Marco Feliciano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marco Feliciano
Deputado federal por  São Paulo
Período 1º de fevereiro de 2011
até atualidade
Vida
Nascimento 12 de outubro de 1972 (44 anos)
Orlândia, São Paulo
Dados pessoais
Partido PSC
Profissão Pastor, escritor

Marco Antônio Feliciano (Orlândia, 12 de outubro de 1972) é um pastor da Catedral do Avivamento, uma igreja neopentecostal ligada à Assembleia de Deus, e deputado federal brasileiro. Eleito pelo Partido Social Cristão (PSC) em 2010 com 212 mil votos,[1] foi o segundo político evangélico com maior número de votos no país e o 12° entre os 70 deputados eleitos pelo estado de São Paulo."[2][3]

Foi eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados do Brasil, cargo que exerceu durante o ano de 2013, o que gerou controvérsia pelas diversas declarações polêmicas de Feliciano, principalmente em relação a temas como direitos dos homossexuais e direito ao aborto. Foi um dos únicos dez deputados que votou em plenário contra a cassação do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, em setembro de 2016.[4]

Além de pastor, Feliciano também é empresário,[5][6] autor de 18 livros,[6] e produtor de DVDs com mensagens de autoajuda que venderam cerca de 600 mil cópias.[7]

Carreira

Religião e estudos

De origem pobre,[6] Feliciano começou a pregar aos 19 anos[6] e tentou ser pastor da Igreja Assembleia de Deus em Belém, pois já era preletor havia muitos anos. Quando jovem e ainda não era oficialmente consagrado pastor por uma igreja, foi rejeitado por líderes religiosos da própria Assembleia de Deus e de outras igrejas pentecostais.[5] "No dia em que eu revelei para todo mundo que eu não era pastor, as portas se fecharam", afirmou Feliciano.[5]

Somente aos 26 anos, mesmo sem a consagração de pastor, obteve o reconhecimento da Assembleia de Deus quando subiu ao púlpito dos Gideões Missionários para pregar em 1999.[5] Aos 27 anos viajou para os Estados Unidos e lá foi consagrado pastor por Ouriel de Jesus.[5] Atualmente sua igreja possui 14 filiais.[5]

Feliciano estudou na Escola Estadual Diremo Luzini, em Orlândia, no interior do estado de São Paulo, e fez curso Técnico de Contabilidade (ETE – Alcídio Souza Prado).[8] É também bacharel em teologia pela Faculdade de Teologia de Boa Vista (Fatebov) e doutor em "Divindade/Artes da Teologia" pelo International Seminary Hosanna and Bible School, de Pompano Beach, Flórida, Estados Unidos.[9][10][11]

Política

Foi eleito pelo Partido Social Cristão (PSC) nas eleições parlamentares de 2010, com 212 mil votos.[1] Marco Feliciano foi o segundo político evangélico com maior número de votos no país e o 12° entre todos os 70 deputados eleitos pelo estado de São Paulo."[2][3]

Presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias

No dia 6 de março de 2013, Marco Feliciano foi eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados após ter sido indicado por seu partido, o Partido Social Cristão (PSC), para o cargo. A eleição ocorreu após os deputados Domingos Dutra (PT), Erika Kokay (PT), Jean Wyllys (PSOL), Luiz Couto (PT-PB) e Luiza Erundina (PSB) terem abandonado a sessão por não considerarem a indicação do pastor como condizente com os objetivos da comissão. Feliciano foi eleito por 11 votos a favor e um em branco pelos doze parlamentares que permaneceram na sessão.[12][13]

Marco Feliciano participa de audiência pública sobre ação da Polícia Federal na área indígena Munduruku, em novembro de 2012, ao lado do deputado Jair Bolsonaro (PP)

No início de abril de 2013, a CDHM aprovou um requerimento para realizar todas as suas reuniões a portas fechadas, para "manter a ordem necessária". A decisão veiom depois de uma série de protestos em todas as sessões anteriores da comissão presididas por Feliciano e depois que dois manifestantes foram presos por ordem do pastor, um deles por tê-lo chamado de "racista".[14]

Durante a sua presidência na comissão, por diversas vezes Feliciano tentou votar um projeto que anulava trechos de uma resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP), que proíbe os profissionais da área de psicologia de colaborarem com eventos e serviços que ofereçam tratamento para a homossexualidade e também veda manifestações que reforcem preconceitos sociais em relação aos homossexuais. No dia 18 de junho de 2013, durante uma sessão esvaziada, a CDHM conseguiu aprovar a proposta, apelidada pela imprensa do país de "cura gay". O relator do projeto, o deputado Anderson Ferreira, disse que as resoluções do CFP impedem a "liberdade de pensamento e de manifestação" dos profissionais da área psicologia. No entanto, a aprovação da proposta na comissão causou forte controvérsia. O deputado Simplício Araújo, o único a se posicionar de maneira contrária à aprovação do projeto durante a votação, afirmou: "Não existe tratamento para o que não é doença. A doença que temos de combater é a cara de pau de alguns políticos."[15] Em nome do CFP, o conselheiro Censo Tondin disse que "é absolutamente lamentável que uma comissão dessa natureza contrarie sua própria história e os direitos adquiridos por ela, e aprove uma resolução que vai de encontro aos preceitos científicos."[16] Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também repudiou a aprovação da proposta e afirmou ser "mais um dos absurdos cometidos pela chamada Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados" e que "é lamentável uma proposição como essa justamente no momento em que o país assiste a uma mobilização social [protestos de 2013] capaz de enfrentar práticas fundamentalistas e dar efetividade à defesa e garantia dos direitos humanos."[17]

