Manoel Maria (futebolista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Manoel Maria
Informações pessoais
Nome completo Manoel Maria Evangelista Barbosa dos Santos
Data de nasc. 29 de fevereiro de 1948 (71 anos)
Local de nasc. Belém, Brasil
Nacionalidade Brasileira
Destro
Informações profissionais
Número 7
Posição Ponta-direita
Clubes de juventude
1963-1965
1965
União Esportiva
Remo
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1966
1967-1968
1968-1973
1973
1973
1974
1974
1975
1976
1977
São Raimundo
Tuna Luso
Santos
Portuguesa Santista
Racing
Paysandu
Colorado
New York Cosmos
Santos
Noroeste


0165 0000000000(37)

0005 00000000000(0)



ver acima
Seleção nacional
1968 Brasil (olímpico) 0005 00000000000(1)


Manoel Maria Evangelista Barbosa dos Santos (Belém, 29 de fevereiro de 1948), mais conhecido como Manoel Maria, é um ex-futebolista brasileiro que atuava como ponta-direita.[1]

"Mané" Maria é considerado um dos maiores ídolos da história do Santos,[2] assim como o primeiro a defender alguma Seleção Brasileira de Futebol vindo diretamente do futebol paraense,[3] convocado para a seleção olímpica em 1968 desde a Tuna Luso, onde mais se destacou localmente embora também tenha defendido os outros grandes locais (Remo e Paysandu).[1] Dentro e fora dos campos, trabalhou nos três principais times também da Baixada Santista: além do Santos, jogou na Portuguesa e foi gerente do Jabaquara.

Manoel Maria esteve perto de integrar a seleção principal convocada à Copa do Mundo FIFA de 1970, ano em que sua carreira atrofiou-se em função de um sério acidente automobilístico meses depois da competição.[3][1] Foi eleito no ano 2000 o ponta-direita da seleção do século XX do futebol paraense, em votação realizada entre vinte e dois cronistas esportivos.[1]

Seu prenome é ocasionalmente grafado com a letra u ao invés do o ("Manuel"), que é a letra com a qual foi registrado.[4] Outro equívoco comum é apontar Manoel Maria como nascido em Santarém. Embora tenha morado e despontado para o futebol nesta cidade, ele nasceu na capital paraense.[1]

Carreira em clubes[editar | editar código-fonte]

Inícios, no Pará[editar | editar código-fonte]

Seu pai, Davi Natanael, falecido em 2013, já trabalhava com futebol: foi um dos fundadores do São Raimundo, tradicional clube de Santarém, onde também jogou e treinou, sendo técnico também do rival São Francisco, com títulos municipais como treinador das duas equipes, além de ter sido presidente da liga esportiva santarena.[5]

O primeiro clube de Manoel foi o extinto União Esportiva,[1] o primeiro clube campeão paraense de futebol, com dois títulos longínquos na década de 1900.[6] Chegou lá em 1963.[7] Ainda nos juvenis, após uma goleada de 6-1 dos alvinegros para o Paysandu, Manoel Maria tentou seguir o sonho no Remo. Porém, as categorias de base não vinham sendo valorizadas na instituição azulina e o jogador ainda fraturou um braço. Resolveu sair e passou a residir em Santarém com os pais, Davi Natanael e Olgarina Evangelista.[1]

No município do Rio Tapajós, Manoel Maria jogou no São Raimundo.[8] Destacou-se e foi chamado para a seleção santarena na disputa do Torneio Intermunicipal de 1966.[1] O município de Soure terminou campeão,[9] mas o ponta-direita destacou-se nos jogos finais, realizados em Belém. Despertou interesse de clubes da capital e acertou com a Tuna Luso Comercial, que dali a alguns meses viraria a Tuna Luso Brasileira.[10] O clube cruzmaltino rogramou-se para passar por Santarém no início de 1967 para concretizar o negócio com a promessa. O acerto foi polêmico, pois o Remo inicialmente declarava ainda deter o passe do jogador, mas ficou silente ao fim do prazo formal estabelecido pela Federação Paraense de Desportos.[1]

