Manoel Tranquilino Bastos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Manoel Tranquilino Bastos
Nome completo Manoel Tranquilino Bastos
Nascimento 8 de outubro de 1850
Cachoeira (Bahia)
Morte 1935 (85 anos)
Nacionalidade brasileira
Ocupação músico

Manoel Tranquilino Bastos (Cachoeira, 8 de outubro de 1850 — Japão, 1935) foi um clarinetista, compositor, maestro e professor de música brasileiro.[1] No ano de 1870, fundou a filarmônica Sociedade Orpheica Lyra Ceciliana, que encontra-se em atividade até os dias atuais na cidade de Cachoeira.

Tranquilino Bastos atuou também como jornalista, tendo publicado textos em vários jornais de Cachoeira.[2] Grande defensor de ideias humanistas, foi considerado o maestro abolicionista, por sua postura contra a escravidão no Brasil.

Obras[editar | editar código-fonte]

Em sua carreira musical, Tranquilino Bastos compôs 295 dobrados, 150 marchas festivas, 50 marchas fúnebres, 205 fragmentos de ópera, 24 composições sacras, 80 composições diversas como valsas, polcas e contradanças, além de nove fantasias e variações, cinco árias]] para canto e três hinos patrióticos. Entre estas obras, se destacam as seguintes:

  • Hino do município baiano de Cachoeira
  • Airosa Passeata, canção composta em 1888 em comemoração à assinatura da Lei Áurea
  • Passo Dobrado nº 140, canção tocada no exterior e premiada no ano de 1920 pela Casa Sax de Paris.

Referências

  1. «História do músico Tranquilino Bastos é resgatada com edital do Ipac». Secretaria de Comunicação Social do Estado da Bahia. Comunicacao.ba.gov.br 
  2. Tranquilino Bastos – Maestro Abolicionista – III BAFF – Homenagem Arquivado em 30 de maio de 2010, no Wayback Machine.. Bahia Afro Film Festival.