Em meados de dezembro de 2013, o deputado deixou da presidência da CDHM.[18]

Críticas

A eleição de Feliciano para o cargo de presidente da CDHM foi alvo de protestos e polêmica[19] por conta das declarações controversas que o parlamentar costuma divulgar (ver acima),[20] além do fato de ele também defender a castração química de estupradores.[21]

Sobre essa eleição, o então presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), afirmou que "a situação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias se tornou insustentável". Roberto Gurgel, Procurador-geral da República, também afirmou que Feliciano "não é adequado" para ocupar o cargo na Comissão.[22]

A ONG Anistia Internacional afirmou em nota pública que "as posições claramente discriminatórias em relação à população negra, LGBT e mulheres, expressas em diferentes ocasiões pelo deputado Marco Feliciano, o tornam uma escolha inaceitável para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Proteção de Minorias. É grave que tenha sido alçado ao posto a despeito de intensa mobilização da sociedade em repúdio a seu nome."[23]

Manifestantes protestam contra a eleição do deputado Marco Feliciano como presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara.

O cantor Caetano Veloso também se manifestou sobre a eleição de Feliciano para a Comissão, dizendo que "não é admissível que essa Comissão de Direitos Humanos e de Minoria esteja sendo dirigida e presidida por um pastor que expressou nitidamente a intolerância, tanto da ordem sexual como racial."[24]

Um abaixo-assinado hospedado no site Avaaz.org reuniu mais de 450 mil assinaturas de pessoas que exigiam a renúncia de Feliciano do cargo de presidente da CDHM. Representantes da organização entregaram o documento aos líderes do PSC.[25] Em março, internautas iniciaram uma campanha denominada "Feliciano não me representa"[26][27] e mais de 150 lideranças evangélicas também assinaram uma carta aberta contra a posse do deputado no cargo na CDHM.[28]

A Comissão Brasileira Justiça e Paz (CBJP), órgão vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), classificou a eleição de Feliciano para a presidência da Comissão de Direitos Humanos como um "retrocesso", dizendo: "A imediata reação contrária à nova presidência da CDHM reforça a convicção de que a atuação da Comissão no parlamento não pode retroceder e que sua missão transcende os interesses particulares, tendo em vista que os objetivos da CDHM presumem uma interação constante com a sociedade civil."[29] A CNBB, entretanto, compartilha de entendimento semelhante ao de Feliciano no tocante à postura contrária ao casamento entre pessoas do mesmo sexo,[30] à adoção de crianças por casais homossexuais[31] e ao aborto.[32]

Em 29 de março de 2013, Marco Feliciano comentou os protestos contrários a ele durante um culto religioso na cidade de Passos, Minas Gerais, dizendo: "Essa manifestação toda se dá porque, pela primeira vez na história desse Brasil, um pastor cheio do Espírito Santo conquistou o espaço que até ontem era dominado por Satanás." A declaração do pastor causou controvérsia dentro da própria mesa-diretora da CDHM; a deputada Antônia Lúcia (PSC-AC), também evangélica, afirmou que iria renunciar ao seu cargo de vice-presidente da comissão por ter se sentido ofendida pela declaração do pastor. Em resposta, a assessoria de Feliciano disse que a afirmação foi feita dentro de um culto religioso e que essa é uma "opinião religiosa que reflete sua visão espiritual" do caso.[33]

Apesar das críticas, Feliciano recebeu também uma moção de apoio por parte de colegas da Assembleia de Deus.[34] Líderes evangélicos e internautas também organizaram a campanha "Marco Feliciano não renuncie", manifestando apoio ao pastor para que permanecesse na presidência da CDHM.[35]

O pastor Silas Malafaia, com quem Feliciano já chegou a ter divergências doutrinárias,[36] também demonstrou apoio à Feliciano e propôs capitanear uma mobilização evangélica em Brasília,[37][38] enquanto o deputado Jair Bolsonaro manifestou apoio ao deputado ao afirmar que se sente como "irmão" do presidente da comissão.[39]

O PSC também manifestou apoio à permanência do pastor na presidência da comissão após reunião e, devido à visibilidade que o partido ganhou com o caso, foi levantada a possibilidade de lançar Feliciano como candidato à presidência da república nas eleições de 2014.[40][41]

Controvérsias

Feliciano respondeu a uma ação penal por estelionato, aberta pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul no Supremo Tribunal Federal (STF), que provinha de uma acusação de que teria recebido 13 mil reais para realizar um culto no estado do Rio Grande do Sul sem ter comparecido ao evento.[42][43] Segundo o advogado de Feliciano, Rafael Novaes da Silva, o deputado não pôde comparecer ao evento, mas tentou devolver o dinheiro pago, o que primeiramente não foi aceito pelos organizadores. Posteriormente, segundo Silva, todo o valor teria sido ressarcido.[43] O STF absolveu o parlamentar neste caso.[44]

A revista Carta Capital, citando reportagem do jornal Correio Braziliense, fez uma denúncia dizendo que Feliciano "repassa verbas públicas para funcionários ligados a seus negócios particulares".[45]

