Manoel Carlos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Manoel Carlos
Nome completo Manoel Carlos Gonçalves de Almeida
Pseudônimo(s) Maneco

Vovô do Leblon

Nascimento 14 de março de 1933 (89 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Ocupação
Período de atividade 1950–2015
Prêmios Grande Oficial da Ordem do Ipiranga[1]

Manoel Carlos Gonçalves de Almeida (São Paulo, 14 de março de 1933), também conhecido simplesmente como Maneco, é um autor, escritor, diretor, produtor e ex-ator brasileiro.[2] É pai da atriz Júlia Almeida e da roteirista de novelas Maria Carolina, sua colaboradora em diversas obras.[3] A partir da década de 1990 seus trabalhos se tornaram célebres por retratar a burguesia carioca contemporânea, principalmente no bairro do Leblon.

Carreira[editar | editar código-fonte]

1950–77: Excelsior, Record e jornalismo[editar | editar código-fonte]

Um dos pioneiros da televisão brasileira, iniciou sua carreira na década de 1950, fez parte no Grande Teatro Tupi, na extinta TV Tupi, dirigido por Sérgio Britto, Fernando Torres, e Flávio Rangel, no ar por mais de dez anos. Com elenco no qual se destacam Fernanda Montenegro, Ítalo Rossi, Natália Thimberg, Fernando Torres, Zilka Salaberry, Aldo de Maio e Cláudio Cavalcanti, o teleteatro apresentou um repertório de mais de 450 peças dos maiores autores nacionais e estrangeiros. Dirigiu e produziu programas como a Família Trapo, exibida na TV Record no final dos anos 1960,[2] Esta Noite se Improvisa, O Fino da Bossa (com Elis Regina) e a primeira fase do Fantástico, entre 1973 e 1976.

1978–94: Globo, Band e Manchete[editar | editar código-fonte]

Em 1978 escreve sua primeira telenovela: Maria, Maria, seguida por A Sucessora, ambas adaptações literárias.[2] Em 1980, atua como colaborador de Gilberto Braga em Água Viva,[2] um clássico das telenovelas que abordava justamente os conflitos da burguesia e da classe média cariocas, temática que permearia toda a sua obra desde então, como pode se verificar logo em Baila Comigo (1981), sua primeira novela das 20h e com a sua primeira Helena.[2] Em 1982, larga Sol de Verão pela metade, abalado com o falecimento de Jardel Filho, protagonista da novela e seu amigo pessoal.[2] A novela foi concluída por Gianfrancesco Guarnieri e Lauro César Muniz e saiu do ar antes do previsto. Sai da Rede Globo em seguida, escrevendo duas tramas na Rede Manchete: a minissérie Viver a Vida, em 1984, e a novela Novo Amor, em 1986.[2] Em 1989, escreve a minissérie O Cometa, na Rede Bandeirantes.[2] Volta para a Globo em 1991, quando escreve o sucesso Felicidade, que foi uma livre adaptação da obra de Aníbal Machado e teve a primeira mulher a frente de uma direção geral, Denise Saraceni; foi uma das mais picotadas no Vale a Pena Ver de Novo: 55 capítulos contra 203 da exibição original, nele também o esquema da exibição do último capítulo fugiu ao habitual: exibição do penúltimo capítulo na quinta-feira, reprise do penúltimo na sexta, último no sábado e reprise do último na segunda um pouco antes da novela substituta: Despedida de Solteiro (1992), de Walther Negrão.

1995–presente: Repercussão e temas sociais[editar | editar código-fonte]

A novela História de Amor (1995), que foi considerada uma comemoração dos trinta anos de carreira da atriz Regina Duarte, que pela primeira vez interpretava um papel no horário das 18 horas e foi também sua primeira de três Helenas, chegou a ter a sua sinopse alterada devido à determinação do Ministério da Justiça, que considerava o tema da paixão de mãe e filha pelo mesmo homem inadequado para o horário. O tema seria discutido às 20 horas, com a marcante Laços de Família em 2000 que também abordava a leucemia como merchandising social.