Manoel Maria ficou cerca de apenas um ano na Tuna. Chegou no início de fevereiro de 1967 [1] e já em março de 1968, mês em que estreou na seleção brasileira olímpica, foi negociado com o Santos, por 80 mil cruzeiros novos.[11] Disputou o Estadual de 1967, ganho pelo Paysandu,[10] e o início do de 1968, vencido pelo Remo, sem marcar gols nos campeões.[10][11] O seu melhor desempenho no futebol paraense, na realidade, deu-se no Amazonas, em excursão tunante vitoriosa em meados de 1967. Nenhuma outra excursão paraense retornou invicta do Estado vizinho com tantos jogos lá realizados. Foram oito jogos e Manoel Maria neles marcou seis gols,[12] sendo o artilheiro da excursão e destacando-se também por dribles e passes.[7]

A turnê começou com um 6-1 no Fast, com quatro gols tunantes no primeiro tempo em espaço de sete minutos. Manoel Maria abriu o placar e fez outros dois, com o terceiro saindo no minuto seguinte ao do segundo. O resultado chamou a atenção local e despertou interesse de espectadores para os jogos seguintes. Manoel Maria marcou o primeiro também no jogo seguinte, no 3-0 sobre o Rio Negro. Os resultados seguintes foram 1-1 com o Olímpico, 3-3 com o São Raimundo (com outro gol de Manoel), novo 1-1 com o Olímpico e 2-0 no São Raimundo até propor-se um clássico com o Remo, que também se encontrava em Manaus. Manoel Maria fez o único gol, para no dia seguinte ele e demais tunantes entrarem novamente em campo e vencer por 1-0 o Nacional.[12]

A seguir, começou o Estadual de 1967. Mesmo com a Tuna não ganhando nenhum turno, vendo Remo e Paysandu decidirem o título após uma série de Re-Pas,[10] Manoel Maria foi eleito a revelação do ano e também para a seleção do ano no Pará. Em algumas semanas, a seleção brasileira olímpica iniciaria treinamentos com vistas ao Torneio Pré-Olímpico de 1968. Manoel Maria teve sua convocação recomendada pelo presidente da Federação Paraense a João Havelange em pessoa, e o presidente da Confederação Brasileira de Desportos prometera-lhe que isto seria providenciado. Manoel Maria ausentou-se em uma primeira convocação, mas Havelange intercedeu para que fosse colocado no time. Mesmo sem estar formalmente profissionalizado na Tuna, o bom desempenho de Manoel Maria no Pré-Olímpico rendeu o negócio com o Santos.[1]

No Santos de Pelé[editar | editar código-fonte]

Estreou na pelo Santos em meio a uma excursão da equipe pela Europa, escalado pelo treinador Antoninho Fernandes para substituir Amauri no decorrer de derrota por 5-4 em amistoso com o Zurique realizado na Suíça em 15 de junho.[13] No Santos, Manoel corrigiu algumas falhas, como jogar de cabeça baixa, não disputar a bola, alguma indecisão aparente quando chegava na linha de fundo e não saber chutar com o pé esquerdo. Embora sua estreia pelo clube no Brasil tenha sido promissora, com gol sobre o XV de Piracicaba [14] e lembrando Garrincha, inicialmente chegou a ser criticado por falta de objetividade em seus dribles.[15] Mas não deixou de ser imediatamente campeão como titular do Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1968, um dos campeonatos brasileiros daquele ano. Foi o último título nacional do Santos na Era Pelé.[16] Na virada de 1968 para 1969, participou de três jogos de outra campanha vitoriosa, a da Recopa dos Campeões Intercontinentais.[17]

