Mansão da família Kong

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pix.gif Templo e Cemitério de Confúcio e a Mansão da família Kong em Qufu *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Confuciusmansionqufu.jpg
País China República Popular da China
Tipo Cultural
Critérios i, iv, vi
Referência 704
Região** Ásia-Pacífico
Histórico de inscrição
Inscrição 1994  (18ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.
Mansão da família Kong

Kong Family Mansion (Chinese characters).svg

"Mansão da família Kong" em caracteres chineses
Chinês: 孔府
Significado literal Mansão Kong

A Mansão da família Kong (chinês: 孔府, pinyin: Kǒng fǔ) foi a residência histórica dos descendentes diretos de Confúcio na cidade de Qufu, a cidade natal de Confúcio, localizada na província de Xantungue.[1] As estruturas atuais, datam maioritariamente das dinastias Ming e Qing. A família governava a maior propriedade rural privada da China. A família Kong era a encarregada de executar elaboradas cerimónias religiosas em eventos como as sementeiras, as colheitas, honrar os mortos e aniversários. Hodiernamente, a mansão é um museu e é Património Mundial da UNESCO, sob o nome de "Templo e Cemitério de Confúcio e a Mansão da família Kong em Qufu".

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Torre de tugúrio da mansão.

A mansão está ao pé do Templo de Confúcio, mais específicamente a leste do mesmo,[1] de facto, antigamente estava unida ao Templo. A estrutura da mansão é típicamente chinesa tradicional e separa os espaços oficiais através do estilo de yamen[2] à frente do complexo dos espaços residenciais. Além do yamen e dos espaços interiores, o complexo também tem outras secções orientais e ocidental e também um jardim traseiro.[2] Dentro desta estrutura geral, a distribuição espacial dos edifícios está organizada de acordo à idade, o género e o estatuto dos seus habitantes, refletindo o princípio confucionista de ordem e hierarquia. O descendente mais velho de Confúcio vivia no edifício central dos três principais que há; o seu irmão mais novo ocupava o edifício Yi Gun a leste. A secção leste foi usada pelo Duque de Yansheng para receber convidados oficiais e adorar os seus antepassados.[2] A secção oeste foi usada para o estudo, as refeições e entreter amigos.[2] Na sua disposição atual, a mansão tem cento e cinquenta e dois edifícios[3] com quatrocentos e oitenta quartos, que cobrem uma área de 12 470 km². O seu edifício mais alto é a torre de quatro andares de refúgio (chinês: pinyin: nán Lóu) que fora concebida como escudo durante um ataque mas nunca foi usada. A mansão alberga um arquivo com cerca de sessenta mil documentos relacionados com a vida na mansão por um período de quatrocentos anos durante as dinastias Ming e Qing.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A primeira mansão da família Kong do Duque de Yansheng foi construída em 1038 durante a dinastia Song.[4] Em 1377, a mansão foi deslocada e reconstruída sob as ordens do primeiro imperador da dinastia Ming. Em 1503, durante o reinado do Imperador Hongzhi, o complexo foi expandido para três ramas de edifícios com quinhentos e sessenta quartos e, tal como o vizinho Templo de Confúcio, nove pátios. Durante a dinastia Qing,[5] a mansão sofreu ma renovação completa em 1838 mas seria danificada grandemente quarenta e oito anos depois por um fogo que destruiu as secções femininas em 1886.[2] Mesmo durante o fogo, os homens não se atreveram a entrar na parte femínea da mansão para testilhar a labareda, levando a que esta parte fosse ainda mais afetada.[2] As partes destruídas da mansão seriam reconstruídas dois anos depois; o custo de ambas renovações do século XIX foram afiançadas pelo Imperador. Apesar destas renovações, a Mansão da família Kong continua a ser o complexo residencial mais bem preservado da dinastia Ming.[2] O último membro da família Kong à testa da mansão foi Kong Decheng, descendente de Confúcio na geração setenta e sete. Kong Decheng fugira para Xunquim devido à Segunda Guerra Sino-Japonesa em 1937.[6] Ele não voltou a Qufu, indo morar para o Taiuã durante a Guerra Civil Chinesa.[6][7]

Há outra Mansão da família Kong em Quzhou erguida pelos pósteros austrais de Confúcio.

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mansão da família Kong

Referências

  1. a b c Atlas of World Heritage: China (em inglês). [S.l.]: Long River Press. 2005. ISBN 9781592650606 
  2. a b c d e f g Fu, Xinian (2002). Chinese Architecture (em inglês). [S.l.]: Yale University Press. ISBN 0300095597 
  3. Centre, UNESCO World Heritage. «Centro del Patrimonio Mundial -». whc.unesco.org (em espanhol). Consultado em 5 de novembro de 2017 
  4. «Temple & Cemetery of Confucius». Televisão Central da China - CCTV. Consultado em 5 de novembro de 2017 
  5. Steinhardt, Nancy Shatzman; Gallery, China House (1984). Chinese traditional architecture (em inglês). [S.l.]: China Institute in America, China House Gallery 
  6. a b «life as the heir to Confucius». MCLC Resource Center (em inglês). 14 de novembro de 2014 
  7. orientalarchitecture.com. «Asian Historical Architecture: A Photographic Survey». www.orientalarchitecture.com. Consultado em 5 de novembro de 2017