Por Amor, um dos seus maiores sucessos, exibida entre 1997 e 1998, retomava o tema do sacrifício que uma mãe é capaz de fazer pelos filhos, como na novela anterior do autor, História de Amor. A novela também abordava temas como bissexualidade, traição, ciúme doentio, troca de bebês, alcoolismo, aborto, jogo do bicho e outros. Manoel Carlos ainda escreveria Mulheres Apaixonadas, que foi o grande sucesso de 2003 e teve temas fortes como preconceito social contra os idosos e lésbicas, celibato, alcoolismo, violência doméstica, traição, câncer, romance entre mulheres mais velhas e jovens rapazes, o tormento provocado pelo ciúme e outros.

Apesar de ser mais reconhecido por suas novelas, Manoel Carlos obteve grande sucesso nas duas minisséries que escreveu para a Rede Globo. Presença de Anita, exibida em 2001, foi baseada no romance homônimo de Mário Donato. Presença de Anita também foi a responsável pela maior audiência registrada por uma minissérie na década de 2000, com média de 30 pontos no Ibope. A minissérie bateu outros grandes sucessos como A Muralha e A Casa das Sete Mulheres, que registraram 29 e 28 pontos, respectivamente.[4] Em 2006 escreveu o sucesso Páginas da Vida em que retratava novamente Regina Duarte como sua Helena, uma médica forte e determinada que resolve cuidar de uma criança portadora de síndrome de Down que fora rejeitada pela avó, a perversa Marta, interpretada brilhantemente por Lilia Cabral. Em 2009, o autor escreveria Maysa - Quando Fala O Coração, uma espécie de biografia da cantora Maysa, já falecida. A produção também teve grande sucesso popular e reconhecimento merecido da crítica. Em 2009 escreve Viver a Vida novamente com o bairro do Leblon como cenário principal e Taís Araújo como a Helena da vez. A novela teve audiência razoável, com 36 pontos de média geral, porém o público se identificou e ficou emocionado com o drama de Luciana, vivida por Alinne Moraes, uma modelo que sofre um acidente e tornar-se tetraplégica, para agonia da mãe, a neurótica Teresa vivida por Lília Cabral, que por esse trabalho foi indicada ao prêmio internacional Emmy Awards de 2010.

Manoel Carlos desenvolveu Vale Abraão [nota 1], projeto que desejava levar ao ar na Rede Globo em formato de telenovela e, posteriormente de minissérie. Inicialmente cogitou-se apresentar na faixa das 23h, após O Astro, sendo que Maneco pretendia levar a produção ao ar, antes de sua última telenovela das 21h, porém a emissora engavetou a produção. Numa entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo", o autor disse que pretendia levar à minissérie ao ar, após o término de Em Família, o que não veio a acontecer.[5][6][7][8][9] Em 2014, escreveu a novela Em Família que traz a última Helena do autor interpretada por Júlia Lemmertz e Bruna Marquezine em duas fases diferentes da trama. O folhetim foi um grande fracasso de audiência e recebeu forte rejeição do público e crítica, mesmo tentando repetir as mesmas fórmulas das novelas dos anos 2000 e 1990.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Manoel Carlos é pai da escritora e roteirista Maria Carolina e da atriz Júlia Almeida, que atuou em todos os seus trabalhos de Felicidade a Mulheres Apaixonadas. Enfrentou, infelizmente, a morte de três filhos: o dramaturgo e ator Ricardo de Almeida (falecido em 1988 em decorrência de complicações de HIV), com quem coescreveu O Cometa; o diretor Manoel Carlos Júnior, que em 2012 não resistiu a um ataque cardíaco e o estudante de teatro Pedro Almeida, de 22 anos, falecido de mal súbito em 2014, em Nova York.

Formato das obras[editar | editar código-fonte]

Helena[editar | editar código-fonte]

Uma das principais marcas das novelas de Manoel Carlos foi o nome "Helena" em suas protagonistas. Segundo o autor, esta preferência não se deve a nenhuma mulher em especial com este nome em sua vida, mas sim pela admiração que ele tinha pela história mitológica de Helena de Troia, pela força e independência da personagem.[10] Oficialmente, a primeira Helena que o autor credita como precursora de muitas que escreveria na sequência foi interpretada por Lilian Lemmertz em Baila Comigo (1981). Em Sol de Verão (1982) e Novo Amor (1986) o autor deu outros nomes às protagonistas, acreditando naquele momento que já havia cumprido sua homenagem.