Em 1969, foi titular também na conquista do Estadual daquele ano.[18] Logo foi reconhecido como o substituto do ídolo Dorval, que deixara o clube em 1967.[2] Também foi titular naquele ano em partidas de outros momentos marcantes da história santista: o amistoso na Nigéria famoso por interromper a Guerra de Biafra [19] e o jogo contra o Vasco da Gama marcado pelo milésimo gol de Pelé.[20] O desempenho de Manoel Maria foi melhor reconhecido no início de 1970, liderando o título do clube na Taça Cidade de São Paulo em meio aos desfalques das estrelas para a seleção brasileira, que se preparava para a Copa do Mundo FIFA de 1970. O próprio Manoel Maria, presente na lista dos 40 pré-convocados,[12] teve sua efetivação pedida na imprensa.[21]

O ano de 1970 foi também o único em que ele marcou gols nos clássicos contra os demais três grandes paulistas. Foram Manoel dois contra o São Paulo, ambos no 4-0 em 21 de março de 1970 pela Taça Cidade de São Paulo;[22] três contra o Palmeiras, cada um em três dérbis seguidos em 1970, em 24 de abril pela Taça Cidade de São Paulo (1-1), em 5 de julho (2-0) e em 6 de setembro (1-1), ambos pelo Estadual;[23] e um contra o Corinthians, em 30 de agosto de 1970, no 1-1 também válido pelo Estadual.[24]

Os pedidos de sua convocação, já existentes por ocasião da lista preliminar,[21] se reforçaram sobretudo após o corte de Rogério, mas Manoel Maria terminou não chamado.[3][1] Já após a Copa ele chegou a jogar, em agosto de 1970, três jogos seguidos pelo time do Exército entre quinta-feira e sábado, quando, à noite, teria novos 90 minutos pelo Santos, não aguentando ficar até o fim. Estava cinco quilogramas abaixo da massa ideal.[25] No dia 8 de outubro, o jogador, no dia seguinte a uma participação em vitória fácil sobre o complicado Internacional pelo Brasileirão,[26] sofreu um sério acidente automobilístico. Fã de velocidade quando dirigia desacompanhado, derrapou e capotou até bater em um poste e um uma caminhonete. Foi hospitalizado com estado gravíssimo, com suspeita de fratura craniana, ficando inconsciente por dias. As condições clínicas melhoraram em poucos dias;[27] o acidente rendeu-lhe deslocamento em uma clavícula e três costelas fraturadas.[28] Em duas semanas, já estava fora de perigo, mas com uma recuperação já esperada como lenta, sem previsão de retorno ao futebol.[29]

As sequelas iniciais incluíam paralisia no lado esquerdo do corpo, um desvio na coluna e paralisia parcial no músculo do olho direito. Recuperou-se rápido da paralisia do lado esquerdo e do desvio na coluna, mas ainda teve problemas de visão do olho afetado, que lhe obrigavam a girar completamente o corpo para ver o que se passava à sua esquerda. Também perdia o equilíbrio com facilidade e precisou reaprender ainda a driblar, sua habilidade mais característica. Sentiu tonturas e não notava quando era atacado por trás.[30] Apesar do drama, reagia com bom humor, brincando ser divertido enxergar duas bolas em campo, outra consequência do problema em um dos olhos.[2] Seu afastamento decorrente do acidente acabou ressaltando a importância do paraense ao elenco santista, que caiu de produção. Seus dribles, antes criticados, foram revistos como peça-chave.[28] Pôde jogar novamente no fim de 1971,[31] retornando em vitória amistosa por 3-0 na Venezuela sobre o Boca Juniors, substituindo Pelé.[8]

Sem ser novamente o mesmo jogador,[2] em julho de 1973 o paraense recebeu passe livre do Santos. Chegou a ser sondado no Vasco da Gama, mas a transferência não se concretizou.[32] Um de seus últimos jogos foi um 6-0 no Juventus da Mooca, marcando o último gol. Somente quatorze anos depois o Santos voltaria a marcar seis gols na mesma partida.[33] Antes de sair, pôde fazer parte da campanha do título paulista daquele ano, dividido com a Portuguesa.[34]

