Mara Gabrilli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde dezembro de 2016)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mara Gabrilli
Deputada Mara Gabrilli durante o Seminário do Dia Mundial de Doenças Raras, na Câmara dos Deputados (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Deputada Federal por  São Paulo
Período 1º de fevereiro de 2011
até atualidade
(2 mandatos consecutivos)
Vereadora de São Paulo
Período 1º de fevereiro de 2007
até 31 de março de 2011
Secretária da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida de São Paulo
Período 1º de abril de 2005
até 1º de janeiro de 2007
Vida
Nascimento 28 de setembro de 1967 (49 anos)
São Paulo, SP
Dados pessoais
Partido PSDB
linkWP:PPO#Brasil

Mara Cristina Gabrilli (São Paulo, 28 de setembro de 1967) é uma psicóloga, publicitária e política brasileira, e filiada ao PSDB.

Fundou em 1997 o Instituto Mara Gabrilli, que desenvolve programas de defesa de direitos das pessoas com deficiência, promove o Desenho Universal e fomenta projetos esportivos, culturais e pesquisas científicas. Mara comanda os programas de rádio Derrubando Barreiras: acesso para todos (Estadão/ESPN) e o Momento Terceiro Setor (Trianon AM). É colunista da revista TPM (Trip Editora) há doze anos, cujas 50 melhores crônicas foram reunidas no livro Íntima Desordem – os melhores textos na TPM (Arx/Versar). Também mantém colunas nos jornais Diário de São Paulo, Jornal da AME, Inclusão Brasil, na revista Sentidos (Escala) e nos portais Mobilize, Nextel, Vida Mais Livre, Congresso em Foco, Blog do Guilherme Bara e no site iSocial.

Ex-vereadora na Câmara Municipal de São Paulo (2007-2010) foi reeleita em 2008 como a mulher mais votada do Brasil com 79.912 votos. Foi a primeira titular da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida (2005-2007) da cidade de São Paulo.

Atualmente é deputada federal por São Paulo, eleita com 160.138 votos. Na Câmara dos Deputados é membro titular da Comissão de Educação e Cultura, é suplente da Comissão de Seguridade Social e Família e da Comissão do Plano Nacional de Educação (PNE), e integra a Frente Parlamentar Mista do Congresso Nacional em Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência.

Foi consultora do livro Vai encarar? - A Nação (quase) invisível das pessoas com deficiência (Melhoramentos), de Claudia Matarazzo, e colaborou com o capítulo: “Educação para Todos: uma questão de direitos humanos” no livro Educação 2010 – as mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores, entre participações em outras publicações. Em reconhecimento a sua atuação, em 2011, foi avaliada como a terceira melhor deputada federal por VEJA e o Núcleo de Estudos do Congresso, do Rio de Janeiro. Também foi eleita Paulistana do Ano (2007) pela revista Veja São Paulo, figurou entre os Cem Brasileiros Mais Influentes de 2008 das revistas Isto É e Época, e foi finalista do Prêmio Claudia na categoria Políticas Públicas.

Trajetória[editar | editar código-fonte]

Mara Gabrilli sofreu um acidente de automóvel, em 1994, que a deixou tetraplégica. Passou cinco meses internada – dentre os quais dois em respirador artificial – e recebeu uma nova condição para a vida: a impossibilidade de se mexer do pescoço para baixo.

Três anos depois, fundou uma organização não-governamental com o objetivo de melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência. Entre as conquistas recentes do Instituto Mara Gabrilli estão o projeto Cadê Você?, que localiza pessoas com deficiência em comunidades carentes e oferece recursos para melhorar sua qualidade de vida; o patrocínio da vinda de uma cientista indiana para trocar experiência com a pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) Lygia Pereira, o que resultou na primeira linhagem brasileira de células-tronco embrionárias, a BR-1; a ida de três atletas do IMG às Paraolimpíadas de Pequim e o projeto Natação Paraolímpica.

Como primeira titular da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida (SMPED), criada em abril de 2005, Mara desenvolveu dezenas de projetos na cidade de São Paulo em infra-estrutura urbana, educação, saúde, transporte, cultura, lazer, emprego, entre outros. Isso resultou no aumento de 300 para cerca de 3 mil do número de ônibus acessíveis; na reforma de 400 quilômetros de calçadas adaptadas, inclusive na Avenida Paulista, que se tornou modelo de acessibilidade na América Latina; na criação de 39 núcleos municipais de reabilitação e saúde auditiva; no emprego de mais de mil trabalhadores com algum tipo de deficiência; nas versões em braile ou áudio de todos os livros das Bibliotecas Municipais (Ler pra Crer); na ida de 14.000 pessoas com deficiência ao cinema, teatro e exposições; entre outros. Estes números só vêm crescendo nas gestões que a sucederam na Prefeitura.

Em atuação na Câmara Municipal de São Paulo, entre fevereiro de 2007 e janeiro de 2011, protocolou 60 projetos de lei. Sete foram aprovados e são Leis Municipais. Destacam-se os que criam os importantes programas para a metrópole como a Central de Intérpretes de Libras e Guias-Intérpretes para Surdocegos (Lei 14.441/2007); o que torna Lei o Programa Municipal de Reabilitação da Pessoa com Deficiência Física e Auditiva, determinando a implantação de novos serviços de reabilitação nas 31 subprefeituras (Lei 14.671/2008); o Plano Emergencial de Calçadas (PEC), que permite que a Prefeitura reforme e revitalize as calçadas em vias estratégicas onde estão localizados os serviços públicos e privados essenciais à população – correios, escolas, hospitais, etc (Lei 14.675/2008); a que cria o Programa Censo Inclusão, que prevê um levantamento detalhado com perfil sócio-econômico dos cerca de 1,5 milhão de pessoas com deficiência na capital paulistana (Lei 15.096/2010).

Com a experiência acumulada em ajudar a melhorar a vida das pessoas com deficiência na cidade de São Paulo, Mara decidiu expandir esse trabalho para todo o País e candidatou-se a deputada Federal. Como parlamentar pretende discutir e ampliar questões como inclusão educacional, acesso ao SUS, acessibilidade e pesquisas científicas em âmbito nacional: "Como vereadora esbarrava diariamente em questões de legislação nacional. São cerca de 30 milhões de brasileiros com algum tipo de deficiência e é preciso aumentar a conscientização das pessoas e realizar efetivas transformações, através de um trabalho específico nessa legislação."

Imbuída dessa missão, foi relatora da Medida Provisória 550/11, que permite à União conceder subvenção econômica para bancos federais em financiamentos de bens e serviços de tecnologia assistiva (aqueles destinados a pessoas com deficiência). Além disso, nesse primeiro ano de atuação na Câmara dos Deputados, Mara ainda contribuiu com emendas aos textos de outras Medidas Provisórias importantes, favorecendo a inclusão social e a acessibilidade nos programas Minha Casa, Minha Vida 2, PRONATEC, Cinema Perto de Você, Lei Geral da Copa 2014 e Plano especial de recuperação da rede física escolar pública.

Entre seus primeiros Projetos de Lei protocolados estão a obrigatoriedade de observância à Lei de Cotas para as empresas concorrentes em licitações públicas, a ampliação de serviços de saúde para pessoas com doenças neuromusculares no SUS e a oferta de almofadas contra úlcera de pressão no SUS, e a mudança no Código Brasileiro de Trânsito visando agravar a multa para quem utiliza irregularmente as vagas de estacionamento exclusivas para pessoas com deficiência, entre outros.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]