Em 1991 Manoel decidiu retomar o nome como principal pilar de suas obras, escrevendo oito novelas seguidas cujas protagonistas se chamaram Helena: Maitê Proença em Felicidade (1991); Regina Duarte em História de Amor (1995), Por Amor (1997) e Páginas da Vida (2006); Vera Fischer em Laços de Família (2000); Christiane Torloni em Mulheres Apaixonadas (2003); Taís Araújo em Viver a Vida (2009); e Júlia Lemmertz em Em Família (2014), fechando o ciclo com a filha da primeira Helena oficial, Lilian Lemmertz.

No entanto, Manoel Carlos já havia escrito outras duas protagonistas com o mesmo nome em novelas antes de Lilian: Jane Batista como a personagem-título em Helena (1952) e Nívea Maria como Maria Helena em Maria, Maria (1978), embora as duas nunca foram creditadas por ele como parte de seu ciclo – a primeira por não ser uma Helena original, mas uma adaptação do livro de mesmo título de Machado de Assis, enquanto a segunda por ser chamada na trama apenas de Maria.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Telenovelas[editar | editar código-fonte]

Ano Trabalho Emissora Escalação Parceiros Titulares
1952 Helena TV Paulista autor principal
Nick Chuck
1953 Iaiá Garcia
1978 Maria, Maria Rede Globo
A Sucessora
1980 Água Viva Gilberto Braga
1981 Baila Comigo[11]
1982 Sol de Verão[11] Lauro César Muniz
Gianfrancesco Guarnieri
1986 Novo Amor Rede Manchete
1990 El magnate Telemundo
1991 Felicidade[11] Rede Globo
1995 História de Amor
1997 Por Amor[11]
2000 Laços de Família[11]
2003 Mulheres Apaixonadas[11]
2006 Páginas da Vida[11]
2009 Viver a Vida
2014 Em Família[12][13]

Séries e minisséries[editar | editar código-fonte]

Ano Trabalho Emissora Escalação Notas
1953–1961 Grande Teatro Tupi TV Tupi autor principal
diretor geral
1967–1971 Família Trapo RecordTV autor principal
diretor geral
1979–1980 Malu Mulher Rede Globo Roteirista Daniel Filho
1984 Viver a Vida Rede Manchete Autor principal
1984–1985 Joana
1989 O Cometa Rede Bandeirantes
1993 Caso Especial Rede Globo Roteirista Episódio: "O Besouro e a Rosa"
2001 Presença de Anita[11] autor principal
2009 Maysa: Quando Fala o Coração
2015 Não se apega, não supervisor de texto Isabela Freitas

Programas[editar | editar código-fonte]

Ano Trabalho Emissora Escalação
1963 Chico Anysio Show TV Rio Roteirista
1965–1966 Corte-Rayol Show RecordTV Roteirista
diretor geral
1966 Bossaudade
1966–1973 Hebe Camargo Roteirista
produtor
diretor
1966–1967 O Fino da Bossa Roteirista
1967–1973 Show do Dia 7
1967 Pra ver a Banda Passar
1968 Esta Noite se Improvisa Roteirista
produtor
diretor
Alianças para o Sucesso
1973 Globo Gente Rede Globo autor principal
diretor geral
Fantástico diretor geral
1975 TV: Ano 25 autor principal
diretor geral
editor
1976 Convocação Geral diretor geral

Teatro[editar | editar código-fonte]

Como ator[editar | editar código-fonte]

  • 1950 - O urso
  • 1951 - Juventude sem dono
  • 1952 - Society in baby doll
  • 1953 - A valsa do imperador
  • 1954 - O canto da cotovia

Como diretor[editar | editar código-fonte]

  • 1971 - Chico Buarque
  • 1977–83 - Seis e meia

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • 1958 - Fernando Pessoa: uma luz sobre vários poetas
  • 1982 - Bicho alado
  • 2005 - Off: uma história de teatro
  • 2006 - A arte de reviver