O pastor também é investigado pela Polícia Federal (PF) por supostamente ter orientado um ex-assessor a mentir para a PF sobre a autoria do vídeo "Marco Feliciano Renuncia a CDHM", postado na internet, onde os deputados Jean Wyllys (Psol-RJ) e Erika Kokay (PT-DF), além de ativistas como Tatiana Lionço, Cris Oliveira e Toni Reis, são acusados de "incentivarem a pedofilia". O ex-assessor de Feliciano afirmou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo que era o autor do vídeo em questão e que o pastor teve acesso ao material antes de ir ao ar.[46]

Vídeos de cultos

Um vídeo que mostra o pastor pedindo a senha do cartão de crédito de um fiel de sua igreja foi divulgado. Nas imagens, Feliciano diz: "É a última vez que eu falo. Samuel de Souza doou o cartão, mas não doou a senha. Aí não vale. Depois vai pedir o milagre pra Deus, Deus não vai dar, e aí vai falar que Deus é ruim."[47] O parlamentar afirmou que "estava brincando" na ocasião para poder devolver o cartão, que segundo ele estava ali por engano, ao dono.[48]

Em abril de 2013 foi divulgado na internet uma filmagem de um culto religioso de 2005,[49] mostrando o pastor dizendo que o cantor britânico John Lennon foi castigado e morto por Deus por ter dito em certa ocasião que "Os Beatles são mais populares do que Jesus Cristo". Sobre a morte do cantor, assassinado em 1980 por Mark Chapman, Feliciano disse que se tratou de uma "vingança divina" e que "ninguém afronta Deus e sobrevive para debochar". No mesmo vídeo e ainda sobre o assunto, o pastor diz: "Eu queria estar lá no dia em que descobriram o corpo dele. Ia tirar o pano de cima e dizer: 'me perdoe John, mas esse primeiro tiro é em nome do Pai, esse é em nome do Filho e esse é em nome do Espírito Santo'."[50]

Em outro vídeo, mas no mesmo culto em que menciona John Lennon, o religioso fala sobre o grupo Mamonas Assassinas, dizendo que o vocalista da banda, o cantor Dinho, se "vendeu ao Diabo" por dinheiro. Sobre o acidente aéreo que matou todos os integrantes do grupo em 1996, Feliciano diz: "O avião estava no céu, região do ministro do juízo de Deus, lá na serra da Cantareira. Ao invés de virar para um lado, o manche tocou para o outro. O anjo pôs o dedo no manche, e Deus fulminou aqueles que tentaram colocar palavras torpes na boca das nossas crianças."[51] Hildebrando Alves, o pai de Dinho, disse que iria processar judicialmente o pastor e afirmou: "Ele (Marco Feliciano) é louco. Deus não mata ninguém, Deus é amor. O acidente que aconteceu foi uma fatalidade, eles viajavam muito de avião."[52] Cristiane Parreira Martins, a viúva do piloto do avião, que também é mencionado por Feliciano no vídeo, classificou o discurso do pastor como uma "pregação infeliz e inútil". "Neste momento, eu consigo sentir dó, pena de um comentário que chegou a me perturbar, como perturbou às minhas filhas. Mas a gente tem de ser superior nessa hora. [...] Se Deus, o Deus do Marco, queria tirar esse grupo que cantava músicas ‘inconsequentes’ - sei lá como ele chamou -, o que o meu marido tinha a ver com isso? Ele não cantava, era o piloto, estava trabalhando, com uma filha de 1 ano e uma de 3 anos em casa. A gente tem de acreditar que o mesmo Deus dele não é meu Deus", afirmou a viúva.[49]

Em outra filmagem divulgada no mesmo mês, o pastor afirma que o cantor Caetano Veloso, que é ateu, obteve sucesso com a canção "Sozinho" com o auxílio de "forças malignas" após um encontro com Mãe Menininha do Gantois, uma conhecida iyálorixá brasileira. No mesmo vídeo, ele diz que "o diabo tem uma Lady Gaga que canta e encanta", se referindo à cantora pop norte-americana.[53] Ambos os vídeos causaram forte polêmica, principalmente na internet, onde foram divulgados.[53]

Em um vídeo publicado na internet em abril de 2013, Feliciano faz fortes críticas à Igreja Católica e aos seus fiéis durante um culto religioso liderado por ele. No evento, cuja data não é informada, o pastor afirma que católicos "adoram Satanás" e que têm o corpo "entregue à prostituição" e "a todas as misérias dessa vida". Feliciano ainda classifica a religião católica como "morta e fajuta" e critica o costume católico de usar crucifixos de Jesus no pescoço. Embora afirme não ser homofóbico (ver abaixo), o pastor também menciona os homossexuais, ao dizer: "O meu Jesus não foi feito para ser enfeite de pescoço de homossexual, nem de pederasta, nem de lésbica."[54][55]

No final de 2013, novas filmagens durante o Congresso Missões dos Gideões, em Balneário Camboriú, Santa Catarina, mostram o pastor a afirmar que Jesus fez um homem doar o carro de sua esposa para a filha de Feliciano e afirmou: "Não é o carro que ela (Karen) quer, mas é um começo."[56][57] Após a morte do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela em 5 de dezembro de 2013, o deputado afirmou: "Quem mata uma criança, para mim, não é meu amigo. Então Mandela implantou a cultura que chamamos de cultura da morte dentro da África do Sul". Feliciano fez tais afirmações por conta da aprovação de leis de direito ao aborto na África do Sul durante a gestão de Mandela.[58] Ele também afirmou que processaria o coletivo de humor Porta dos Fundos por fazer um vídeo de paródia sobre o Natal.[59]

