Marco Fábio Vibulano (cônsul em 442 a.C.)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Marco Fábio Vibulano, cônsul em 483 e 480 a.C.
Marco Fábio Vibulano
Cônsul da República Romana
Consulado 442 a.C.
433 a.C. (trib.)

Marco Fábio Vibulano (em latim: Marcus Fabius Vibulanus) foi um político da gente Fábia nos primeiros anos da República Romana eleito cônsul em 442 a.C. com Póstumo Ebúcio Helva Córnice. Ele é filho de Quinto Fábio Vibulano, cônsul em 467, 465 e 459 a.C., e irmão de Quinto Fábio Vibulano Ambusto, cônsul em 423 a.C. e tribuno consular em 416 e 414 a.C., e de Numério Fábio Vibulano, cônsul em 421 a.C.[1].

Consulado (442 a.C.)[editar | editar código-fonte]

Seu mandato ocorreu num período de tranquilidade em Roma, interna e externamente, tanto que Lívio só cita a estratégia adotada pelo Senado para restaurar aos aliados ardeatinos os territórios irregularmente anexados depois da intervenção de Públio Escápio na Assembleia das centúrias[2].

Batalha de Fidenas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Batalha de Fidenas (437 a.C.)

Em 437 a.C., na campanha militar contra Fidenas, que trocou sua aliança com Roma pela de Veios e faliscos, foi nomeado legado do ditador Mamerco Emílio Mamercino, encarregado de conduzir a campanha[3].

Na batalha, que resultou em vitória romana, Marco Fábio ficou com a tarefa de proteger o acampamento romano e conseguiu repelir um ataque da cavalaria etrusca de Tolúmnio[4].

Tribuno consular (433 a.C)[editar | editar código-fonte]

Marco Fábio foi eleito tribuno consular em 433 a.C. com Lúcio Sérgio Fidenato e Marco Fólio Flacinador, todos patrícios[5].

Durante seu mandato, Roma sofreu novamente com uma epidemia, especialmente na zona rural, o que resultou em fome. Os tribunos tentaram remediar a situação importando cereais da Sicília. Um templo dedicado a Apolo Sosiano foi projetado na esperança de limitar o alcance da fome, mas perdas de homens e animais ficaram críticas[5].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul da República Romana
SPQR.svg
Precedido por:
'Marco Gegânio Macerino II

com Tito Quíncio Capitolino Barbato IV

Marco Fábio Vibulano
442 a.C.

com Póstumo Ebúcio Helva Córnice

Sucedido por:
'Caio Fúrio Pácilo Fuso

com Mânio Papírio Crasso

Tribuno consular da República Romana
SPQR.svg
Precedido por:
'Caio Júlio Julo

com Lúcio Vergínio Tricosto

Marco Fábio Vibulano
433 a.C.

com Lúcio Sérgio Fidenato
com Marco Fólio Flacinador

Sucedido por:
'Lúcio Pinário Mamercino

com Espúrio Postúmio Albo Regilense
com Lúcio Fúrio Medulino


Referências

  1. Broughton 1951, p. 68.
  2. Lívio, "Ab Urbe Condita libri" IV, 11.
  3. Lívio, "Ab Urbe Condita libri" IV, 2, 17.
  4. Lívio, "Ab Urbe Condita libri" IV, 2, 19.
  5. a b Lívio, "Ab Urbe Condita libri" IV, 2, 25.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • T. Robert S., Broughton (1951). The Magistrates of the Roman Republic. Volume I, 509 B.C. - 100 B.C. (em inglês). I, número XV. Nova Iorque: The American Philological Association. 578 páginas