Pós-Santos[editar | editar código-fonte]

Manoel Maria já não foi o mesmo e peregrinou por diversos clubes.[1] Após participar do primeiro turno do vitorioso Paulistão de 1973 pelo Santos, inicialmente seguiu na cidade como jogador da vizinha Portuguesa Santista.[35] Ainda em 1973, foi negociado com o futebol argentino para defender o Racing,[36] um dos cinco grandes clubes do país vizinho.[37] Mas realizou apenas cinco jogos pelo time de Avellaneda, sem gols.[38]

Em 1974, voltou ao Pará para defender o Paysandu,[7] pelo qual jogou o Brasileirão daquele ano. Foi pelos alvicelestes que ele disputou o Re-Pa no futebol adulto. Foram dois clássicos, em amistoso em fevereiro (2-1 para o Remo) e em 0-0 em maio pelo certame nacional, em duelo polêmico com invasão de campo em função da indecisão do árbitro Romualdo Arppi Filho em confirmar ou não um gol bicolor validado pelo bandeirinha, agredido pelo presidente remista. A invasão encerrou forçadamente a partida e na confusão quatro torcedores chegaram a sofrer ferimentos a bala. O árbitro sumulou o resultado como 0-0, confirmando a anulação do gol.[39] O Estadual daquele ano começaria em agosto,[40] já sem Manoel Maria, que rumou ainda em 1974 ao extinto Colorado, do Estado do Paraná.[41] Apesar da falta de êxito no Paysandu, chegou a receber homenagem em confraternização anual realizada desde a década de 1980 no estádio da Curuzu.[42] A homenagem o inspirou a promover confraternizações semelhantes com os veteranos do Santos.[43]

Em 1975, o paraense chegou a acompanhar o amigo Pelé também no Cosmos.[7] Em 1976, ganhou nova chance no Santos,[44] jogando pela última vez pelos alvinegros em setembro,[8] totalizando 165 jogos e 37 gols entre as duas passagens.[45] Em 1977, jogou o Paulistão pelo Noroeste.[46] Defendeu ainda o Corinthians de Presidente Prudente.[8]

Seleção[editar | editar código-fonte]

Manoel Maria foi o segundo jogador convocado para alguma seleção brasileira vindo diretamente do futebol paraense, após Suíço, e o primeiro a efetivamente defendê-la, com jogos pela equipe olímpica em 1968.[3] As primeiras duas partidas deram-se em fevereiro de 1968, no Paraná, em amistosos preparatórios ao Pré-Olímpico que se realizaria na Colômbia no mês seguinte. Estreou em 7 de fevereiro na Vila Capanema contra o extinto Ferroviário, vencido por 2-1.[47] O Ferroviário daria origem ao atual Paraná Clube e havia sido recentemente bicampeão paranaense em 1965 e 1966.[48] O primeiro gol veio no amistoso seguinte, em derrota de 4-2 no estádio VGD para um combinado entre Londrina e União Bandeirante.[47]

A estreia oficial de Manoel Maria, contra outra seleção, ocorreu em 19 de março, em um 0-0 com o Paraguai no Estádio Atanasio Girardot em Medellín, no Pré-Olímpico. Esteve no jogo seguinte, contra a Venezuela, onde o paraense marcou seu primeiro gol pelo Brasil, o segundo na vitória por 3-0, em Barranquilla. Nos dois jogos seguintes, o ponta-direita titular passou a ser Plínio, que acabou substituído pelo santista na partida posterior, novamente contra o Paraguai, em Bogotá, que perdeu por W.O.. Na partida seguinte, contra a anfitriã Colômbia, voltou à titularidade na vitória por 3-0 em Bogotá, encerrando a competição, em 9 de abril.[47] Manoel Maria foi convocado às Olimpíadas da Cidade do México. Antes dos jogos, em setembro, participou de um amistoso preparatório contra o clube familiar, o São Raimundo, treinado pelo pai Davi Natanael, jogando um tempo por cada equipe. Os santarenos venceram por 2-1.[5]