Declarações sobre africanos

Em março de 2011, Feliciano postou em sua conta na rede social Twitter frases que foram consideradas racistas por vários setores da sociedade, ao dizer: "Africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé. Isso é fato. O motivo da maldição é a polemica (sic). Não sejam irresponsáveis twitters. [...] A maldição que Noé lança sobre seu neto, canaã, respinga sobre continente africano, daí a fome, pestes, doenças, guerras étnicas!" (Feliciano defende uma das vertentes teológicas que afirma que os povos africanos negros vivem sob a chamada "Maldição de Cam", descrita no livro Gênesis da Bíblia e interpretada de várias maneiras, e de que essa seria a causa dos problemas socioeconômicos e políticos enfrentados pelo continente africano).[60] Para Roberlei Panasiewicz, teólogo da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, a afirmação de Feliciano é "fundamentalista".[61]

O jornalista Reinaldo Azevedo, que é de vertente política opositora de Feliciano e que criticava o pastor ao dizer que ele "é obra do PT", foi um dos primeiros a defendê-lo nesse caso e afirma que, ainda que o pastor esteja errado em sua afirmação, os "partidos de esquerda exageraram ao afirma[rem] que a frase foi racista, já que a frase não cita negros e sim africanos."[61] Ao opinar sobre o tuíte do deputado, Azevedo diz: "[...] é evidente, que o padrasto e a mãe de Feliciano são negros. Creio que ele não os considere, e a si mesmo, amaldiçoados, não é? Quando afirmei que aquele seu tuíte não era expressão de racismo, eu o fiz com base apenas no seu conteúdo e na referência bíblica. Agora, diante desse fato [os pais serem negros], a acusação fica ainda mais ridícula."[62]

O próprio Feliciano se defendeu das acusações durante uma entrevista concedida ao apresentador Danilo Gentili, no programa Agora É Tarde da Rede Bandeirantes: "Depois de me lincharem, estão acordando. Não sou racista, minha mãe é negra e fiz trabalhos na África."[63][64]

O Ministério Público Federal (MPF) abriu uma acusação contra Feliciano no STF pelo crime de induzir ou incitar discriminação ou preconceito de raça, cor e religião. Apesar de reprovar a conduta de Feliciano, a ação acabou por ser arquivada pela maioria dos ministros do Supremo, que entendeu que não há como tipificar as mensagens como crime.[65]

Declarações sobre homossexuais

Em outra publicação, mas sobre os homossexuais, Feliciano disse: "A podridão dos sentimentos dos homoafetivos levam (sic) ao ódio, ao crime, à rejeição. Amamos os homossexuais, mas abominamos suas práticas promíscuas", o que lhe gerou acusações de comportamento homofóbico.[66][67]

Os tuítes se tornaram alvo de um inquérito por discriminação aberto pelo então procurador-geral da República, Roberto Gurgel, no Supremo Tribunal.[43] Os ministros do STF absolveram Feliciano, ao argumentar que para haver punição pela conduta do deputado, seria preciso que a lei tipificasse o crime de homofobia, como propõe o Projeto de Lei 122. No entanto, o Supremo destacou a conduta do parlamentar como "reprovável".[68]

Durante um culto no município de Santarém, no Pará, no dia 29 de julho de 2013, o pastor mandou que seguranças expulsassem manifestantes LGBT que abriram uma bandeira do movimento gay durante o culto. Ao perceber ativistas gays no meio do público, Feliciano disse ao microfone: "Eu só vou fazer um pedido nesse momento, eu queria saber onde estão os policiais que estão aqui. Tem uma bandeira do movimento GLBT sendo sacudida aí, as pessoas tão atrapalhando o culto. Isso é proibido pela lei. Essas pessoas podem sair daqui presas e algemadas, agora! Semana passada eu já prendi dois. Isso aqui não é casa da mãe Joana! Isso aqui é uma igreja! Respeite essa igreja! Eu convidei vocês para receber uma oração e convidei vocês para participar do culto. Pra fazer baderna, vá fazer baderna na sua casa! Vá fazer baderna lá no antro de prostituição! Vá fazer baderna lá no quinto dos infernos! Aqui não! Aqui é um lugar de glória!"[69] De acordo com relatos do ativistas expulsos, antes da intervenção da polícia, os seguranças presentes no local os agrediram com tapas, socos e armas de choque. Os policiais miliares chegaram depois e, segundo os manifestantes, também usaram força desproporcional contra os ativistas. Três dos militantes foram presos. O Ministério Público Federal (MPF) abriu inquérito para investigar as denúncias de agressões.[70]

Em outro evento religioso realizado em setembro de 2013, no município de São Sebastião, São Paulo, o pastor mandou prender duas meninas que se beijavam no meio do público. "Essas duas precisam sair daqui algemadas!", disse o deputado no microfone enquanto policiais procuravam pelas garotas entre a plateia. Feliciano disse: "O que pensam os pais dessas meninas que vêm a um culto para beijar outra mulher? "Esses baderneiros terão o troco no ano que vem, pois seremos a maior bancada evangélica da história no Congresso", afirmou o deputado. O pastor também proferiu ameaças contra a imprensa, ao dizer: "Se os jornais publicarem matérias e derem razão para esses baderneiros, vou convocar uma grande manifestação nas portas desses jornais para protestarmos na próxima terça-feira". Ele se classificou como "perseguido" e "humilhado" pela mídia. Daniel Galani, o advogado das meninas presas afirmou que o ocorrido "foi uma afronta gravíssima aos direitos humanos e ao direito à livre expressão." Ainda segundo Galani, as estudantes não mantêm um relacionamento. "[Elas] Apenas se beijaram para se manifestarem contra a posição preconceituosa do deputado".[71]

