Manuel Sarmento Rodrigues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Manuel Sarmento Rodrigues
Nome completo Manuel Maria Sarmento Rodrigues
Nascimento 15 de junho de 1899
Freixo de Espada à Cinta
Morte 1 de agosto de 1979 (80 anos)
Lisboa
Nacionalidade portuguesa
Ocupação administrador colonial e professor

Manuel Maria Sarmento Rodrigues ComCGOCGCCOAComAGCAComSEGCIGCIH (Freixo de Espada à Cinta, Freixo de Espada à Cinta, 15 de Junho de 1899Lisboa, 1 de Agosto de 1979) foi um Almirante da Marinha de Guerra Portuguesa, administrador colonial e professor de grande nomeada.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de um funcionário público, frequentou o Liceu em Bragança e a Universidade de Coimbra, ingressou na Escola Naval, concluindo o curso de Marinha em 1922.[1]

Ingressou em 1923 na "Loja Renascença" da Maçonaria Portuguesa.[1]

Como oficial subalterno, embarcou no NRP República (a bordo do qual acompanhou a viagem aérea de Gago Coutinho e Sacadura Cabral através do Atlântico Sul) e no NRP Lis, foi ajudante-de-campo do governador-geral da Índia e, a bordo do transporte NRP Pero de Alenquer, prestou assistência às vítimas do terramoto de 1926 que naquele ano abalou o Faial. Viajou extensamente pelas colónias portuguesas do Extremo Oriente e África. A 15 de Dezembro de 1932 foi feito Oficial da Ordem Militar de Avis.[2]

Em 1936 fez parte da Missão Hidrográfica das Ilhas Adjacentes, organismo encarregue de fazer o levantamento dos mares dos Açores e Madeira. Paralelamente frequentou a Escola Superior Colonial. A 10 de Abril de 1940 foi elevado a Comendador da Ordem Militar de Avis.[2]

Em 1941 assumiu em Ponta Delgada o comando do contratorpedeiro NRP Lima, cargo que manteve até 1945. A bordo do Lima participou em várias operações de salvamento de navios torpedeados nos mares dos Açores no decurso da Segunda Guerra Mundial. Enquanto comandante do contratorpedeiro Lima e durante um dos salvamentos o seu navio sofreu uma inclinação de 67º. Este feito único na história da navegação está descrito na obra "O Nosso Navio". A 19 de Novembro de 1941 foi feito Comendador da Ordem Militar de Cristo.[2]

Como oficial superior, iniciou uma fase da sua carreira dedicada à administração colonial, sendo Governador da Guiné Portuguesa entre 25 de Abril de 1945 e Janeiro de 1949[1]. Em 1946 foi promovido a Capitão de fragata.[1] A 29 de Abril de 1947 foi feito Comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.[2]

No início da sua governação da Guiné, destaca-se a "Missão de Estudo e Combate à Doença do Sono na Guiné", as "Comemorações do V Centenário da Descoberta da Guiné" e o "Diploma dos Cidadãos" (Diploma Legislativo n.º 1364, de 7 de Outubro de 1946) que reformulou o "Diploma dos Assimilados".[3][1]

Em 1950 integrou o Governo de António de Oliveira Salazar como Ministro das Colónias (a partir de 1951, Ministro do Ultramar), tendo nessas funções implementado uma vasta reforma da administração colonial portuguesa e visitado o Extremo Oriente, o Sueste Asiático e a África. A 10 de Dezembro de 1954 foi elevado a Grande-Oficial da Ordem Militar de Cristo, a 15 de Julho de 1955 foi elevado a Grã-Cruz da mesma Ordem e a 12 de Junho de 1957 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Império.[2] Entre 1961 e 1964 foi governador-geral de Moçambique. A 9 de Dezembro de 1961 foi elevado a Grã-Cruz da Ordem Militar de Avis e a 24 de Março de 1962 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.[2] Em sua homenagem, foi criado pela Academia da Marinha o Prémio Almirante Sarmento Rodrigues[4]

Faleceu em Lisboa em 1979.