Nas Olimpíadas, porém, o paraense só foi utilizado na estreia, já no mês de outubro. A Espanha venceu por 1-0 e Manoel Maria foi expulso, não entrando em campo nas duas partidas seguintes, nas quais o Brasil apenas empatou com Japão (1-1) e Nigéria (3-3). Ao todo, foram cinco jogos oficiais, aqueles contra outras seleções, e um gol.[47] Na ocasião dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016, realizados no Brasil, Manoel Maria foi um dos homenageados em almoço promovido para exaltar ex-atletas olímpicos da Baixada Santista.[49] Curiosamente, um dos colegas de Manoel Maria na seleção olímpica também torno-se personagem de destaque na Tuna Luso: o zagueiro Dutra, que na época jogava no Bonsucesso e depois treinaria a Tuna campeã brasileira da segunda divisão em 1985.[50]

O bom desempenho no Santos rendeu-lhe inclusão na lista de 40 pré-convocados à Copa do Mundo FIFA de 1970,[12] mas não ficou entre os 22 finais. Com a lesão de Rogério e em função de atuações "em que lembrou Mané Garrincha", a inclusão do paraense na lista final chegou a ser defendida em abril por Michel Laurence em desfavor de Jairzinho, que apresentava má fase.[21] No mês anterior, chegou a marcar duas vezes em uma goleada de 4-0 no clássico com o São Paulo pela Taça Cidade de São Paulo. [51] Em maio, porém, o próprio jogador declarava não acreditar na convocação, achando que seu bom desempenho apareceu muito tardiamente, mas demonstrava confiança de que iria para a Copa do Mundo FIFA de 1974.[15]

Porém, no mesmo mês de maio os boatos de sua convocação na vaga de Rogério ganharam força. Mesmo assim, não exibiu afobação: "o pessoal não parava de me chatear, dizendo que eu estava secando o Rogério. Eu só fiquei sabendo pelos jornais que poderia ser convocado, ninguém me disse nada. Eu também não tenho muita pressa, sou muito novo. Minha preocupação agora são os cabelos, que eu vou ter de cortar", declarou, referindo-se ao seu alistamento no Exército.[52] Ao fim, os goleiros Félix e Ado convenceram o técnico Zagallo a chamar Emerson Leão para o lugar de Rogério, em uma época em que era incomum as seleções convocarem três goleiros ao torneio.[3] Visto como promessa para o futuro, acabou não tendo mais chances na seleção em função do acidente automobilístico que abreviou-lhe a carreira.[1]

Após parar[editar | editar código-fonte]

Chegou a abrir na década de 1980 uma imobiliária com seu nome, em Santos,[16] inclusive em sociedade com outro paraense, o lateral Paulo Robson, que jogava na época no Santos,[4] onde foi campeão paulista de 1984.[53]

Posteriormente, Manoel Maria especializou-se em treinar categorias de base.[54] Na do Santos, chegou a trabalhar com Diego e Robinho.[55] Também tinha a sua própria escolinha. Ela, após receber auxílio financeiro do amigo Pelé para evitar o fechamento, gerou o clube Litoral,[56] em sociedade com Pelé e Clodoaldo.[57] Lá continuou a trabalhar na busca por novos talentos, incluindo com vindas ao Pará, junto com o mesmo Paulo Robson e com Aarão Alves,[58] filho do ex-ponta-direita.[59] Em 2010, o Litoral juntou-se ao tradicional Jabaquara, em parceria que foi gerenciada por Manoel Maria.[60] Nos juvenis do Jabaquara, trabalhou com Geuvânio.[61]

