Manito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a cidade filipina, veja Manito (Filipinas).

Manito, nome artístico de Antônio Rosas Sanches[nota 1][1] (Vigo, 3 de abril de 1944São Paulo, 9 de setembro de 2011) foi um tecladista e saxofonista brasileiro.

Foi integrante da formação original da banda Os Incríveis, conjunto de sucesso da Jovem Guarda.

Em 1972 fundou a banda Som Nosso de Cada Dia.[2].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido na cidade de Vigo, na Espanha, Manito chegou ao Brasil com nove anos de idade. Aos 4 anos de idade já era músico experiente, e participou do movimento da Jovem Guarda na década de 1960. Em 1963, foi um dos fundadores da banda “The Clevers”. Em 1965, devido a desentendimentos com o empresário da banda, o nome do grupo mudou para ‘’Os Incríveis”.

Em 1970, fundou o grupo de música instrumental "Saxomania" junto com o músico João Cuca[3]. Formou também o grupo de rock progressivo “Som Nosso de Cada Dia”.

No ano de 1973, foi convidado por Sérgio Dias Baptista para assumir o posto de tecladista de Os Mutantes, no lugar de Arnaldo Baptista. Após algumas semanas, porém, e da forma mais amigável possível, resolveu abandonar a banda e voltar ao Som Nosso de Cada Dia.

Em 1974, Som Nosso de Cada Dia lançou o clássico álbum “Snegs”. Em 1975, Manito resolveu sair novamente do grupo e ficou fora do cenário musical por algum tempo. Em 1980, reapareceu com o grupo de funk-blues-rock “Funk-Mora”, sumindo logo depois. Em 1994, lançou com o Som Nosso de Cada Dia o álbum “Live 94″.

Em 1995, The Clevers se reuniram para participar do projeto “30 Anos De Jovem Guarda”.

Em 1998, participou do álbum “Chronophagia” da banda “Patrulha do Espaço”, outra lenda do rock brasileiro.

Em 2005, participou do álbum Acústico MTV - Ultraje a Rigor.

Em 2010, a Biblioteca Temática em Música Cassiano Ricardo prestou uma homenagem ao músico, através do tributo "O incrível Manito: tributo a um grande roqueiro brasileiro".[4]

Morte[editar | editar código-fonte]

Manito faleceu no dia 9 de setembro de 2011 em virtude de um câncer na laringe, aos 68 anos de idade[5]. Ele lutava contra este câncer desde 2006.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Carreira Solo[editar | editar código-fonte]

Ano Álbum Músicas Gravadora
1970 O Incrível Manito

01 - na baixa do sapateiro
02 - Shake, Rattle & Roll
03 - Kool & The Gang
04 - The Funky Judge
05 - Bailamos Boogaloo
06 - Sock It To' Em J.B
07 - Samuray
08 - Judge Baby, I'm Back
09 - Tucks Theme
10 - Raindrops Keep Fallin' On My Head
11 - The Gangs Back Again
12 - You've Made Me So Very Happy

RCA Victor • LP
2009 Toque de Amor

01 - Oceano
02 - Sozinho
03 - Saigon
04 - Cathedral Song
05 - Strani Amore
06 - Anema e Core
07 - Primavera
08 - La Solitude
09 - Petala
10 - Como uma Onda
11 - Outra Vez
12 - Canção de Amor

Com a banda Som Nosso de Cada Dia[editar | editar código-fonte]

  • 1974 - Snegs
  • 1994 - Live 94

Com Camisa de Vênus[editar | editar código-fonte]

  • 1987 - "Duplo sentido" (LP)

Com a banda “Patrulha do Espaço[editar | editar código-fonte]

  • 1998 - Chronophagia

Com Ultraje a Rigor[editar | editar código-fonte]

Com Nasi[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. O verdadeiro nome do Manito, segundo seu site oficial, e o Cravo Albin é Antônio Rosas Sanches e não Antônio Rosas Seixas.

Referências

  1. Biografia na Página do Dicionário Cravo Albin
  2. «Os Incríveis com Fevers e Ed Wilson ( Os Originais )». Site Jovem Guarda. Consultado em 9 de setembro de 2011 
  3. «Morre, aos 68 anos, o músico Manito». Gazeta do Povo. Caderno Gente. Consultado em 9 de setembro de 2011 
  4. prefeitura.sp.gov.br/ Precursor do rock nacional, Manito ganha homenagem
  5. «Morre, aos 68 anos, o músico Manito». O Estado de S. Paulo. Consultado em 9 de setembro de 2011 

Ligações externos[editar | editar código-fonte]