando em duas bandas em simultâneo: os Pluto e os SuperNada, na mesma semana desenharam-se os esboços do que faria continuar a carreira musical do cantor.

Em 2006, a Objecto Cardíaco editou o livro «As Letras como Poesia», que reúne um conjunto de ensaios sobre as letras dos Ornatos Violeta. Este livro foi reeditado em 2009 pela Afrontamento.

Pluto[editar | editar código-fonte]

Depois do fim dos Ornatos Violeta, Manel Cruz funda a banda Pluto a par com o ex-Ornato Peixe, Eduardo e Ruka que editam o álbum Bom dia no ano de 2004.

Foge, Foge Bandido[editar | editar código-fonte]

A 1 de Junho de 2008, Cruz lançou o primeiro álbum do seu projecto a solo Foge Foge Bandido, iniciado cerca de 10 anos antes, intitulado O Amor Dá-me Tesão/Não Fui Eu Que Estraguei.

Manel Cruz é reconhecido como um excelente letrista, tendo sido convidado pela banda Clã a escrever uma música. Escreveu a música "Doença do Bem" e acabou por escrever uma segunda música "Amigos de Quem"[3]. Esta última, cantou ao vivo com a banda, tendo sido incluída no seu disco "Vivo".

Estilo vocal e lírico[editar | editar código-fonte]

Em termos da natureza do seu desempenho vocal nos Ornatos e Pluto, Cruz é caracterizado por um estilo acentuadamente melódico e variante em tom, de acordo com a natureza das bandas e dentro de cada, dos temas, e em termos líricos, distingue-se pelo uso frequente de vaga imagética, ao se centrar essencialmente no amor, e em si próprio.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ornatos Violeta[editar | editar código-fonte]

Pluto[editar | editar código-fonte]

Foge Foge Bandido[editar | editar código-fonte]

SuperNada[editar | editar código-fonte]

Participações[editar | editar código-fonte]

  • "Casa" do álbum "Re-Definições" de Da Weasel [4]
  • "Nunca Parto Inteiramente" do álbum "Assobio da Cobra" de Manuel Paulo
  • "Quando Eu Imagino" do EP de Insert Coin
  • "Amigos de Quem" ao Vivo com os Clã
  • "A Lenda da Irresponsabilidade do Poeta" no álbum com o mesmo nome da banda Superego [4]
  • Música de "Quando eu Morrer" curta-metragem de ficção escrita e realizada por Luís Vieira Campos
  • Música de "Dia de Visita" curta-metragem de ficção escrita e realizada por Luís Vieira Campos
  • Âncora, do álbum "Coraçãozinho de Satã" de Stray[5]
  • "Lenço enxuto" do álbum "Grande medo do pequeno mundo" de Samuel Úria [4]
  • "Alegremente cantando e rindo vamos" do álbum "Todos os dias fossem estes outros" de Nuno Prata [4]
  • "Simplesmente é isso" do álbum "Nuno Prata" de Nuno Prata [4]
  • "Concreto Abstracto" no álbum "Alvorada da Alma" de Dealema
  • Participação no super grupo intitulado "Ovo"
  • "Desavindos", do álbum "Outras Histórias" de Deolinda

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Manel Cruz

Referências