Manuel Ferreira Patrício

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde julho de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Manuel Ferreira Patrício (GCIH) (n. Montargil, Ponte de Sor, 23 de Setembro de 1938) é um professor português. É catedrático aposentado da Universidade de Évora e Doutor Honoris Causa pela Universidade do Porto (2013).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Frequentou o Curso do Magistério Primário (Évora, 1957-1959) e ficou aprovado no Exame de Estado para o Ensino Liceal, no Liceu Central de Camões, em 1972. Licenciou-se em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em 1974. Foi professor do Ensino Primário (1959-1967) e do Ensino Liceal (1967-1984). Doutorou-se em Ciências da Educação, com especialidade em Filosofia da Educação em 1984 pela Universidade de Évora e prestou provas públicas de Agregação em Teoria da Educação e Axiologia Educacional nessa mesma Universidade em 1992.[1]

Na Universidade de Évora exerceu as funções de Professor Auxiliar (desde 1984), de Professor Associado (desde 1986), de Professor Catedrático (entre 1993 e 2006) e de Reitor (2002-2006). Foi Presidente do Conselho do Departamento de Pedagogia e Educação, órgão que instalou, organizou e dirigiu (1976-1993), Presidente do Conselho Pedagógico (1990-1993) e Presidente do Conselho Directivo (Área Departamental de Ciências Humanas e Sociais, entre 1991 e 1993), Coordenador da secção de Filosofia e Pedagogia e Diretor da Comissão do Curso de Filosofia (1996-2002). Aposentou-se como Professor Catedrático da Universidade de Évora em 2006.[1]

Ao longo da sua carreira de Professor Universitário acompanhou dezenas de gerações de estudantes de vários níveis de ensino e áreas do saber. Foi particularmente intensa a actividade de concepção, organização e leccionação que desenvolveu no âmbito das Licenciaturas em Ensino, criadas em 1978 na Universidade de Évora. Foi regente de várias disciplinas da sua área de especialidade no âmbito das Licenciaturas em Ensino (e.g. Teoria da Educação, Pedagogia Sistemática; História da Pedagogia e da Educação; Didáctica Geral; Técnicas de Animação e Axiologia Educacional) e em Filosofia (e.g. Introdução à Filosofia; Mundividências Científicas Contemporâneas; Lógica Formal; Teoria do Conhecimento; Ontologia; Antropologia Filosófica e Filosofia da Educação). Foi também regente da disciplina de Psicologia Social, no âmbito dos Cursos de Ciências Sociais da Universidade de Évora, na parte final dos anos 70 e inicial dos anos 80. Como docente e investigador, cooperou com as universidades do Porto, de Braga e de Lisboa[1] e com a Universidade Aberta. Orientou dezenas de dissertações de Doutoramento e de Mestrado, com docentes da sua e de diversas Universidades e participou em numerosos júris académicos em praticamente todas as Universidades do país e em Universidades espanholas. Proferiu centenas de conferências sobre Educação, Pedagogia, Filosofia e Cultura, em diversos contextos científicos e institucionais, dentro e fora de Portugal. A sua profunda erudição, cultura e humanismo fazem dele um Orador por excelência entre pares e públicos. Em 2002 moderou insignemente uma mesa redonda entre António Lobo Antunes e Eduardo Lourenço, no âmbito do Colóquio Internacional António Lobo Antunes organizado na Universidade de Évora.[2]

Fora da Universidade de Évora ocupou diversos cargos de relevo: foi Vice-Reitor da secção liceal de Estremoz, do Liceu Nacional de Évora (1972-1973), Director da Escola Secundária do Redondo (1973-1975), Presidente da Comissão de Planeamento da Região Sul (1978-1979), Presidente do Instituto de Inovação Educacional do Ministério da Educação (1987-1989), Presidente do Conselho Científico da Escola Superior da Educação de Beja (1990-1993) e Diretor-Geral do Departamento do Ensino Superior do Ministério da Educação (1993-1996).[1]

Tem desenvolvido intensa actividade cultural, designadamente no domínio da Música, com destaque para a criação e direcção de Coros, Grupos Instrumentais e Grupos de Jograis, com alguma actividade consequente de composição. Dessa actividade destaca-se: Maestro do Coro da Academia de Amadores de Música, a convite de Fernando Lopes Graça, em 1965; Maestro da Tuna Académica do Liceu Nacional de Évora (1967-1972); Fundador e maestro do Pequeno Conjunto de Câmara do Liceu Nacional de Évora (1968-1972); Maestro do Orfeão de Estremoz Thomaz Alcaide, entre 1973 e 1984; Fundador e Maestro do Coral da Universidade de Évora (11 de Abril de 1983),[3] que dirigiu até 1987 e Fundador do Grupo de Metais da Universidade de Évora, em 2003.

