Manuel de Araújo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Manuel de Araújo
Nascimento 11 de outubro de 1970 (50 anos)
Quelimane
Cidadania Moçambique
Alma mater
Ocupação político, economista

Manuel A. Alculete Lopes de Araújo (Quelimane, Zambézia, Moçambique, 11 de outubro de 1970) é um cientista político, economista e político moçambicano.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos, carreira acadêmica e profissional[editar | editar código-fonte]

Manuel de Araújo nasceu a 11 de outubro de 1970 na capital da província da Zambézia, Quelimane. Araújo cursou o ensino primário e secundário em sua cidade natal. Em seguida, mudou-se para Maputo onde estudou relações internacionais no Instituto Superior de Relações Internacionais (ISRI; actual Universidade Joaquim Chissano). Posteriormente iniciou seu mestrado profissional na Universidade do Zimbábue, concluindo a pós-graduação na Universidade de Fort Hare e mestrado académico em economia na Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres. Araújo completou seu doutorado em economia na Universidade da Ânglia Oriental.[2]

Paralelamente após a sua carreira académica, leccionou em várias escolas secundárias e universidades de moçambicanas, incluindo a Escola Secundária 25 de Setembro, a Escola Secundária Francisco Manyanga, em sua alma mater Universidade Joaquim Chissano, no Instituto Superior de Ciências e Tecnologia de Moçambique (ISCTEM), na Universidade Maputo (UP) e na Universidade Politécnica..[2]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Araújo juntou-se ao partido de oposição RENAMO, que dominava a Zambézia, ainda em sua juventude. Nas eleições legislativas de 2004, concorreu a um mandato legislativo e foi eleito para a Assembleia da República de Moçambique contra 89 outros candidatos. Ele ocupou o mandato entre 2004 e 2009.

No decurso da crescente bipolarização do panorama político em Moçambique e das estruturas da RENAMO, por vezes tidas como autoritárias, vários membros do partido desentenderam-se com a liderança e fundaram o seu próprio partido, o Movimento Democrático de Moçambique (MDM). Manuel de Araújo também mudou da RENAMO para o MDM.

Em 2011, uma eleição suplementar local ocorreu, incluindo a cidade natal de Araújo, Quelimane. Araújo concorreu para presidente do Conselho Municipal e conseguiu deixar o candidato da FRELIMO para trás com 62,27% contra 37,72%..[2]

Nas eleições locais de 2013, a comissão eleitoral publicou inicialmente resultados que mostravam uma vitória da FRELIMO. Só depois de várias denúncias de fraude eleitoral estas foram corrigidas e Manuel de Araújo oficialmente confirmado como reeleito.[3][4]


Referências

  1. Johnson, Leo (2 de abril de 2013). «Quelimane: One Square Mile of Mozambique». BBC News (em inglês). British Broadcasting Corporation 
  2. a b c «Manuel de Araújo eleito Presidente do Município de Quelimane». A Verdade. 8 de dezembro de 2011. Consultado em 13 de setembro de 2015 
  3. «"STAE e CNE influenciaram ilicitamente as eleições no Gurué", diz Araúje». Deutsche Welle. 19 de março de 2014. Consultado em 13 de setembro de 2015 
  4. «MDM lidera na Beira e em Quelimane nas autárquicas em Moçambique». Deutsche Welle. 22 de novembro de 2013. Consultado em 13 de setembro de 2015 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Manuel de Araújo
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.