Manuel Correia de Andrade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Manuel Correia de Oliveira Andrade (Vicência, 3 de agosto de 1922[1]Recife, 22 de junho de 2007[2]) foi um escritor, historiador, geógrafo, advogado e professor brasileiro.

Filho de Joaquim Correia Xavier de Andrade e de Zulmira Oliveira de Andrade, nasceu no Engenho Jundiá, em Vicência, cidade da zona da mata norte do estado de Pernambuco. Mudando-se para o Recife, complementou seus estudos, formando-se em Direito, História e Geografia.[1]

Filiou-se ao Partido Comunista aos 20 anos de idade, para logo depois afastar-se.

Realizou cursos de pós-graduação em universidades do Brasil e de Paris, tendo também estudado na Itália, Bélgica, Grécia e Israel.

Magistério[editar | editar código-fonte]

Ensinou Geografia do Brasil[2] e História em vários colégios recifenses, [1] bem como Geografia Física na Faculdade de Filosofia do Recife e Geografia Econômica na Universidade Federal de Pernambuco, onde era professor desde 1952 (aposentou-se oficialmente em 1985, mas se manteve sempre atuante como docente e pesquisador) e foi o responsável pela criação do Mestrado em Geografia na UFPE, no final da década de 1970, do qual foi ainda coordenador, chegando a exercer, ainda, a chefia do Departamento de Geografia e a coordenação do Mestrado em Economia na mesma instituição. Nos últimos anos de sua vida, respondia, como coordenador, pela cátedra Gilberto Freyre, ligada ao departamento de sociologia da UFPE, sendo idealizador do evento anual "Redescobrindo o Brasil".

Pesquisa[editar | editar código-fonte]

Além das pesquisas desenvolvidas na Universidade Federal de Pernambuco, era integrante do quadro de pesquisadores da Fundação Joaquim Nabuco, sendo um dos mais respeitados estudiosos da realidade nordestina. Ali dirigiu o Centro de Estudos de História Brasileira Rodrigo Mello Franco de Andrade.

Acrescente-se ser membro do Conselho Científico do International Council for Research in Cooperative Development, na Suíça.

Títulos e honrarias[editar | editar código-fonte]

Entre os vários títulos que recebeu, destacam-se os de Doutor Honoris Causa, por parte de três Universidades Federais: Rio Grande do Norte, Alagoas e Sergipe, e pela Universidade Católica de Pernambuco; além de Professor Emérito da Universidade Federal de Pernambuco, em 1989.

Academia[editar | editar código-fonte]

Eleito em 22 de abril de 2002 para a cadeira 37 da Academia Pernambucana de Letras, dela tomou posse no dia 23 de maio do mesmo ano, sucedendo ao fundador da cadeira, José Antônio Gonçalves de Melo.[3]

Política[editar | editar código-fonte]

Por sua atuação política, foi preso em duas ocasiões:

  • a primeira, em 1944, quando é processado pelo Tribunal de Segurança Nacional, sendo anistiado no ano seguinte por um decreto do presidente Getúlio Vargas;
  • a segunda, em 1964, quando participou do Governo Miguel Arraes em Pernambuco.

Publicações[editar | editar código-fonte]

Publicou mais de 100 títulos de livros, muitos deles didáticos, adotados nos vários colégios do Brasil, além de inúmeros artigos em jornais pernambucanos (Diario de Pernambuco e Jornal do Commercio).

Entre eles destacam-se:

  • A pecuária no agreste pernambucano. Recife, 1961
  • O Distrito Industrial e suas condições climáticas. Recife, 1962
  • A terra e o homem no Nordeste. São Paulo, 1963
  • A guerra dos cabanos. Rio de Janeiro, 1965
  • Espaço, polarização e desenvolvimento: a teoria dos pólos de desenvolvimento e a realidade nordestina. Recife, 1967
  • Nordeste, espaço e tempo. Petrópolis, 1970
  • Movimentos nativistas em Pernambuco: Setembrizada e Novembrada. Recife, 1971
  • Aceleração e freios do desenvolvimento brasileiro. Petrópolis, 1973
  • O processo de ocupação do espaço regional do Nordeste. Recife, 1975
  • Os trinta anos do Brasil. Recife, 1976
  • O planejamento regional e o problema agrário no Brasil. São Paulo, 1976
  • O processo de ocupação do espaço pernambucano. Recife, 1976
  • Agricultura & capitalismo. São Paulo, 1979
  • Latifúndio e reforma agrária no Brasil. Rio de Janeiro, 1980
  • 1930: a atualidade da Revolução. São Paulo, 1980
  • Capital, Estado e industrialização do Nordeste. Rio de Janeiro, 1981
  • Nordeste: a reforma agrária ainda é necessária?. Recife, 1981
  • As alternativas do Nordeste. Recife, 1983
  • Projeto, avaliação e diagnóstico da Geografia no Brasil. Brasília, 1983
  • Poder político e produção do espaço. Recife, 1984
  • Classes sociais e agricultura no Nordeste. Recife, 1985
  • Abolição e reforma agrária. São Paulo, 1987
  • Geografia, ciência da sociedade: uma introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo, 1987
  • O Nordeste e a Nova República. Recife, 1987
  • O homem e a cana-de-açúcar no vale do Siriji. Recife, 1987
  • Imperialismo e fragmentação do espaço. São Paulo, 1988
  • A Revolução de 30: da República Velha ao Estado Novo. Porto Alegre, 1988
  • O Brasil e a África. São Paulo, 1989
  • Caminhos e descaminhos da Geografia. Campinas, 1989
  • A Itália no Nordeste: contribuição italiana ao Nordeste do Brasil. Recife, 1992
  • Uma geografia para o século XXI. Recife, 1993
  • O desafio ecológico: utopia e realidade. São Paulo, 1994
  • A questão do território no Brasil. Recife, 1995
  • Formação territorial e econômica do Brasil. Recife, 2003
  • A Terra e o Homem no Nordeste: contribuição ao estudo da questão agrária no nordeste. Recife, 2005

Referências

  1. a b c *Fundaj - Biografia de Manuel Correia de Andrade
  2. a b *Manuel Correia de Andrade morre aos 84 anos
  3. * PARAÍSO, Rostand (organizador). Academia Pernambucana de Letras: sua história. Recife: APL, 2006, Vol. 1
  • PARAÍSO, Rostand (organizador). Academia Pernambucana de Letras: efemérides. Recife: APL, 2006, Vol. 2

Ligações externas[editar | editar código-fonte]