É membro da Association Internacionale des Professeurs de Philosophie, do Instituto de Filosofia Luso-Brasileiro, do Conselho Editorial da Imprensa Nacional-Casa da Moeda e do Bureau Internacional da Association Internacional de Professeurs de Philosophie. É académico correspondente da Academia Internacional de Cultura Portuguesa, presidente da Associação Marânus (desde 1996), sócio-fundador e presidente de direcção da AEPEC - Associação da Educação Pluridimensional e da Escola Cultural (desde 1990). É sócio fundador da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação e da Associação Portuguesa de Professores e sócio honorário do Movimento Internacional Lusófono.[1]

Obra[editar | editar código-fonte]

É referência inolvidável no domínio da Educação, Pedagogia, Filosofia e Cultura em Portugal e profundo estudioso da Obra de Leonardo Coimbra. É autor de numerosas publicações, versando temas da sua especialidade e dos seus interesses culturais, publicadas em revistas científicas e culturais e em jornais nacionais e regionais, e de cerca de duas dezenas de livros, como atesta o seu vasto curriculum vitae.[4] Fundou e dirigiu as revistas “Inovação” (1988-1999), “Escola Cultural” (1992-1994), e “Revué” (2004-2005) e dirigiu as revistas “Noesis” e “Educação e Liberdade” (1989-1990).

A esta imensa Obra, acrescem as actas dos Congressos da AEPEC, que concebeu, realizou e organizou para publicação, assim como os diversos capítulos de livros em que colaborou, ocupando-se de um amplo leque de temas, problemas e figuras, e os vários prefácios que foi convidado a escrever. Mencione-se ainda a colaboração inserta na História do Pensamento Filosófico Português, volume V, tomo II, obra dirigida por Pedro Calafate (Editorial Caminho) e a colaboração inserta na História Contemporânea de Portugal, dirigida por António Reis (Editora Alfa), sobre a Educação Portuguesa no Período da Primeira República. Colaborou também com as Enciclopédias Verbo e Logos e Dicionário Crítico Internacional de Filosofia da Educação (dir. Adalberto Dias de Carvalho).

Alguma produção sua encontra-se também publicada em jornais, nacionais e regionais, como o Diário de Notíciais, Jornal de Notícias, Diário Popular, Expresso, JL - Jornal de Letras, Artes e Ideias, Diário do Sul e A Defesa.

Distinções[editar | editar código-fonte]

(2006) Medalha de Mérito Municipal, Classe Ouro, pela Câmara Municipal de Évora, de que era na altura Presidente o Dr. José Ernesto d'Oliveira.

(2011) Título de membro honorário do CORUÉ – Coro da Universidade de Évora, pela mão de João Vitor Santos, presidente em vigência nessa data.[3]
(2012) Condecoração com a Grã Cruz da Ordem do Infante Dom Henrique, que lhe foi imposta pelo então Presidente da República, Professor Aníbal Cavaco Silva, durante as celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas (10 de Junho).

(2013) Doutoramento Honoris Causa por proposta da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP, Portugal).[1][5]

(2013) Patrono do Agrupamento de Escolas N.º 1 de Évora (Malagueira-TEIP), que a partir de então passou a ter a designação de Agrupamento de Escolas Manuel Ferreira Patrício.[6]

(2013) Medalha de Mérito Grau Ouro atribuída pela Câmara Municipal Ponte de Sor.[7]

Referências

  1. a b c d e f (Universidade Digital / Gestão de Informação, 2013) (2013). «Doutores Honoris Causa pela Universidade do Porto: Manuel Ferreira Patrício». UPorto. Consultado em 25 de novembro de 2014 
  2. Ler Eduardo Lourenço (13 de setembro de 2011). «Lobo Antunes, o navegador da realidade submersa». leduardolourenco.blogspot.pt. Consultado em 25 de novembro de 2014 
  3. a b CORUE (s/d). «Manuel Ferreira Patrício». CORUE. Consultado em 25 de novembro de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. MFP (n/d). «Curriculum Vitae (Abreviado) de Manuel Ferreira Patrício» (PDF). CME. Consultado em 25 de novembro de 2014 
  5. Tiago Reis / REIT (9 de setembro de 2013). «U.Porto atribui Honoris Causa a Manuel Ferreira Patrício». Notícias Universidade do Porto. Consultado em 25 de novembro de 2014 
  6. Redacção Registo (6 de junho de 2013). «Manuel Ferreira Patrício Patrono da Escola da Malagueira». Registo. Consultado em 25 de novembro de 2014 
  7. MMendes (12 de setembro de 2013). «PONTE DE SOR: Homenagem ao Prof. Dr. Manuel Ferreira Patrício». Terra Alentejana. Consultado em 25 de novembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]