Na década de 2010, também trabalhou na secretaria municipal de esportes da cidade de Santos, onde reside.[62] A parceria dentro e fora dos gramados com Pelé rendeu amizade de cerca de cinquenta anos, com Pelé chegando a auxiliar-lhe financeiramente também na própria lua-de-mel do paraense.[56] Em contrapartida, Manoel Maria chegou a treinar um dos filhos de Pelé, Joshua, treinado no Santos também por dois filhos do paraense, Aarão e André Alves.[45]

Em 2014, seu filho Aarão, que tornou-se técnico da equipe sub-17 do Santos, também escapou vivo de um seríssimo acidente automobilístico, no qual o carro foi totalmente consumido pelo fogo.[59] Aarão, o pai Manoel e o velho sócio do ex-ponta, o também paraense ex-santista Paulo Robson, atualmente seguem prestando serviços aos alvinegros, incluindo captação de novos jogadores no Pará,[63] tal como faziam no extinto Litoral.[58] Manoel também já observou talentos nos juvenis da Portuguesa Santista, em 2013.[64]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Santos [8][editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n DA COSTA, Ferreira (2014). Manoel Maria - Ponta esteve perto da Copa de 1970. Gigantes do futebol paraense. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 192-196
  2. a b c d CUNHA, Odir; UNZELTE, Celso (2012). 62 - Manoel Maria - O nosso Chaplin. Santos 100 Anos, 100 Jogos, 100 Ídolos. Belo Horizonte: Editora Gutenberg, p. 117
  3. a b c d e BRANDÃO, Caio (12 de janeiro de 2016). «Nos 400 anos de Belém, um timaço só com grandes jogadores paraenses que serviram a Seleção». Trivela. Consultado em 25 de julho de 2017 
  4. a b Sócios ideais (8 dez. 1986). Placar n. 863. São Paulo: Editora Abril, p. 7
  5. a b DIOGO, Julio Bovi (28 de janeiro de 2013). «ESPORTE: Morre o ex-técnico e fundador do São Raimundo David Natanael». Rádio Rural de Santarém. Consultado em 25 de julho de 2017 
  6. DIOGO, Julio Bovi (8 de maio de 2016). «Pará State League - List of Champions». RSSSF Brasil. Consultado em 25 de julho de 2017 
  7. a b c d DA COSTA, Ferreira (2013). Manoel Maria, o craque que despontou na Tuna. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, p. 256
  8. a b c d e SANTANA, Gabriel (20 de junho de 2015). «MANOEL MARIA – 1968-1973/1976». Acervo Santista. Consultado em 25 de julho de 2017 
  9. DA COSTA, Ferreira (2014). Campeões do Intermunicipal. Gigantes do futebol paraense. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 332-334
  10. a b c d DA COSTA, Ferreira (2013). 1967 - Paysandu levanta o tricampeonato, após 5 clássicos Re-Pa emocionantes. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 149-152
  11. a b DA COSTA, Ferreira (2013). 1968 - Remo mantém Amoroso, o "pé de coelho", e levanta o título de campeão. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 153-155
  12. a b c d DA COSTA, Ferreira (2013). Em 1967, a Tuna foi a Manaus, fez oito jogos e voltou invicta. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, pp. 130-132
  13. MENDES, André (28 de fevereiro de 2018). «Ex-ponta do Santos FC, Manoel Maria comemora aniversário». Santos FC. Consultado em 21 de agosto de 2018 
