Marcelo Calero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marcelo Calero
Ministro da Cultura do Brasil
Período 24 de maio de 2016
até 18 de novembro de 2016
Presidente Michel Temer
Antecessor(a) Juca Ferreira
Sucessor(a) Roberto Freire
Secretário de Cultura do Rio de Janeiro
Período 15 de janeiro de 2015
até 18 de maio de 2016
Prefeito Eduardo Paes
Antecessor(a) Sérgio Sá Leitão
Sucessor(a) Júnior Perim
Dados pessoais
Nascimento 7 de julho de 1982 (35 anos)
Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Alma mater Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Profissão Diplomata

Marcelo Calero Faria Garcia[1] (Rio de Janeiro, 7 de julho de 1982[2]) é um diplomata e político brasileiro. Foi filiado ao PSDB em 2010, ano em que concorreu a deputado federal.[3] Em 2016, foi Ministro da Cultura do governo Michel Temer.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou no Colégio Santo Inácio,[5] formou-se em direito na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e tem passagens pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e pela Petrobras.[6] A partir de 2007 começou a atuar como diplomata e chegou a trabalhar na embaixada brasileira do México.[6] Concorreu a deputado federal pelo PSDB em 2010, obtendo 2.252 votos.[7] Foi secretário de cultura da Prefeitura do Rio de Janeiro em 2015, depois de ter sido presidente do Comitê "Rio 450", órgão criado pela prefeitura para organizar a celebração do 450º aniversário da cidade, desde 2013.[6] Deixou a secretaria municipal para assumir a Secretaria de Cultura do Ministério da Educação, que foi separada do MEC e voltou a ser Ministério (MinC).[8][9]

Em 18 de novembro de 2016 pediu demissão do cargo de Ministro da Cultura, por recentes divergências com membros do governo Michel Temer, especialmente Geddel Vieira Lima.[4]

Calero afirmou à Polícia Federal que teria sido pressionado por Geddel, Temer e outros membros do governo para rever decisão do Iphan negando licença para um empreendimento imobiliário na Bahia no qual adquiriu um apartamento.[10][11][12] Geddel negou a acusação[13] e o porta-voz do governo Temer negou pressionar o ex-ministro a tomar decisão que "ferisse normas internas ou suas convicções", apesar de confirmar reuniões de Temer e Calero para "solucionar impasse" com Geddel.[14]

Referências

  1. Nome completo que está na PORTARIA Nº 316, DE 14 NOVEMBRO DE 2016, conforme Diário Oficial da União. Nº 221, sexta-feira, Seção 2, 18 de novembro de 2016. ISSN 1677-7050
  2. «Marcelo Caléro (2010)». UOL. Consultado em 30 de maio de 2016 
  3. Vanessa Kannenberg. «Quem é Marcelo Calero, que foi de vidraça a estilingue no governo Temer». Zero Hora. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  4. a b Paulo Gama, Natuza Nery, Daniel Carvalho, Gustavo Uribe e Lucio Bernardo Jr. (18 de novembro de 2016). «Ministro da Cultura, Marcelo Calero, pede demissão do governo». Folha. Consultado em 18 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2016 
  5. «Planalto anuncia Marcelo Calero para o comando da Secretaria da Cultura». Política. 18 de maio de 2016 
  6. a b c «Veja a trajetória política de Marcelo Calero, ex-ministro de Temer». G1 Rio. G1.com. 25 de novembro de 2016. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  7. «Marcelo Caléro (4560/PSDB) - Políticos do Brasil - UOL Notícias». noticias.uol.com.br. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  8. Matoso, Filipe (18 de maio de 2016). «Planalto anuncia Marcelo Calero para o comando da Secretaria da Cultura». G1. Consultado em 24 de maio de 2016 
  9. «Recriação do MinC é publicada em edição extra do Diário Oficial». G1. 23 de maio de 2016. Consultado em 24 de maio de 2016 
  10. Andreza Matais, Marcelo de Morais (24 de novembro de 2016). «Veja a íntegra do depoimento do ex-ministro Marcelo Calero à PF». Coluna do Estadão. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  11. «Fora do governo, Calero acusa Geddel de pressioná-lo para liberar obra - 19/11/2016 - Poder - Folha de S.Paulo». m.folha.uol.com.br. Consultado em 20 de novembro de 2016 
  12. «'Não desejo isso para ninguém', diz Calero sobre pressão de Geddel». Política. 19 de novembro de 2016 
  13. «Geddel reconhece que tratou de projeto com Calero, mas nega pressão - 19/11/2016 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 22 de novembro de 2016 
  14. Luciana Amaral e Fernanda Calgaro (24 de novembro de 2016). «Temer procurou Calero para resolver 'impasse' com Geddel, diz porta-voz». G1. Globo.com. Consultado em 25 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Juca Ferreira
Ministro da Cultura do Brasil
2016
Sucedido por
Roberto Freire