Marcel L'Herbier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marcel L'Herbier
Nascimento 23 de abril de 1888
Paris
Nacionalidade França Francês
Morte 26 de novembro de 1979 (91 anos)
Ocupação Escritor, produtor e realizador de cinema
IMDb: (inglês)

Marcel L'Herbier (Paris, 23 de Abril de 1888 ou de 189026 de Novembro de 1979) foi um escritor francês, produtor e realizador de cinema.

Enquanto escritor, escreveu peças de teatro, ensaios e poesia. Dedica-se depois totalmente ao cinema, fazendo parte do grupo denominado, Cinema Impressionista Francês[1]. Continua a escrever, aplicando-se em estudos de estética e teoria da sétima arte. É condecorado com a Legião de Honra da França.


Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi educado no Collège Stanislas de Paris e depois estudou Direito na Universidade de Paris. Cumprindo o serviço militar durante a Primeira Grande Guerra no Service Auxiliaire, é destacado para a secção de cinematografia do exército francês entre 1917 e 1918.

A sua carreira cinematográfica torna-se relevante a partir de 1912. Durante três anos, trabalhando com a empresa Gaumont, faz vários filmes da Série Pax, dos quais se destacam L'Homme du large e El Dorado. Funda a sua própria produtora em 1922, a Cinégraphic, empresa em que se formam cineastas como Alberto Cavalcanti e Claude Autant-Lara. Influenciado por Abel Gange, torna-se um dos elementos representativos da vanguarda francesa. Realiza em 1930 o seu primeiro filme sonoro.

É co-fundador em 1937 do sindicato de técnicos CGT, sendo seu Secretário Geral e seu último Presidente. Em 1943, com apoios governamentais, funda o IDHEC (Institut des Hautes Etudes Cinématographiques), sendo seu Presidente durante vinte e cinco anos, instituição superior de formação de realizadores e técnicos de cinema de Paris, que em 1986 se passará a chamar Femis (Fondation Européene des Métiers de l'Image et du Son). No IDHEC dá cursos de produção, história do cinema, teoria e crítica. Nessa instituição são formados cineastas como Louis Malle, Alain Resnais, Volker Schlöndorff, Jean-Jacques Annaud, Claude Sautet, Nelson Pereira dos Santos, Patrice Leconte, Costa Gavras.

A partir de 1952 e até 1962 dedica-se a produções de televisão. É pioneiro de programas culturais da televisão francesa (220 emissões) e trabalha também com a televisão do Luxemburgo e da Suíça. Colabora em jornais e contribui em 1953 para inaugurar a secção de cinema do jornal Le Monde. Deixa as suas memórias na obra La tête qui tourne (Cabeça às Voltas).

Enquadramento histórico[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade. Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

É no final da primeira década do Século XX, terminada a Primeira Grande Guerra, que Marcel L’Herbier se lança na carreira cinematográfica, cerca de uma dezena de anos depois de Marinetti ter publicado o primeiro manifesto futurista no jornal parisiense Le Fígaro, de 20 de Fevereiro de 1909. O Futurismo de Marinetti, de inspiração italiana, é o primeiro movimento vanguardista do início do século. Torna-se motor de outras vanguardas suas contemporâneas. L’Herbier entra em cena no final da «idade heróica» do movimento (1909 – 1918), quando as principais conquistas estéticas e teóricas se consolidam. Na sua idade madura (1918 – 1944), até à morte do seu fundador, o Futurismo confronta-se com vanguardas internacionais onde se vê reflectido. Nelas é transformado com o uso de novas técnicas, em novos enquadramentos teóricos e ideológicos.

O Futurismo italiano de Marinetti é indissociável do Futurismo russo, do Dadaísmo, do Surrealismo e de outros “ismos” fecundadores desses primeiros anos do século, como o Construtivismo ou o Cubismo.

A Art Déco é filha desta geração. Mantendo-a associada aos seus princípios genéticos, Marcel L’Herbier, filmando, tenta criar sinfonias «maquinais» em busca de um cinema puro. Uma das suas obras paradigmáticas é L’Inhumaine, «ambicioso projecto de vanguarda reunindo ilustres colaboradores : Alberto Cavalcanti, Claude Autant-Lara, Robert Mallet-Stevens, Fernand Léger para oscenários, Darius Milhaud para a música, Paul Poiret para cenários e guarda-roupa. A sequência frenética da montagem em planos curtos, em que os sons respondem a cores violentas (simples manchas de cores primárias impressas na película)» responde bem a essa exigência.

A influência que terá exercido na obra do então jovem cineasta português Jorge Brum do Canto, que lhe dedica o seu primeiro filme, a A Dança dos Paroxismos, parece ter sido mais por certas questões de princípio que por afinidades estéticas.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Filmes mudos

Filmes falados

  • L'Enfant de l'amour, 1929-1930
  • Le Mystère de la chambre jaune, 1930
  • Le Parfum de la dame en noir, 1931
  • L'Epervier, 1933
  • Le Scandale, 1934
  • L'Aventurier, 1934
  • Le Bonheur, 1934
  • La Route impériale, 1935
  • Veille d'armes, 1935
  • Les Hommes nouveaux, 1936
  • La Porte du large, 1936
  • Nuits de feu, 1936
  • La Citadelle du silence, 1937
  • Forfaiture, 1937
  • La Tragédie impériale, 1938
  • Adrienne Lecouvreur, 1938
  • Terre de feu, 1938
  • La Brigade sauvage, 1938
  • Children's corner, 1938 - Court-métrage, "Cinéphonie" sur la musique de * Debussy
  • Entente cordiale, 1939
  • La Mode rêvée, 1939 - Court-métrage
  • La Comédie du bonheur, 1940
  • Histoire de rire, 1941
  • La Nuit fantastique, 1942
  • L'Honorable Catherine, 1942
  • La Vie de bohème, 1943
  • Au petit bonheur, 1945
  • L'Affaire du collier de la Reine, 1946
  • La Révoltée, 1947
  • Les Derniers jours de Pompéï, 1948
  • Le Père de Mademoiselle, 1953

Televisão

  • Adrienne Mesurat, 1953
  • Zamore, 1954
  • Le Jeu de l'amour et du hasard, 1954
  • Les Fausses confidences, 1955
  • Le Ciel de lit, 1955

Fontes e referências[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.
  1. «French impressionist cinema». Wikipedia (em inglês). 21 de abril de 2016 
  2. «IMDB Eldorado» 
  3. «El Dorado (1921 film)». Wikipedia (em inglês). 29 de março de 2015 
  4. «L'Inhumaine». Wikipedia (em inglês). 16 de julho de 2016 
  5. «IMDB L'inhumaine» 
  6. «Feu Mathias Pascal». Wikipedia (em inglês). 9 de novembro de 2016 
  7. «IMDb Feu Mathias Pascal» 
  8. «Le Vertige». Wikipedia (em inglês). 6 de fevereiro de 2016 
  9. «IMDb Le Vertige» 
  10. «L'Argent (1928 film)». Wikipedia (em inglês). 25 de novembro de 2016 
  11. «IMDb L'argent»