Marcel Reich-Ranicki

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde setembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Marcel Reich-Ranicki
Marcel Reich-Ranicki em 2007
Nascimento 2 de Junho de 1920
Włocławek, Polônia
Morte 18 de Setembro de 2013 (93 anos)
Frankfurt am Main, Alemanha
Nacionalidade Alemanha Alemão
Página oficial m-reich-ranicki.de

Marcel Reich-Ranicki (Włocławek, 2 de junho de 1920Frankfurt am Main, 18 de setembro de 2013)[1] foi um crítico literário alemão, nascido na Polônia.

Notas biográficas[editar | editar código-fonte]

Educação em Berlim nos anos 30, anos do Nazismo[editar | editar código-fonte]

A partir de 1929, Marcel e sua família passam a viver em Berlim. Ali frequentou o liceu Fichte Gymnasium, onde em 1937 concluiu o Abitur (exame de conclusão dos estudos secundários). Um bom aluno, Marcel candidatou-se à Universidade Humboldt de Berlim mas a sua matrícula foi recusada devido à sua origem judaica.

Deportação para a Polónia[editar | editar código-fonte]

Em 1938, Marcel foi deportado para a Polónia, concretamente para Varsóvia onde, como os demais judeus, foi obrigado a viver no Gueto de Varsóvia. Ali conheceu sua mulher Teofila (diminutivo Tosia). Em 1943 conseguiu fugir do Gueto juntamente com a sua mulher, escapando à deportação para os campos de extermínio. Com esta fuga salvou-se do Holocausto. Seus pais foram assassinados no campo de extermínio de Treblinka. Seu irmão e outros familiares pereceram igualmente no Holocausto. Marcel e Tosia viveram o resto da Guerra escondidos em casa de uma família polaca protectora, não judia. Para passar o tempo, Marcel entretinha os seus anfitriões, pessoas simples, com histórias que contava de memória. Fazia resumos daquilo que se lembrava do rei Lear ou Hamlet de Shakespeare, o Werther de Goethe e muitos outros romances e histórias de que se lembrava.

Pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Finda a Segunda Guerra Mundial, Marcel trabalhou na embaixada da Polónia em Londres. Mais tarde, os seus livros foram proibidos na Polónia.

  • Entre 1960 e 1973 foi crítico literário dos semanários alemães Hamburger Wochenzeitung e Die Zeit
  • Entre 1973 e 1988 foi o director da redação literária do jornal diário alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Morre Marcel Reich-Ranicki, o "papa" da crítica literária alemã. Deutsche Welle (18 de setembro de 2013). Página visitada em 18 de setembro de 2013.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.