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Troféu Imprensa
Ano Categoria Indicação Resultado
1961 Melhor Produtor de TV Manoel Carlos Venceu
1966 Melhor Produtor Musical Manoel Carlos Venceu
1982 Melhor Novela Baila Comigo Indicado
1996 Melhor Novela História de Amor Indicado
1998 Melhor Novela Por Amor Venceu
2001 Melhor Novela Laços de Família Venceu
2004 Melhor Novela Mulheres Apaixonadas Venceu
2007 Melhor Novela Páginas da Vida Venceu
2010 Melhor Novela Viver a Vida Indicado
Troféu Internet
Ano Categoria Indicação Resultado
2001 Melhor Novela Laços de Família Venceu
2007 Melhor Novela Páginas da Vida Venceu
2014 Melhor Novela Em Família Indicado
Prêmio Contigo!
Ano Categoria Indicação Resultado
1998 Melhor Novela Por Amor Venceu
Melhor Autor Venceu
2002 Melhor Série ou Minissérie Presença de Anita Venceu
2004 Melhor Novela Mulheres Apaixonadas Venceu
Melhor Autor Venceu
2007 Melhor Novela Páginas da Vida Venceu
Melhor Autor Venceu
2010 Melhor Novela Viver a Vida Indicado
Melhor Série ou Minissérie Maysa: Quando Fala o Coração Venceu
Melhor Autor Viver a Vida Indicado
Maysa: Quando Fala o Coração Indicado
2014 Melhor Novela Em Família Indicado
Prêmio Extra de Televisão
Ano Categoria Indicação Resultado
2000 Melhor Novela Laços de Família Venceu
2001 Melhor Novela ou Minissérie Presença de Anita Venceu
2003 Melhor Novela Mulheres Apaixonadas Venceu
2006 Melhor Novela Páginas da Vida Venceu
2009 Melhor Série Maysa: Quando Fala o Coração Venceu
2010 Melhor Novela Viver a Vida Indicado
2014 Melhor Novela Em Família Indicado
Prêmio Quem de Televisão
Ano Categoria Indicação Resultado
2009 Melhor Autor Manoel Carlos Venceu
2010 Melhor Autor Manoel Carlos Indicado
Outros prêmio
1997
2001
  • "Festival Latino Americano de Cine, Vídeo e TV de Campo Grande" - melhor novela: Laços de Família
  • "Festival Latino Americano de Cine, Vídeo e TV de Campo Grande" - melhor autor
2003
2009/2010

Notas

  1. Minissérie baseada na obra Vale Abraão, versão portuguesa do romance Madame Bovary de Gustave Flaubert.

Referências

  1. a b «DECRETO Nº 56.210». Portal da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. 17 de setembro de 2010. Consultado em 12 de março de 2018 
  2. a b c d e f g h Memória Globo. «Manoel Carlos». Arquivado do original em 19 de março de 2009 
  3. «Autor de dramas na TV, Manoel Carlos já perdeu dois filhos, um deles por AIDS». R7.com. 13 de fevereiro de 2014. Consultado em 9 de setembro de 2020 
  4. http://www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br/mostraregistro.asp?CodRegistro=87154&PageNo=1
  5. Fernando Oliveira (18 de julho de 2011). «Novela de Manoel Carlos é a mais cotada para assumir faixa das 23h depois de 'O Astro'». IG Colunistas - Na TV. Consultado em 3 de junho de 2014 
  6. Redação (29 de fevereiro de 2012). «Manoel Carlos escreverá próxima novela das 23h da Globo». NaTelinha. Consultado em 3 de junho de 2014 
  7. Canal Zip (5 de janeiro de 2012). «Manoel Carlos quer que Globo exiba sua minissérie antes de novela». UOL Televisão. Consultado em 3 de junho de 2014 
  8. Daniel Ribeiro (31 de maio de 2012). «Globo engaveta minissérie "Vale Abraão"». RD1. Consultado em 3 de junho de 2014. Arquivado do original em 7 de junho de 2014 
  9. «Manoel Carlos aceitou escrever última novela em troca de minissérie». O Estado de S. Paulo. 12 de dezembro de 2013. Consultado em 3 de junho de 2014. Arquivado do original em 6 de junho de 2014 
  10. [1]
  11. a b c d e f g h Memória Globo. «Manoel Carlos - Trabalhos na Globo». Globo.com. Consultado em 3 de junho de 2014 
  12. Rede Globo (16 de setembro de 2013). «Em Família: nova novela de Manoel Carlos estreia na Globo em 2014». Rede Globo > em família. Consultado em 3 de junho de 2014 
  13. Fernando Oliveira (20 de março de 2013). «Manoel Carlos define título de sua próxima novela das nove, que mostrará Helena da infância à fase adulta». IG Colunistas - Na TV. Consultado em 3 de junho de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Manoel Carlos