  14. FREITAS, César (4 de julho de 2014). «1149- MANOEL MARIA». Jornal A Semana. Consultado em 25 de julho de 2017 
  15. a b SOARES, Renato (8 maio 1970). Manoel Maria: agora é tarde para mim. Placar n. 8. São Paulo: Editora Abril, p. 8
  16. a b SORMANI, Fábio Rocco (27 maio 1983). Os campeões de 1968. Placar n. 679. São Paulo: Editora Abril, pp. 14-15
  17. GANDINI, Luca (31 de julho de 2014). «Recopa Intercontinental 1968/69». RSSSF. Consultado em 25 de julho de 2017 
  18. Gerações de ouro (out. 1994). Placar n. 1097. São Paulo: Editora Abril, p. 19
  19. CUNHA, Odir; UNZELTE, Celso (2012). 66 - O jogo que parou a guerra. Santos 100 Anos, 100 Jogos, 100 Ídolos. Belo Horizonte: Editora Gutenberg, p. 118
  20. CUNHA, Odir; UNZELTE, Celso (2012). 69 - O milésimo do Rei Pelé. Santos 100 Anos, 100 Jogos, 100 Ídolos. Belo Horizonte: Editora Gutenberg, p. 120
  21. a b c LAURENCE, Michel (24 abr. 1970). A vez do Manoel. Placar n. 6. São Paulo: Editora Abril, p. 3.
  22. A lei do mais fraco (maio 2015). Placar n. 1294-B. São Paulo: Editora Abril, pp. 74-79
  23. Academia x Era Pelé (maio 2015). Placar n. 1294-B. São Paulo: Editora Abril, pp. 68-73
  24. Tabu pra todo lado (maio 2015). Placar n. 1294-B. São Paulo: Editora Abril, pp. 56-61
  25. Onde joga Manoel Maria? (28. ago. 1970). Placar n. 24. São Paulo: Editora Abril, p. 22
  26. O Santos ganhou fácil um jogo difícil (16 out. 1970). Placar n. 31. São Paulo: Editora Abril, p. 13.
  27. Mané, ainda com a morte (16 out. 1970). Placar n. 31. São Paulo: Editora Abril, p. 10.
  28. a b Manuel Maria precisa voltar, urgente (13 nov. 1970). Placar n. 35. São Paulo: Editora Abril, p. 37.
  29. Manuel Maria fora de perigo (23 out. 1970). Placar n. 32. São Paulo: Editora Abril, p. 22.
  30. LAURENCE, Michel (4 jun. 1971). Manuel Maria em busca da bola. Placar n. 64. São Paulo: Editora Abril, p. 9
  31. Tabelão (19 nov. 1971). Placar n. 88. São Paulo: Editora Abril, pp. 37-38
  32. NETO, Fausto; QUADROS, Raul (20 jul 1973). Os meninos do Vasco. Placar n. 175. São Paulo: Editora Abril, pp. 2-3
  33. Goleada histórica (10 ago. 1987). Placar n. 897. São Paulo: Editora Abril, p. 12
  34. CUNHA, Odir; UNZELTE, Celso (2012). 71 - Parecia Pelé e Coutinho. Santos 100 Anos, 100 Jogos, 100 Ídolos. Belo Horizonte: Editora Gutenberg, p. 127
  35. MARCOS, Antônio (24 de agosto de 2013). «Sem rusgas, ídolos de Santos e Lusa celebram 40 anos de título dividido». Globo Esporte. Consultado em 25 de julho de 2017 
  36. HERNÁNDEZ, Sergio; STORNI, Luis Carlos (8 de junho de 2008). «Brazilian players in Argentina 1st level». RSSSF. Consultado em 25 de julho de 2017 
  37. LEAL, Ubiratan (abr. 2008). Cemitério de elefantes. Trivela n. 26. Trivela Comunicações, pp. 42-43
  38. «MANUEL MARIA». BDFA. Consultado em 25 de julho de 2017 
  39. DA COSTA, Ferreira (2015). 1974. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 124-128
  40. DA COSTA, Ferreira (2013). Remo importa Paulinho de Almeida, que comanda a conquista do bicampeonato. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 174-178
  41. TEIXEIRA, Hélio (6 dez. 1974). Vou meter um gol no Coritiba. Placar n. 246. São Paulo: Editora Abril, pp. 26-27
