Marcio Scavone

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Marcio Scavone (São Paulo, 8 de dezembro de 1952) é um fotógrafo brasileiro.

Scavone começou a fotografar ainda criança com a Rolleiflex de seu pai, Rubens Teixeira Scavone) Aos 20 anos já era um fotógrafo de publicidade. Na década de 70 estudou fotografia profissional no Ealing College em Londres, experiência que deixou marcas profundas no seu olhar ainda em formação.

Nos anos 80 revelou-se como um dos maiores expoentes na cena da fotografia publicitária brasileira. Volta a residir e publicar na Europa nos anos 90 - Londres e Lisboa – onde seu trabalho pessoal floresce. Publicou então seu primeiro livro “E Entre a Sombra e a Luz”, uma viagem pelo mundo, o intimo e o geográfico, um encontro de texto e imagem com o romancista italiano Antonio Tabucchi. Seu segundo livro, Luz Invisível, consagrou seus retratos de celebridades e do homem comum, sua grife reconhecida na fotografia editorial brasileira, e trouxe texto do escritor Luiz Fernando Verissimo. Por suas lentes já passaram Oscar Niemeyer, Pelé, Fernanda Montenegro, Burle Marx, Jô Soares, Caetano Veloso, Fernando Henrique Cardoso entre outros. Fotografou ainda para o livro de retratos da Louis Vuitton, Rebounds, publicado em Paris em 1999. Figurou como um dos 50 fotógrafos no livro comemorativo de 50 anos das câmeras Hasselblad, Goteburg, Suécia, 1998. Suas obras figuram na coleção Pirelli/Masp e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e coleções particulares no Brasil e no exterior. Em Agosto de 2004 publicou “A Cidade Ilustrada“ um retrato colorido de sua cinzenta cidade natal através de seus grafittis de rua com uma exposição na Pinacoteca do Estado. Seu projeto mais recente, “Viagem à Liberdade” um livro e exposição sobre a presença japonesa em São Paulo foi publicado em forma de ensaio no National Geographic Magazine conquistando o prêmio de melhor texto e foto de material gerada fora dos Estados Unidos. Baseado no seu estúdio paulista, Scavone dedica-se à fotografia publicitária, editorial e a projetos pessoais.

Principais Obras[editar | editar código-fonte]

E Entre a Sombra e a Luz (1997)

Sinopse: Uma viagem de auto-descobrimento com a câmera pelo mundo intimo e o real, que levou o fotografo de Paris à Pequim, do Rio de Janeiro à Katmandu. Seu primeiro livro, com um conto inédito e inspirado nas fotografias, escrito pelo romancista italiano Antonio Tabucchi, encanta e comove pela honestidade e sensibilidade do olhar itinerante. Editora DBA


Luz Invisível (2002)

Sinopse: O livro que consagrou Scavone como maior retratista do Brasil. Nele, celebridades e desconhecidos dividem a mesma luz. Texto de Luis Fernando Veríssimo com o conto “É esta” onde situa o olhar do fotógrafo e discute com humor o mistério da escolha visual que todo fotógrafo enfrenta. Design: José Zaragoza e Giuliano Cesar. Editora DBA


Cidade Ilustrada (2004)

Sinopse: Uma investigação fotográfica da presença da arte do grafitti na cidade de São Paulo. Nas palavras do crítico Rubens Fernandes Jr.: "Scavone soube explorar com exatidão esses provocativos graffittis: Seja nos detalhes, seja registrando os contrastes entre o imaginário do ato criativo e o mundo visível; seja explorando as cores exuberantes e os tons que se conectam por proximidade. Design: Alexandre Suannes. Alice Publishing Editora


Viagem à Liberdade (2008)

Sinopse: Este livro é um retrato do espírito japonês pelos quarteirões, vielas, corredores, galerias, balcões de bar cheirando a saquê e cerveja e templos silenciosos,lojinhas de objetos curiosos com suas novidades eletrônicas a assinalar a passagem do tempo. São mais de cem fotografias(100 fotografados), impregnadas de um sentimento atemporal, portadoras de uma certa insegurança geográfica no mesmo golpe de vista. Será o mercado de peixes Tsukiji em Tókio? Kioto, Yokohama ou o que? Que cidade? Que tempo? Esta brincadeira de memória torna-se mais fascinante quando percebemos que todas elas foram feitas em 2007, num bairro cujo nome invoca o maior sonho da humanidade. Design: Eduardo Hirama. Alice Publishing Editora.

Posteriormente, foi publicado como ensaio na National Geographic Magazine premiado como melhor texto e foto de matéria realizada fora dos EUA. Em uma entrevista para a Fnac Marcio Scavone disse : ”...este projeto foi auto imposto. Decidi que queria contar a historia do bairro japonês de São Paulo nos seus 100 anos. Apaixonei-me pelas suas ruas, personagens e cenas. Também gosto da idéia de ser o fazedor de imagens e contar a historia com uma câmera. Isso sempre me seduziu”

Ligações externas[editar | editar código-fonte]