Manuela de Freitas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Manuela de Freitas
Nome completo Maria Manuela Gouvêa de Freitas
Outros nomes Manuela Freitas
Nascimento 4 de setembro de 1940 (78 anos)
Lisboa, Portugal
Nacionalidade portuguesa
Ocupação Atriz
Outros prémios
Prémio Bordalo (1969) (1971) Teatro
Prémio Garrett (1989) SEC
IMDb: (inglês)

Maria Manuela Gouvêa de Freitas, mais conhecida por Manuela de Freitas (Lisboa, 4 de setembro de 1940), é uma actriz portuguesa. Recebeu o Prémio Bordalo em 1969 e em 1971 na categoria de "Teatro" e o Prémio Garrett (1989) da Secretaria de Estado da Cultura, para "Melhor Interpretação Feminina".

Biografia[editar | editar código-fonte]

Maria Manuela Gouvêa de Freitas, mais conhecida por Manuela de Freitas,[1] nasceu em 4 de setembro de 1940, em Lisboa.[2]

No teatro, Manuela de Freitas iniciou-se no Teatro da Casa da Comédia, sob a direcção de Fernando Amado. Trabalhou com Mário Viegas e protagonizou Medeia (2006), de Eurípedes, encenado por Fernanda Lapa no Teatro Nacional D. Maria II.

Foi fundadora de "A Comuna - Teatro de pesquisa" em 1972, juntamente com João Mota, Carlos Paulo, Melim Teixeira e Francisco Pestana.

Manuela de Freitas recebeu por duas vezes o Prémio Bordalo, ambos como actriz na categoria de "Teatro". O primeiro, o Prémio da Imprensa (1969), como "Prémio Revelação" entregue pela Casa da Imprensa, em 1970, que também distinguiu também nessa ocasião, na mesma categoria os actores Carmen Dolores e João Perry, os encenadores Jorge Listopad (A Dança da Morte) e Norberto Barroca (Fando e Lis) e o autor Alves Redol a título póstumo. Dois "Prémios Especiais de Mérito" foram ainda atribuídos aos Grupos Cénicos das Faculdades de Direito e de Letras da Universidade de Lisboa. O segundo, o Prémio da Imprensa (1971), atribuído pelo seu desempenho em O Fim foi partilhado com a actriz Glória de Matos (Quem tem Medo de Virgínia Woolf) e entregue numa cerimónia de 1970 em que foram também homenageados os actores Rui de Carvalho, António Montez e Maria Vitória (Revelação), os encenadores Jorge Listopad (O Fim) e Carlos Avilez (Ivone, Princesa da Borgonha) e o cenógrafo Rui Mesquita (O Fim).[3]

No cinema, a actriz estreia-se nas filmagens de O Passado e o Presente, de Manoel de Oliveira.[2]

Manuela de Freitas recebeu Prémio Garrett (1989), da Secretaria de Estado da Cultura, para Melhor Interpretação Feminina, pela sua prestação na peça Final (1988).[4]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Ano Título Ref.
1961 O Marinheiro [4]
1962 O Morgado de Fafe [4]
1963 Verbo escuro + Regresso ao Paraíso [4]
1963 Deseja-se mulher [4]
1964 Invenção da descoberta [4]
1964 A reconstituição + As avestruzes [4]
1964 Recital Vicentino [4]
1966 A mulher do roupão [4]
1967 O fusível [4]
1969 A caixa de Pandora [4]
1969 Fando e Lis [4]
1969 Forja [4]
1970 A Celestina [4]
1970 A noite dos assassinos [4]
1971 O fim [4]
1971 O circo imaginário do Super-Basílio [4]
1972 Para onde is? [4]
1972 Feliciano e as batatas [4]
1973 Brincadeiras [4]
1973 Vamos para Maljukipi [4]
1974 A ceia I [4]
1974 A ceia II [4]
1974 A cegada [4]
1975 Era uma vez... [4]
1976 Fogo [4]
1976 O muro [4]
1977 Em Maio... [4]
1977 A mãe [4]
1978 Homem morto, homem posto [4]
1981 Cogumelos [4]
1982 A gaivota [4]
1983 O anúncio feito a Maria [4]
1984 A troca [4]
1985 Ricardo III [4]
1985 Pílades [4]
1985 O rei da vela [4]
1986 Pai [4]
1986 A sonata dos espectros [4]
1987 Um homem para qualquer pátria [4]
1988 Deus os fez...Deus os juntou [4]
1988 Material Medeia e Quarteto [4]
1988 Final [4]
1989 A pécora (Auto da paixão de Santa Melânia) [4]
1990 Um eléctrico chamado desejo [4]
1993 Primavera negra [4]
1993 Sete portas [4]
1994 A grande magia [4]
1994 O ensaio de um sonho [4]
1995 Bérénice [4]
1996 A margem da alegria [4]
1998 Um sonho [4]
1998 Quando passarem cinco anos [4]
2001 A tempestade [4]
2003 Jornada para a noite [4]
2006 Medeia [4]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano Título Ref.
1972 Fragmentos de um Filme Esmola [5]
1972 O Passado e o Presente [2][5]
1978 Veredas [5]
1979 Amor de Perdição [5]
1981 Francisca [5]
1985 O Sapato de Cetim [5]
1984 Ninguém Duas Vezes [5]
1986 À Flor do Mar [5]
1988 Agosto [5]
1989 Recordações da Casa Amarela [5]
1993 Coitado do Jorge [5]
1995 A Comédia de Deus [5]
1997 Le Bassin de J. W. [5]
1999 As Bodas de Deus [5]
2001 Frágil como o Mundo [5]
2003 Vai e Vem [5]

Referências

  1. «Certidão de lista de associadas da Audiogest» (PDF). IGAC/Ministério da Cultura. 25 de julho de 2007. Consultado em 16 de janeiro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 24 de dezembro de 2013 
  2. a b c «Cinema Português : Cronologia : 1940». Indica "O Passado e o Presente (1971)". Instituto Camões. 2003–2007. Consultado em 3 de outubro de 2017 
  3. «Prémios Bordalo». Em 1969 e 1971 denominado "Prémio da Imprensa". Presumida gralha "1973" para data de cerimónia. Sindicato dos Jornalistas. 22 de janeiro de 2002. Consultado em 22 de setembro de 2017 
  4. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb bc bd «Ficha de Pessoa : Manuela de Freitas». Centro de Estudos de Teatro & Tiago Certal. 24 de Janeiro de 2013. Consultado em 9 de outubro de 2017 
  5. a b c d e f g h i j k l m n o p «Pessoa : Manuela de Freitas». CinePT - Cinema Português (Universidade da Beira Interior). Consultado em 3 de outubro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um ator ou atriz de cinema é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.