Na entrevista concedida à Danilo Gentili, no entanto, o deputado afirmou em sua defesa: "Não sou homofóbico, isso é uma doença que pode levar a um assassinato. Quem me conhece sabe."[63] No mesmo programa, perguntado sobre o que faria se tivesse um filho homossexual, respondeu que "o amaria" e que "a gente morre por um filho".[72] Quando questionado, durante uma entrevista à revista Veja, sobre sua reação se tivesse uma filha homossexual, Feliciano afirmou que "ficaria triste", mas que "a amaria da melhor forma".[73]

Em entrevista à Folha, o religioso também salientou o que considera "caráter criminoso" dessas acusações: "Me chamar de racista, de homofóbico, isso é crime [...] Eu não fui condenado em nenhuma instância. Eu não fui julgado por nenhum tribunal. Eu estou sendo acusado por ter a minha livre liberdade de expressão, de opinião, de pensamento tolhido nesse momento porque, sendo brasileiro, não posso me expressar."[2]

Marina Silva, ex-ministra do meio ambiente, que apoia direitos gerados pela união estável, mas se opõe ao casamento entre pessoas do mesmo sexo,[74][75] posicionou-se contra a permanência de Feliciano na Comissão de Direitos Humanos e discordou das declarações de Feliciano sobre a união estável entre homossexuais em uma palestra na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), no Recife, mas salientou que "Feliciano está sendo mais hostilizado por ser evangélico que por suas declarações equivocadas." Marina Silva apontou que tal postura é um "jogo de injustiças" onde se tenta eliminar o preconceito contra gays criando um preconceito religioso. "Hoje, se tenta eliminar o preconceito contra gays substituindo por um preconceito contra religiosos", afirmou Marina.[76][77]

Declarações sobre mulheres

Durante uma entrevista para o livro Religiões e política; uma análise da atuação dos parlamentares evangélicos sobre direitos das mulheres e LGBTs no Brasil, o deputado fez uma declaração que causou repercussão negativa entre grupos de direitos das mulheres, ao dizer: "Quando você estimula uma mulher a ter os mesmos direitos do homem, ela querendo trabalhar, a sua parcela como mãe começa a ficar anulada, e, para que ela não seja mãe, só há uma maneira que se conhece: ou ela não se casa, ou mantém um casamento, um relacionamento com uma pessoa do mesmo sexo, e que vão gozar dos prazeres de uma união e não vão ter filhos. Eu vejo de uma maneira sutil atingir a família; quando você estimula as pessoas a liberarem os seus instintos e conviverem com pessoas do mesmo sexo, você destrói a família, cria-se uma sociedade onde só tem homossexuais, você vê que essa sociedade tende a desaparecer porque ela não gera filhos (sic)."[78]

Sobre a afirmação, Hildete Pereira de Melo, professora da Universidade Federal Fluminense (UFF) e pesquisadora de relações de gênero e mercado de trabalho, afirmou que Feliciano "é misógino e homofóbico" e que "atribuir aos homossexuais a responsabilidade pela destruição da família é um delírio."[78]

Acusação de estupro e agressão

O deputado também foi acusado de tentativa de estupro e agressão grave por uma jovem de 22 anos, chamada Patrícia Lelis, que era militante do PSC e frequentava a mesma igreja que o pastor. Ela alegava que Feliciano teria feito uma proposta para que se tornasse sua amante, com alto salário e cargo comissionado no partido dele. Depois da negativa da jovem, o pastor a teria agredido com um soco e tentado puxá-la pelo braço para a suíte dele. Ela então teria começado a gritar até que uma vizinha teria tocado a campainha para saber o que estava acontecendo. De acordo com a moça, o deputado ainda teria tentado apagar as mensagens trocadas com ela pelo WhatsApp. Em uma das conversas atribuídas ao deputado, ele teria dito: "Sabe do que eu tenho mais saudade? De te agarrar e ficar olhando a sua carinha linda de choro gritando 'não'." Em outra conversa pelo aplicativo de mensagens instantâneas, a jovem diz que ficou com os lábios roxos por conta da agressão e ele teria respondido: "Pelo amor de Deus, passa um batom!".[79][80]

Depois do vazamento de gravações, o chefe de gabinete do deputado federal, Talma Bauer, foi preso pela Polícia Civil para prestar esclarecimentos. Bauer era suspeito de ter forçado a jovem a gravar vídeos defendendo o deputado, para desmentir a denúncia que ela havia revelado.[81] Bauer negou as acusações, e foi liberado no dia seguinte.[82]

Após inquérito policial, a jornalista Patrícia Lelis, que acusava o pastor de agressão e estupro, foi presa pelos crimes de denúncia caluniosa e extorsão. De acordo com o delegado do 3º Distrito Policial, Luiz Roberto Hellmeister, essa não foi a primeira vez que a jornalista fez falsas acusações de estupro. No passado, ela também apontou um policial inocente como estuprador em Brasília. O delegado disse ainda que Pratrícia Lelis sofre de transtorno de personalidade histriônica e apresentou laudos de uma psicóloga que comprovam que a jornalista é mitomaníaca, uma doença que faz as pessoas mentirem compulsivamente. [83][84][85][86][87]

