Marcha para o Oeste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Marcha para o Oeste (EUA).
Cartaz da década de 1930 incentivando a população brasileira a se mudar para a recém-fundada capital do estado de Goiás, Goiânia.
Mapa da densidade demográfica do Brasil em 2008. A Marcha para o Oeste representou um aumento significativo da população do cerrado brasileiro, sem no entanto promover o equilíbrio da distribuição populacional no país, que ainda hoje se encontra concentrada nas regiões próximas ao litoral.

A Marcha para o Oeste foi uma política pública engendrada pelo governo de Getúlio Vargas durante o Estado Novo (1937-1945) a fim de desenvolver e integrar as regiões Centro-Oeste e Norte do Brasil que até aquele momento apresentavam uma baixa densidade demográfica, bem diferente ao que ocorria na região litorânea brasileira.[1] No início da década de 40, praticamente todos os 43 milhões de habitantes do país estavam concentrados no litoral e viam o interior do próprio país como algo exótico. A região não passava de uma enorme e inexplorada mancha na geografia brasileira.[2]

Fora isso, havia por detrás dessa política a criação de um sentimento de nacionalidade e de pertencimento dessas áreas em toda a população brasileira. A noção de "vazio" territorial atualizava o conceito de "sertão", entendido como um espaço abandonado que desde as denúncias de Euclides da Cunha vinha preocupando as elites brasileiras interessadas em construir uma nação.[3]

Para tal empreendimento, Vargas precisava conhecer bem o território a ser integrado, assim, criou-se uma série de entidades com o intuito de produzir informações para o desenvolvimento das ações do governo, como o Conselho Nacional de Geografia, o Conselho Nacional de Cartografia, o Conselho Nacional de Estatística e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), este de 1938[4]. Essas agências ajudariam o Estado a formular e implementar suas políticas destinadas a vencer os "vazios" territoriais e a pouca interação da rede urbana.[5]

A forma de integração entre as regiões e as cidades que o governo federal optou naquela ocasião foi o transporte terrestre, portanto, a criação em 1937 do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER) indica sem dúvida a importância das estradas como instrumento de comunicação entre as regiões e as cidades.[6]

Foi assim que, em 1940, Vargas lançou a chamada "Marcha para o Oeste", como uma diretriz de integração territorial para o país. E o fez durante os festejos de inauguração da cidade de Goiânia.[7]

A realização da marcha, além de conquistar o apoio da população contou com a ajuda de empresários paulistas que fizeram doações às diversas expedições para reconhecimento do solo convencidos pelo discurso nacionalista, de relembrar as bandeiras dos séculos passados. A lembrança das bandeiras serviu de inspiração para diversos participantes da Marcha ao sertão. Inclusive em várias propagandas da época, nota-se a retomada do mito da colonização. Era como se o Brasil estivesse sendo recolonizado por Vargas.[8]

A colaboração intelectual ao programa de Getúlio Vargas contou com uma publicação do poeta paulista Cassiano Ricardo intitulada Marcha Para Oeste: a influência da bandeira na formação social e política do Brasil, editada em 1940. Era uma versão mítica do Estado Nacional, em que Cassiano faz uma analogia entre a organização das bandeiras (século XVI) e a do Estado Novo.[9]

A ação política concreta do Estado Novo se fez sentir com a criação dos territórios federais em 1943: Amapá, Rio Branco (atual Roraima), Guaporé (atual Rondônia), Iguaçu e Ponta Porã. O governo federal atuou também na região de colonização do norte do Paraná, o que deu origem a uma série de novas cidades como Londrina, Maringá, Cianorte, Umuarama.[10]

Destaca-se dentro da "Marcha para o Oeste" também a Expedição Roncador-Xingu que foi planejada para conquistar e desbravar o coração do Brasil. Iniciada em 1943, o movimento adentrou o Brasil-Central, desvendou o sul da Amazônia e travou contato com diversas etnias indígenas ainda desconhecidas. Uma epopéia sensacional, que entrou para a História como das maiores aventuras do século 20 em todo o mundo. Na liderança, três irmãos que marcaram este período da história nacional: Leonardo, Cláudio e Orlando Villas Bôas.[11]

As linhas mestras da "política territorial" - políticas de povoamento, regulando o deslocamento populacional, de transporte e de comunicação - do governo Vargas seriam retomadas posteriormente por Juscelino Kubitscheck. A construção de Brasília pode ser entendida como uma nova "Marcha para o Oeste", já que deslocou populações (os chamados "candangos", principalmente migrantes nordestinos) para os sertões e possibilitou que os equipamentos da vida urbana chegassem a uma região que os desconhecia. Mais que isso, levou o poder central para o interior e serviu para iniciar um processo de deslocamento da modernização brasileira do Centro-Sul para o Centro-Oeste.[12]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Marcha para o oeste do Brasil - História». InfoEscola. Consultado em 5 de junho de 2020 
  2. «A Marcha para o Oeste – A maior aventura do século 20 – Rota Brasil Oeste». Consultado em 5 de junho de 2020 
  3. «A conquista do oeste | CPDOC». cpdoc.fgv.br. Consultado em 5 de junho de 2020 
  4. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, CPDOC. «Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)». Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 4 de junho de 2020 
  5. «A conquista do oeste | CPDOC». cpdoc.fgv.br. Consultado em 5 de junho de 2020 
  6. «A conquista do oeste | CPDOC». cpdoc.fgv.br. Consultado em 5 de junho de 2020 
  7. «A conquista do oeste | CPDOC». cpdoc.fgv.br. Consultado em 5 de junho de 2020 
  8. Arrais, Matheus Eurich (2016). «A MARCHA PARA O OESTE E O ESTADO NOVO: A CONQUISTA DOS SERTÕES» (PDF). Universidade Nacional de Brasília: Artigo de conclusão de curso (graduação em História). Consultado em 4 de junho de 2020 
  9. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, CPDOC. «Cassiano Ricardo». Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 4 de junho de 2020 
  10. «A conquista do oeste | CPDOC». cpdoc.fgv.br. Consultado em 5 de junho de 2020 
  11. «A Marcha para o Oeste – A maior aventura do século 20 – Rota Brasil Oeste». Consultado em 5 de junho de 2020 
  12. «A conquista do oeste | CPDOC». cpdoc.fgv.br. Consultado em 5 de junho de 2020 


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História do Brasil é um esboço relacionado ao Projeto História do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.