Publicou extensa obra sobre assuntos navais, de defesa e de administração colonial. É autor de Os Ancoradouros das Ilhas dos Açores, um roteiro detalhado dos mares e costas do arquipélago, resultado da sua experiência no comando do contratorpedeiro Lima em comissão nos Açores durante a Segunda Guerra Mundial.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Os maometanos no futuro da Guiné Portuguesa, 1948.
  • Presença de Moçambique na vida da Nação, Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1964.
  • Os Ancoradouros das Ilhas dos Açores, Instituto Hidrográfico, Lisboa, 1970.[5]
  • Alguns aspectos dos nossos problemas do Ultramar, Porto : Centro de Estudos e Formação Imperial, 1952.
  • Aos Portugueses da Índia : alguns discursos proferidos e mensagens enviados pelo Ministro do Ultramar… Sarmento Rodrigues…, Divisão de Publicações e Biblioteca, Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1954.
  • O Capitão César Maria de Serpa Rosa (1899-1968): inspector-superior chefe da Administração Ultramarina (1899-1968), Lisboa.
  • Filipe Gastão de Almeida d'Eça ; apontamentos biográficos., Lisboa, Agência-Geral do Ultramar , 1969.
  • Description de la côte occidentale d'Afrique : (Senegal au Cap de Monte, Archipels) par Valentin Fernandes (1506-1510) ; préface, Sarmento Rodrigues . - Bissau : [s.n.] , 1951 (Lisboa : Sociedade Industrial de Tipografia)
  • Esperanças e realidades da vida portuguesa : (discursos, conferências, estudos) : 1950-60, Lisboa : Centro de Estudos Históricos Ultramarinos, 1965.
  • Evolução recente da política africana, Lisboa : [Sociedade Industrial Gráfica] , 1960.
  • João Rodrigues Cabrilho : Achegas para a sua biografia, pelo Visconde de Lagoa. Prefácio do Comodoro Sarmento Rodrigues . - Lisboa : Agência Geral do Ultramar : [Paulino Ferreira, Filhos] , 1958.
  • No governo da Guiné : discursos e afirmações, Lisboa : Agência Geral das Colónias , 1949.
  • Portugal na Índia : discurso proferido na Assembleia Nacional em 1 de março de 1950, Agência Geral do Ultramar, Divisão de Publicações e Biblioteca, Lisboa : [s.n.] , 1954 (Paulino Ferreira, Filhos, imp.)
  • Nelson's heroic life, Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1962.

Referências

  1. a b c d e «Do Governo da Guiné (1945-1948) ao último plenário do Conselho Ultramarino (1962)». Cultura Revista de História e Teoria das Ideias. Consultado em 25 de junho de 2018.. Cópia arquivada em 2 de junho de 2018 
  2. a b c d e f «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Manuel Maria Sarmento Rodrigues". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 4 de abril de 2015. 
  3. António E. Duarte Silva (2006). «Guiné-Bissau: a causa do nacionalismo» (pdf). Cadernos de Estudos Africanos 2006, (9-10). Consultado em 25 de junho de 2018.. Cópia arquivada em 25 de junho de 2018 
  4. «Prémio Almirante Sarmento Rodrigues». Eurocid. Consultado em 25 de junho de 2018.. Cópia arquivada em 25 de junho de 2018 
  5. Trata-se de um clássico que qualquer amante das coisas náuticas que queira conhecer os Açores necessita de ler. A obra aparece com um prefácio datado de bordo do contra-torpedeiro "Lima" em comissão nos Açores no ano de 1942, tendo sido objecto de reedições revistas e actualizadas em 1958 e 1967. Em 1970, foi lançada uma reimpressão da edição de 1967.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Adriano Moreira, Alberto Cutileiro, Alberto Ribas Lopes Praça, et al., Almirante Sarmento Rodrigues, 1899-1979: testemunhos e inéditos no centenário do seu nascimento, Academia de Marinha e Câmara Municipal de Freixo de Espada à Cinta, Lisboa, 1999.
  • Nuno Sotto Mayor Ferrão, "Aspectos da vida e obra do Almirante Sarmento Rodrigues (1899-1979), Mirandela, Edição CM-Freixo de Espada à Cinta, 1999.
  • Idem, O pensamento colonial de Sarmento Rodrigues como ministro das colónias (1950-1955), Lisboa, Tese de Mestrado de História Contemporânea, 1997.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Ricardo Vaz Monteiro
Governador da Guiné Portuguesa
1945 - 1950
Sucedido por
Raimundo António Rodrigues Serrão
Precedido por
Pedro Correia de Barros
Alto comissário e governador-geral de Moçambique
19611964
Sucedido por
José Augusto da Costa Almeida