Militância virtual e criacionismo

Em fevereiro de 2014, o deputado Feliciano discursou na Câmara dos Deputados em defesa do blogueiro Olavo de Carvalho, em função das críticas que o mesmo recebe através das redes sociais.[88] Em seu discurso, o deputado dirigiu-se erroneamente à Olavo sob o título de doutor e o classificou como "um dos maiores filósofos do Brasil". Feliciano utilizou seu tempo na tribuna para acusar os partidos de esquerda de supostamente mobilizarem grupos na internet com a finalidade de "criar páginas falsas" que teriam o propósito de destruir a reputação do referido jornalista. O deputado ameaçou pedir que a Polícia Federal investigasse o caso, afirmando que "a tática serve os mais rasteiros ensinamentos bolcheviques", e ainda propôs a criação de uma lei para punir aqueles que fizessem "mau uso" da internet neste sentido.[89]

Em novembro de 2014, Feliciano apresentou no Congresso Nacional um polêmico projeto de lei que obriga o ensino do criacionismo cristão em escolas públicas e privadas do Brasil, em detrimento da evolução, consenso entre a comunidade científica internacional.[90] Posteriormente, constatou-se que este projeto é cópia de outro apresentado em 2007 na Assembleia Legislativa do Paraná pelo deputado estadual Artagão Junior.[91]

