Manuel Dias de Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o músico de nome semelhante, veja Manoel Dias de Oliveira.

Alegoria de Nossa Senhora da Conceição, Museu Nacional de Belas Artes

Manuel Dias de Oliveira (Cachoeiras de Macacu, 1764Campos dos Goitacases, 1837) foi um pintor, professor e decorador brasileiro. É também conhecido pelos epítetos Brasiliense e Romano.

Vida[editar | editar código-fonte]

Quando jovem se transferiu à cidade do Rio de Janeiro, estudando toreutica, o que leva a crer que pode ter trabalhado como ourives. Um comerciante português financiou sua ida a Portugal, instalando-o na cidade do Porto, onde a morte de seu protetor deixou-o desvalido.

Não se sabe como teria chegado a Lisboa, onde o então intendente Pina Manique fundara a Real Casa Pia, uma escola onde se recolhiam vagabundos e errantes mas que aos poucos tornaria-se uma verdadeira "universidade popular" com cursos de desenho e matemática, além de trabalhos manuais.

Destacando-se como um dos melhores alunos, foi então mandado a Roma para desenvolver a sua aprendizagem com outros jovens portugueses de talento, entre os quais Domingos António de Sequeira, que viria a tornar-se dos maiores nomes da pintura neoclássica portuguesa.

Sua estada em Roma valeu-lhe o apelido o Romano. Gracas à proteção de Pina Manique, Dias de Oliveira entra na Accademia de San Lucca, onde torna-se aluno de Pompeo Batoni. Permaneceu na Itália até 1800, quando volta a Portugal e pede para ser reenviado ao Brasil para fundar no Rio de Janeiro a primeira Aula Régia de Desenho e Figura. Seu pedido leva a sua nomeação em novembro de 1800.

Essa seria a primeira escola de arte da colônia da qual se tem registro. Seguindo o modelo então vigente na Europa, ensinava apenas desenho - ao natural e com modelo vivo, sendo o introdutor no Brasil do modelo nu. Seu ateliê, onde dava aulas, localizava-se na rua do Hospital. Entre seus alunos, destacam-se Francisco Pedro do Amaral e Manoel José Gentil.

Dias de Oliveira trabalhou como decorador para eventos oficiais, e em 1808 foi o responsável pela decoração para a recepção da Corte Portuguesa no Rio de Janeiro.

A partir de 1816, com a chegada dos artistas da Missão Artística Francesa, seu prestígio declinou, talvez pela competição com os recém-chegados. Em 1822, D. Pedro I o destitui do cargo na Aula Régia de Desenho e Figura. Dias de Oliveira retirou-se a Campos de Goytacazes em 1831, onde abriu uma escola primária. Morreu naquela cidade em 25 de abril de 1837.

Obra[editar | editar código-fonte]

Manuel Dias de Oliveira pintou retratos, alegorias, temas religiosos e naturezas-mortas, além de muitas obras efêmeras decorativas que se perderam. Algumas de suas obras são:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.