Manuel, Príncipe de Portugal (1568-1638)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Manuel
Príncipe herdeiro de Portugal
O Príncipe D. Manuel, herdeiro do trono portugês, filho do Rei D. António I
Consorte 1- Emília de Nassau;
2- Luísa Osório
Casa Avis-Beja
Nascimento 1568
  Tânger
Morte 22 de junho de 1638 (70 anos)
  Bruxelas
Filho(s) Maria Bélgica de Portugal, Manuel de Portugal, Luis Guilherme de Portugal, 1º marquês de Trancoso, Mauricia Eleonor, Príncesa de Portugal, Emília Luisa de Portugal, Ana Luís Frisia de Portugal, Juliana Catarina de Portugal e Sabina de Portugal
Pai António I de Portugal
Mãe Ana Barbosa

Manuel de Portugal, (Tânger, 22 de junho de 1568 - Bruxelas, 1638) filho de António I de Portugal e de Ana Barbosa. Durante o reinado do seu pai usou o título de príncipe herdeiro de Portugal.

Aclamação como Príncipe[editar | editar código-fonte]

Depois da morte do cardeal-rei D. Henrique e com o retorno da sua família a Portugal, e ainda, com a aclamação do seu pai como rei de Portugal a 24 de Julho de 1580 em Santarém, Manuel passou a ostentar o título de Príncipe herdeiro de Portugal. Mas o reinado do seu pai seria curto e atribulado porque no dia 25 de Agosto do mesmo ano, o seu pai perde o trono na Batalha de Alcântara para Filipe II de Espanha. Depois da derrota das tropas do seu pai, e para evitarem serem aprisionados, D. António e D. Manuel fogem para Coimbra, onde recrutam 6 mil homens para enfrentar outra vez as tropas espanholas, mas seriam outra vez derrotados. Sem opções, D. Manuel e o seu pai passam alguns dias escondidos entre mosteiros e casas de amigos, mas são obrigados a fugir com o resto da família para França. Mas antes, D. António dirige-se a Inglaterra para pedir auxilio à rainha Isabel I da Inglaterra, que aceitou, mas a armada inglesa nem chegou a Portugal, devido à peste que atacou os soldados ingleses. Mas D. António continuou a ser aclamado rei até 1583, nos Açores, até as tropas espanholas conseguiram entrar no território açoriano.

Exílio[editar | editar código-fonte]

Depois do exílio da família em França, D. Manuel segue para a Holanda para casar com Emília de Nassau, na altura como Príncesa de Orange, e casaram-se a 17 de novembro de 1597, em Haia, e tiveram oito filhos, mas Emília viria a falecer em 1629. Mas D. Manuel não tardou muito em voltar a casar, casando pela segunda vez em 3 de abril de 1630 com Luísa Osório. Manuel morre em Bruxelas, em 1638, com 70 anos.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Do seu casamento com Emília de Nassau:

Precedido por
D. Sebastião
Armas principe herdeiro portugal.png
Príncipe herdeiro de Portugal

1580 (no Continente) - 1583 (nos Açores)
Sucedido por
D. Diogo
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.