Livros

Ver também

Referências

  1. a b «PSC anuncia que Feliciano fica na Comissão de Direitos Humanos». O Globo. Consultado em 17 de maio de 2013. 
  2. a b c Transcrição da entrevista de Marco Feliciano à Folha e ao UOL
  3. a b Revista Época
  4. Líria Jade (13/09/2016). «Saiba como votou cada deputado na cassação de Eduardo Cunha (PMDB-RJ)». Portal EBC. Arquivado desde o original em 13/09/2016. Consultado em 13 de setembro de 2016. 
  5. a b c d e f Hoje famoso, pastor já foi rejeitado por líderes evangélicos
  6. a b c d Portal Terra, : (25 de março de 2013). «Conheça Marco Feliciano, que preside a Comissão de Direitos Humanos». Consultado em 19 de junho de 2013. 
  7. Ediouro (: ). «Marco Feliciano». Consultado em 22 de março de 2013. 
  8. Gospel prime (: ). «Marco Feliciano». Consultado em 17 de maio de 2013. 
  9. Portal Terra, : (27 de março de 2013). «Marco Feliciano acusa jornalistas de 'inventarem besteiras'». Consultado em 17 de maio de 2013. 
  10. Aryana Aragão. Partido Social Cristão (PSC), : . «Entrevista Pastor Marco Feliciano». Consultado em 17 de maio de 2013. 
  11. Faculdade de Educação Teológica de São Paulo, : (2006). «Pastor Marco Feliciano recebe diploma da Faculdade de Educação Teológica de SP». Consultado em 17 de maio de 2013. 
  12. Revista Fórum, : (7 de março de 2013). «Mesmo com resistências, Marco Feliciano se elege presidente da CDHM da Câmara». Consultado em 10 de agosto de 2013. 
  13. Câmara dos Deputados do Brasil, : (12 de março de 2013). «Líder diz que PT não é responsável por eleição de Pastor Feliciano». Consultado em 10 de agosto de 2013. 
  14. Camila Campanerut (3 de abril de 2013). Uol, : . «Comissão de Direitos Humanos fará todas as reuniões fechadas». Consultado em 3 de abril de 2013. 
  15. O Estado de S. Paulo, : (18 de junho de 2013). «Sob presidência de Feliciano, comissão aprova projeto da 'cura gay'». Consultado em 19 de junho de 2013. 
  16. O Estado de S. Paulo, : (18 de junho de 2013). «Conselho Federal de Psicologia lamenta aprovação da 'cura gay'». Consultado em 19 de junho de 2013. 
  17. Mariana Oliveira (19 de junho de 2013). G1, : . «Para OAB, aprovação de 'cura gay' por comissão é 'lamentável'». Consultado em 19 de junho de 2013. 
  18. Bob Fernandes (20 de dezembro de 2013). Portal Terra, : . «“Saída de Feliciano recupera a Comissão de Direitos Humanos, depois de ano quase nulo”, diz deputado Jean Wyllys». Consultado em 24 de dezembro de 2013. 
  19. Carta Capital, : (9 de março de 2013). «Grupos protestam contra pastor Marco Feliciano em várias cidades». Consultado em 10 de março de 2013. 
  20. Isabel Braga. «Pastor Marco Feliciano assume Comissão de Direitos Humanos». O Globo. 
  21. Evandro Éboli (8/03/13). «Pastor Feliciano defende castração química para estupradores». O Globo. 
  22. Tai Nalon e Erich Decat (21 de março de 2013). Folha de S. Paulo, : . «Presidente da Câmara mantém pressão por saída de Feliciano de comissão». Brasília. Consultado em 21 de março de 2013. 
  23. Anistia Internacional, : (25 de março de 2013). «Nota pública sobre a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados». Consultado em 25 de março de 2013. 
  24. Cássio Bruno (25 de março de 2013). O Globo, : . «Na ABI, Caetano Veloso e militantes pedem saída de Feliciano». Consultado em 25 de março de 2013. 
  25. Folha de S. Paulo, : (27 de março de 2013). «Organização vai entregar abaixo-assinado contra Feliciano ao PSC». Consultado em 7 de junho de 2013. 
  26. O Dia, : (22 de março de 2013). «Internautas criam campanha 'Feliciano não me representa'». Consultado em 10 de agosto de 2013. 
  27. Portal Terra, : (25 de março de 2013). «Campanha 'Feliciano não me representa' reforça protestos contra pastor». Consultado em 10 de agosto de 2013. 
  28. Isadora Peron (12 de março de 2013). O Estado de S. Paulo, : . «Evangélicos vão continuar campanha pela saída de Feliciano». Consultado em 10 de agosto de 2013. 
  29. Camila Campanerut (22 de março de 2013). Uol, : . «Órgão da CNBB chama de "retrocesso" ter pastor Feliciano na CDH». Consultado em 27 de março de 2013. 
  30. CNBB critica decisão do STF sobre os direitos para a união homossexual
  31. CNBB critica adoção de crianças por casais homossexuais
  32. Agência Brasil, : (21 de março de 2013). «CNBB diz que defesa do aborto é "criar mentalidade de violência"». Consultado em 7 de junho de 2013. 
  33. Folha de S. Paulo, : (1 de abril de 2013). «Ofendida por fala de Feliciano, deputada diz que vai deixar cargo em comissão». Consultado em 1 de abril de 2013. 
  34. «Feliciano recebe moção de apoio de colegas pastores». Folha de S.Paulo. 09/04/2013. Consultado em 17 de maio de 2013. 
  35. «Líderes evangélicos e internautas lançam campanha "Marco Feliciano não renuncie" e manifestam apoio ao pastor». Consultado em 17 de maio de 2013. 
  36. Leiliane Roberta Lopes. Gospel Prime, : . «Silas Malafaia critica carta aberta de pastores contra Marco Feliciano». Consultado em 10 de agosto de 2013. 
  37. «Pastor Silas Malafaia organiza marcha de apoio a Marco Feliciano em Brasília». Consultado em 17 de maio de 2013. 
  38. «Marco Feliciano espera apoio de líderes evangélicos em Brasília». O Globo. Consultado em 17 de maio de 2013. 
  39. «'Sou um soldado do Feliciano', afirma deputado Jair Bolsonaro». G1. 27/03/2013. Consultado em 17 de maio de 2013. 
  40. «Partido de Feliciano diz que vai lançar candidato à Presidência em 2014». Consultado em 17 de maio de 2013. 
  41. «Marco Feliciano projeta PSC, que já cogita disputar a Presidência». Zero Hora. Consultado em 17 de maio de 2013. 
  42. Bom Dia Brasil, : (8 de março de 2013). «Comissão de Direitos Humanos elege Marco Feliciano como presidente». Consultado em 20 de março de 2013. 
  43. a b c G1, : (7 de março de 2013). «Deputado Marco Feliciano responde por homofobia e estelionato no STF». Consultado em 20 de março de 2013. 
  44. Uol, : (22 de junho de 2014). «Por unanimidade, STF absolve Feliciano de acusação de estelionato». Consultado em 5 de outubro de 2014. 
  45. Carta Capital, : (11 de março de 2013). «Marco Feliciano usa mandato para beneficiar sua igreja e empresas, diz jornal». Consultado em 12 de março de 2013. 
  46. Marcelo Hailer (14 de fevereiro de 2014). Revista Fórum, : . «Jean Wyllys: "Marco Feliciano não vai ficar impune"». Consultado em 4 de março de 2014. 
