María Zambrano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
María Zambrano
Zambrano late years.jpg
Nascimento 22 de abril de 1904
Vélez-Málaga, Espanha
Morte 6 de fevereiro de 1991 (86 anos)
Madrid, Espanha
Nacionalidade Espanha Espanhola
Ocupação Escritora e filósofa
Prémios Prémio Cervantes 1988
Magnum opus De la aurora

María Zambrano (Vélez-Málaga, 22 de abril de 1904 - Madrid, 6 de fevereiro de 1991) foi uma filósofa e escritora espanhola.

Foi a primeira mulher a ser agraciada com o Prêmio Miguel de Cervantes (1988)[1].

Esteve exilada em vários países da Europa e da América do Sul, tendo regressado a Espanha em 1984, após o término da ditadura.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Horizonte del liberalismo (1930)
  • Hacia un saber del alma (1934)
  • Filosofía y poesía (1939)
  • El pensamiento vivo de Séneca (1941)
  • Hacia un saber sobre el alma (1950)
  • Delirio y destino (escrito em 1953 e publicado em 1989)
  • El hombre y lo divino (1.ª edição: 1955. 2.ª, aumentada: 1973)
  • Persona y Democracia: Una historia sacrificial (1958, reeditado en 1988)
  • España, sueño y verdad
  • Los sueños y el tiempo (reeditada em 1998)
  • El sueño creador
  • Claros del bosque (1977)
  • La tumba de Antígona, (1967) (Mondadori España, 1989)
  • De la aurora (1986)
  • El reposo de la luz (1986)
  • Los bienaventurados (1979)
  • Para una historia de la piedad (1989)
  • Unamuno (escrito em 1940 e publicado em 2003)
  • Cartas de la Pièce. Correspondencia con Agustín Andreu (escrito nos anos 70 e publicado em 2002)
  • La confesión, género literario y método (Luminar: México, 1943; Mondadori: Madrid 1988 y Siruela: Madrid, 1995).

Referências

  1. «Biografía». Fundacion María Zambrano. Consultado em 5 de fevereiro de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.