Mano Brown

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mano Brown
Mano Brown em 2013
Informação geral
Nome completo Pedro Paulo Soares Pereira
Também conhecido(a) como
  • Mano Brown
  • Brown
Nascimento 22 de abril de 1970 (48 anos)
Origem São Paulo, SP
País Brasil
Gênero(s)
Instrumento(s) Vocal
Período em atividade 1988 – atualmente
Gravadora(s) Cosa Nostra
Afiliação(ões)

Pedro Paulo Soares Pereira (São Paulo, 22 de abril de 1970), mais conhecido como Mano Brown, é um cantor e compositor brasileiro. Ele é um dos integrantes dos Racionais MC's, grupo de rap formado na capital paulista em 1988 e integrado por Ice Blue (Paulo Eduardo Salvador), Edi Rock (Edivaldo Pereira Alves) e KL Jay (Kleber Geraldo Lelis Simões).

O apelido de Paulo originalmente era Paulinho Brown devido ao mesmo cantar sobre batidas do James Brown após as apresentações de pagode no início da carreira. Tempos depois veio o "Mano" através de uma ambiguidade em uma música na qual o cantor dizia "Sou eu mano, o Brown".

A revista Rolling Stone promoveu em outubro e 2008 a lista dos 100 maiores artistas da música brasileira[1], onde Mano Brown ficou com o 28° lugar.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Pedro Paulo Soares Pereira nasceu na cidade de São Paulo em 22 de abril de 1970. Mano Brown é filho de dona Ana, falecida em 16/12/2016, cresceu na periferia da cidade no bairro do Capão Redondo (Parque Santo Antonio), extremo sul de São Paulo.[3] Mano Brown nunca conheceu seu pai, porém uma publicação revelou que seu pai possuía origens italianas.[4] Quanto a dona Ana, Brown a homenageia em letras suas. Numa delas, em Negro Drama, diz: "Aí, dona Ana, sem palavras, a senhora é uma rainha!"

De acordo com o site Vidaloka.net, recentemente Mano Brown iniciou carreira solo, lançando seu primeiro CD no mês de dezembro de 2016, denominado Boogie Naipe (mesmo nome da gravadora cujo rapper e sua esposa são proprietários). Seu parceiro Lino Krizz faz participação em quase todas as músicas. Sua levada vai do soul ao funk das antigas e suas referências são Marvin Gaye entre outros artistas que tocavam nos bailes blacks dos anos 70 e 80.[5]

Mano Brown é autor de canções como "Vida Loka I", "Vida Loka II", "Negro Drama" (com Edi Rock), "A Vida é Desafio", "Jesus Chorou", "Da Ponte pra Cá", "Capítulo 4, Versículo 3", "Tô Ouvindo Alguém Me Chamar", "Diário de um Detento", "Fórmula Mágica da Paz", "Homem na Estrada", "Fim de Semana no Parque" (com Edi Rock), "Mano Na Porta do Bar", "Negro Limitado" (com Edi Rock), "Pânico na Zona Sul" e "Eu Sou 157".

Em 2015, Mano Brown aceitou a parceria com o cantor Naldo Benny[6] para juntos gravarem a canção "Benny & Brown". O videoclipe foi gravado no Capão Redondo e no Complexo da Maré (onde Naldo cresceu), entre outras locações nas duas cidades (Rio de Janeiro e São Paulo).[7]

Em 2017, seu álbum Boogie Naipe foi indicado ao Grammy Latino de 2017 de Melhor Álbum Pop Contemporâneo em Língua Portuguesa.[8]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Mano Brown (foto: Guilherme Perez/Revista Forum)

Mano Brown se notabilizou por sua aversão à mídia de massa. Raramente concede entrevistas a jornais, revistas ou programas televisivos. Também são raras as vezes que os Racionais MC'S fizeram alguma apresentação na TV, exceto quando transmitidos em shows ao vivo. Suas letras tratam da realidade que ele viveu e presenciou nas favelas e periferias.

Prisões[editar | editar código-fonte]

Mano Brown chegou a ser preso em 27 de julho de 2004 por desacato à autoridade ao tentar agredir policiais militares, após estes perseguirem o compositor até sua casa por terem descoberto um cigarro de maconha.[9][10] No dia seguinte, foi solto após pagar fiança de R$ 6.000,00.[11]

Em 2007, ele se envolveu em uma briga em um jogo do clube do time pelo qual torce, o Santos Futebol Clube, onde também é associado a Torcida Jovem do Santos. Foi detido e posteriormente solto por falta de provas.[12] Segundo o que disse à revista, ele não se envolvia com o crime.[13]

Em 6 de abril de 2015 Mano Brown foi detido por desacato, desobediência e resistência à prisão, após ser parado em uma Blitz da Polícia Militar no bairro de Vila Andrade, zona sul de São Paulo. Segundo a PM, a habilitação e o IPVA do veículo que dirigia estavam vencidos desde 2012. O então secretário de direitos humanos da cidade de São Paulo, Eduardo Suplicy, saiu em defesa de Mano Brown, alegando abuso de autoridade por parte dos policiais que abordaram o rapper. [14]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Mano Brown em 2013

Álbuns com Racionais MC's[editar | editar código-fonte]

Álbuns solo[editar | editar código-fonte]

Videografia[editar | editar código-fonte]

DVDs com Racionais MC's[editar | editar código-fonte]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Grammy Latino[editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Indicação Resultado
2017 Melhor Álbum Pop Contemporâneo em Língua Portuguesa Boogie Naipe Indicado

Referências

  1. Lista dos Cem Maiores Artistas da Música Brasileira Rolling Stone
  2. [1]
  3. «Atual e polêmico, Mano Brown completa 43 anos de vida». Portal RAP NACIONAL. Consultado em 3 de abril de 2016. 
  4. http://rollingstone.uol.com.br/edicao/39/mano-brown-eminencia-parda
  5. Mano Brown tem editado em LP duplo o álbum solo em que curte a 'soulfrência'
  6. «Naldo e Mano Brown lançam parceria polêmica que exalta Romero Britto». Música. Consultado em 3 de abril de 2016. 
  7. «Veja o clipe da parceria entre Naldo Benny e Mano Brown |». billboard.com.br. Consultado em 3 de abril de 2016. 
  8. Ceccarini, Viola Manuela (20 de novembro de 2017). «The 18th Latin GRAMMY Awards in Las Vegas». Livein Style. Consultado em 28 de dezembro de 2017. 
  9. «Folha Online - Cotidiano - Mano Brown foi preso acusado de desacato - 27/07/2004». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 22 de Novembro de 2009. 
  10. «Mano Brown é preso por desacato à autoridade - Terra - Música». musica.terra.com.br. Consultado em 22 de Novembro de 2009. 
  11. «Folha Online - Cotidiano - Rapper Mano Brown sai da cadeia após pagar R$ 60 de fiança - 28/07/2004». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 22 de Novembro de 2009. 
  12. «G1 >Edição São Paulo - NOTÍCIAS - Após briga em estádio, Mano Brown é liberado por falta de provas». g1.globo.com. Consultado em 22 de novembro de 2009. 
  13. «EGO - NOTÍCIAS - Mais magro e malhado, Mano Brown é capa da 'Rolling Stone Brasil'». ego.globo.com. Consultado em 11 de Dezembro de 2009. 
  14. «Mano Brown é detido em São Paulo». G1. Consultado em 13 de Abril de 2015. 
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Mano Brown