  42. CORTINHAS, Nilson (7 de dezembro de 2015). «UMA FESTA DA SAUDADE: Este ano foi a vez de Ari, zagueiro». ORM News. Consultado em 25 de julho de 2017 
  43. «Ao comando de Manoel Maria, Santos terá confraternização de veteranos». Globo Esporte. 1 de julho de 2015. Consultado em 25 de julho de 2017 
  44. Pôster Santos F.C. (17 set. 1976). Placar n. 336. São Paulo: Editora Abril, pp. 35-36
  45. a b «Filho de Pelé agradece a ídolo do Santos por ensinamentos na base». Globo Esporte. 20 de dezembro de 2014. Consultado em 25 de julho de 2017 
  46. Tabelão (18 fev. 1977). Placar n. 356. São Paulo: Editora Abril, pp. 51-53
  47. a b c d ARRUDA, Marcelo Leme de (6 de junho de 2017). «Seleção Brasileira Restritiva (Brazilian National Restrictive Team) 1964-1971». RSSSF Brasil. Consultado em 25 de julho de 2017 
  48. DIOGO, Julio Bovi (8 de maio de 2016). «Paraná State - List of Champions». RSSSF Brasil. Consultado em 25 de julho de 2017 
  49. CASTRO, João Paulo de (6 de julho de 2016). «Atletas e ídolos olímpicos recebem homenagem antes dos Jogos». Globo Esporte. Consultado em 25 de julho de 2017 
  50. DA COSTA, Ferreira (2014). Dutra - Zagueiro criou raiz no futebol do Pará. Gigantes do futebol paraense. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 120-121
  51. Tabelão (27 mar. 1970). Placar n. 2. São Paulo: Editora Abril, pp. 28-30.
  52. Manuel Maria, um boato. Leão também? (15 maio 1970). Placar n. 9. São Paulo: Editora Abril, p. 32
  53. «Corpo de Chico Formiga é cremado, em Santos». Globo Esporte. 23 de maio de 2012. Consultado em 25 de julho de 2017 
  54. FERREIRA, Carlos (23 de março 2011). «A glória de mais um fruto desperdiçado». ORM News. Consultado em 25 de julho de 2017 
  55. FERREIRA, Bernardo (10 de maio de 2007). «Jerri, rei no Santos antes da hora certa». Globo Esporte. Consultado em 25 de julho de 2017 
  56. a b «47 anos de amizade: Pelé já bancou lua de mel de Manoel Maria». Globo Esporte. 23 de outubro de 2015. Consultado em 25 de julho de 2017 
  57. GOUSSINSKY, Eugênio (out. 2004). A caixa-preta do Santos. Placar n. 1275. São Paulo: Editora Abril, pp. 34-37
  58. a b FERREIRA, Carlos (6 de dezembro 2010). «Baixinhas». ORM News. Consultado em 25 de julho de 2017 
  59. a b «Após fogo no carro, técnico do Peixe agradece por viver: 'Anjos anônimos'». Globo Esporte. 30 de março de 2014. Consultado em 25 de julho de 2017 
  60. BARROS, Adilson (20 de outubro de 2010). «Brasil Afora: Jabaquara, ex-carrasco de Pelé, hoje sobrevive graças ao Rei». Globo Esporte. Consultado em 25 de julho de 2017 
  61. «Carrasco de Pelé e berço de talentos, Jabaquara comemora seu centenário». Globo Esporte. 15 de novembro de 2014. Consultado em 25 de julho de 2017 
  62. FERREIRA, Carlos (18 de dezembro de 2014). «Baixinhas». ORM News. Consultado em 25 de julho de 2017 
  63. CRUZ, Pedro (27 de dezembro de 2016). «Castanhal recebe olheiros do Santos, em busca de jovens talentos na região». Globo Esporte. Consultado em 25 de julho de 2017 
  64. «Observada por ídolo santista, Briosa goleia em amistosos com Lemense». Globo Esporte. 24 de março de 2013. Consultado em 25 de julho de 2017