  47. Folha de S. Paulo, : (7 de março de 2013). «Vídeo mostra pastor Marco Feliciano pedindo senha de cartão de fiel». Consultado em 23 de março de 2013. 
  48. Adriana Mendes (8 de março de 2013). «Marco Feliciano diz que ‘estava brincando’ ao pedir senha de cartão». O Globo. Consultado em 8 de março de 2013. 
  49. a b Portal Terra, : (22 de abril de 2013). «Viúva de piloto dos Mamonas Assassinas critica Feliciano». Consultado em 10 de agosto de 2013. 
  50. Jornal do Brasil, : (8 de abril de 2013). «‘Ninguém afronta Deus e sobrevive', diz Feliciano sobre morte de John Lennon». Consultado em 10 de abril de 2013. 
  51. Último Segundo/iG, : (8 de abril de 2013). «Feliciano diz que Deus ‘matou’ John Lennon e Mamonas Assassinas». Consultado em 9 de agosto de 2013. 
  52. Isadora Peron (15 de abril de 2013). O Estado de S. Paulo, : . «Pai de Dinho, do Mamonas Assassinas, vai processar Feliciano». Consultado em 9 de agosto de 2013. 
  53. a b O Globo, : (10 de abril de 2013). «Em novo vídeo, Feliciano insinua que Caetano Veloso fez pacto com diabo». Consultado em 10 de abril de 2013. 
  54. Guilherme Amado (15 de abril de 2013). Extra, : . «Marco Feliciano diz que católicos adoram Satanás e têm corpo ‘entregue à prostituição’». Consultado em 27 de setembro de 2013. 
  55. Charles Nisz (27 de setembro de 2013). Yahoo! Notícias, : . «Feliciano diz que “católicos adoram Satanás e têm corpo entregue à prostituição”». 
  56. Portal Terra, : (12 de dezembro de 2013). «Em vídeo, Feliciano diz que Jesus fez homem doar carro para sua filha». Consultado em 24 de dezembro de 2013. 
  57. Marco Prates (12 de dezembro de 2013). Revista Exame, : . «Feliciano diz que Jesus fez homem doar carro para sua filha». Consultado em 24 de dezembro de 2013. 
  58. Marcel Frota e Nivaldo Souza (16 de dezembro de 2013). IG, : . «'Nelson Mandela implantou a cultura da morte', diz Marco Feliciano». Consultado em 24 de dezembro de 2013. 
  59. Marcel Frota e Nivaldo Souza (22 de janeiro de 2014). Zero Hora, : . «Marco Feliciano processa "Porta dos Fundos"». Consultado em 23 de janeiro de 2014. 
  60. Gabriel Castro (1 de abril de 2011). veja.abril.com.br, : . «Deputado evangélico vê maldição sobre África». 
  61. a b The Christian Post
  62. Veja.abril.com - por Reinaldo Azevedo
  63. a b Portal Terra, : (29 de março de 2013). «Feliciano se diz bode expiatório e cobra Dilma: vai perder apoio evangélico». Consultado em 17 de maio de 2013. 
  64. Entrevista na Band
  65. Última Instância, : (12 de agosto de 2014). «Denúncia contra Feliciano por racismo é arquivada no STF». Consultado em 5 de outubro de 2014. 
  66. O Globo, : (31 de março de 2011). «Deputado federal Marco Feliciano faz coro às declarações de Bolsonaro e ataca negros e homossexuais». Consultado em 10 de março de 2013. 
  67. Revista Veja, : (31 de março de 2011). «Deputado liga negros a descendência amaldiçoada de Noé». Consultado em 10 de março de 2013. 
  68. Portal Terra, : (12 de agosto de 2014). «STF rejeita denúncia contra Feliciano por homofobia». Consultado em 5 de outubro de 2014. 
  69. G1, : (30 de julho de 2013). «Grupo protesta contra Marco Feliciano em evento evangélico no PA». Consultado em 5 de agosto de 2013. 
  70. Uol, : (5 de agosto de 2013). «MPF investiga se ativistas LGBT foram agredidos em evento com Feliciano no Pará». Consultado em 5 de agosto de 2013. 
  71. O Estado de S. Paulo, : (16 de setembro de 2013). «Marco Feliciano (PSC-SP) manda prender garotas que se beijaram em culto». Consultado em 16 de setembro de 2013. 
  72. Entrevista com Feliciano ao Gentilli
  73. Veja - Ricardo Setti
  74. Marina se declara contra casamento gay
  75. Marina Silva joga para eleitor decisão de legalizar aborto e maconha
  76. Marina Silva diz que Marco Feliciano é criticado por ser evangélico
  77. «Marina diz que Feliciano é criticado por ser evangélico». Revista Exame. 15 de maio de 2013. Consultado em 17 de maio de 2013. 
  78. a b O Globo, : (20 de março de 2013). «Marco Feliciano diz que direitos das mulheres atingem a família». Consultado em 20 de março de 2013. 
  79. Jorge Gauthier (3 de agosto de 2016). «Pastor Marco Feliciano é acusado de agressão sexual e estupro, afirma jornal». Correio. Consultado em 4 de agosto de 2016. 
  80. Da redação (3 de agosto de 2016). «Marco Feliciano é acusado de tentativa de estupro e agressão». Correio do Brasil. Consultado em 4 de agosto de 2016. 
  81. «Polícia de SP prende chefe de gabinete de Feliciano e cerca deputado». Política. Consultado em 2016-08-05. 
  82. «Após detenção em SP, chefe de gabinete de Marco Feliciano é liberado». G1. 06/08/2016. Consultado em 05/10/2016. 
  83. Tomaz, Kleber (06/09/2016). «Polícia pede prisão de jornalista por crimes contra assessor de Feliciano». Polícia pede prisão de jornalista por crimes contra assessor de Feliciano. G1. Consultado em 05/10/2016. 
  84. «Polícia pede prisão de mulher que acusou Marco Feliciano de estupro». O Dia. 06/09/2016. Consultado em 05/10/2016. 
  85. «Polícia pede prisão de jovem que acusa Feliciano de estupro». Veja. 06/09/2016. Consultado em 05/10/2016. 
  86. Hupsel Filho, Valmar (06/09/2016). «Polícia de São Paulo pede prisão de Patrícia Lelis». O Estado de São Paulo. Consultado em 05/10/2016. 
  87. «Caso Feliciano: Polícia de São Paulo pede a prisão de Patrícia Lélis». Huffpost Brasil. 06/09/2016. Consultado em 05/10/2016. 
  88. «Feliciano diz, na Câmara, que Olavo de Carvalho é “homem de palavreado bem polido”». 28 de fevereiro de 2014. Consultado em 17 de julho de 2016. 
  89. «Diário da Câmara dos Deputados» (PDF). 27 de fevereiro de 2014. Consultado em 6 de janeiro de 2015.  Páginas 148 e 149.
  90. Marco Feliciano (13 de novembro de 2014). «PL 8099/2014». Congresso Nacional do Brasil. Consultado em 16 de novembro de 2014. 
  91. Artagão de Mattos Leão Júnior (14 de ag/ref> "No dia em que eu revelei para todo mundo que eu não era pastor, as portas se fecharam", afirmou Feliciano.osto de 2007). «Projeto de lei 594/07». Assembleia Legislativa do Paraná. Consultado em 16 de novembro de 2014. 
  92. a b c d e f g Site oficial - livros

Ligações externas

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Marco Feliciano