Marcos 6

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alimentando os cinco mil, um dos episódios de Marcos 6.
Séc. XVI. Por Lamberto Lombardo, atualmente na Rockox House, em Antuérpia.

Marcos 6 é o sexto capítulo do Evangelho de Marcos no Novo Testamento da Bíblia. Neste capítulo, Jesus vai à Nazaré e enfrenta a rejeição de sua família. Em seguida, ele envia os apóstolos, dois a dois, para várias cidades da região e eles também enfrentam forte oposição. Finalmente, o capítulo termina com o relato de alguns dos mais famosos milagres de Jesus, inclusive o que ele anda sobre as águas.

Rejeição de Jesus em Nazaré[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Rejeição de Jesus em sua cidade

Marcos relata uma história — também encontrada em Mateus 13 (Mateus 13:53-58) e provavelmente Lucas 4 (Lucas 4:14-30) — sobre a rejeição que Jesus teve que enfrentar quando esteve em Nazaré. Seu povo questiona sua autoridade e acredita muito no Jesus e sua família, que conheceram no passado: «Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, de José, de Judas e de Simão? E suas irmãs não estão aqui entre nós?» (Marcos 6:3) Jesus responde que apenas em sua cidade, entre seus próprios parentes, "um profeta deixa de receber honra". Esta é a única vez que Maria é citada pelo nome em Marcos.

Os irmãos de Jesus são citados aqui — e em Mateus e provavelmente em Atos 12 (Atos 12:17) — pelo nome, mas não suas irmãs. Este capítulo, juntamente com Marcos 3 (Marcos 3:21, 31-35) pintam uma imagem muito negativa da relação de Jesus com seus familiares, embora outras fontes como Gálatas 1 (Gálatas 1:19) mostrem que pelo menos Tiago se envolveu ativamente com a igreja antiga depois da crucificação de Jesus.

Missão dos Doze e a morte de João Batista[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Morte de João Batista

Jesus então envia os doze apóstolos para diversas cidades da região, em pares, para curar os doentes e expulsar demônios. Segundo ele, os enviados devem levar apenas seus cajados e se qualquer cidade os rejeitar, «..saindo dali, sacudi o pó dos vossos pés em testemunho contra eles» (Marcos 6:11), o que é "...um gesto de desprezo e advertência".[1]

Jesus andando sobre as águas.
Vitral na Igreja de St Botolph without Aldersgate, em Londres.

Marco conta então sobre a morte de João Batista por ordem de Herodes Antipas. João condenou-o por ser casado com Herodias, a ex-esposa de seu irmão Filipe, e Herodes mandou prendê-lo. Com o objetivo de se vingar, Herodias fez sua filha Salomé dançar para Herodes em sua festa de aniversário. Ela então persuade o rei a matar João. Os discípulos de João recuperam o corpo e o sepultam. Este episódio também está em Mateus 14 (Mateus 14:1-12). Flávio Josefo relata que Herodes matou João para sufocar uma possível revolta, mas não cita exatamente o ano. Herodes Filipe morreu em 34 e Herodes Antipas, em algum momento depois de 40 após ter sido exilado para a Gália ou a Hispânia pelo Império Romano.

Alimentando a multidão e caminhando sobre as águas[editar | editar código-fonte]

Em seguida, Marcos relata dois dos mais famosos milagres de Jesus. Os apóstolos regressam para o Mar da Galileia e Jesus segue com eles num barco[a]. Quando eles desembarcam, o povo já estava esperando por eles. Jesus então prega (o relato não informa o que foi dito) e então alimenta a multidão de 5 000 pessoas multiplicando cinco pães e dois peixes em comida suficiente para todos (Marcos 3:37-44).

Depois, Jesus envia os discípulos num barco a frente até Betsaida. É noite e eles estavam na metade do caminho quando Jesus atravessa o lago caminhando para encontrar-se com eles. Eles ficam assombrados a princípio e acreditam tratar-se de um fantasma, mas Jesus se revela e embarca, maravilhando a todos os que presenciaram (Marcos 3:45-51).

Estes dois milagres aparecem também em João 6 (João 6:1-24) e Mateus 14 (Mateus 14:13-36). A multiplicação dos pães está também em Lucas 9 (Lucas 9:10-17)[b].

Genesaré[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Jesus curando em Genesaré

O grupo finalmente chega em Genesaré e o povo logo reconhece Jesus, levando até ele seus doentes de todas as formas. Eles imploram que Jesus os toque e pedem que ele permita-lhes Marcos 6:56[c] e todos que o fizeram foram curados. Jesus parecia disposto a ajudar todos os que pediam.[6] Raymond E. Brown argumenta que esta seção deixa os leitores suspeitando se este entusiasmo pela cura não seria a compreensão correta ou a verdadeira fé em Jesus.[7] Esta seção é, finalmente, um exemplo de como Marcos sumariza os eventos, ligando diversas histórias de Jesus em uma única descrição. O objetivo do autor era continuar demonstrando o poder de Jesus e, talvez, como os distúrbios na ordem pública que Jesus provocava representavam um perigo para as autoridades.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]


Precedido por:
Marcos 5
Capítulos do Novo Testamento
Evangelho de Marcos
Sucedido por:
Marcos 7
Tzitzits judaicas pendentes na roupa de um fiel. É possível que seja a isto que Marcos fazia referência.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. É possível que Marcos 6:30 seja a única vez que Marcos utiliza a palavra "apóstolo", que é frequentemente utilizada por Lucas e Paulo.[2] Veja também nota em Marcos 3 (Marcos 3:14).
  2. Jesus alimentando os 5 000 e a ressurreição parecem ser os dois únicos milagres relatados por todos os evangelhos canônicos.[3]
  3. Segundo a Enciclopédia Judaica,[4] Jesus vestia a Ẓiẓit (Mateus 9:20).[5] Segundo o "Greek-English Lexicon of the NT", de Walter Bauer, "κράσπεδον: 1. margem, borda, costura de um traje; 2. tassel (ציצת), que os israelitas eram obrigados a usar nos quatro cantos de seu manto exterior segundo Números 15 e Deuteronômio 22. É provável que o significado 1 seja o pretendido, mas o significado 2 também é possível, dependendo do quanto Jesus seguia a Lei Mosaica e também na forma que κράσπεδον era entendido pelos autores e primeiros leitores dos evangelhos.

Referências

  1. Miller 26
  2. «Strong's G652». Consultado em 3 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2012 
  3. Delbert Burkett (10 de julho de 2002). An Introduction to the New Testament and the Origins of Christianity. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 230. ISBN 978-0-521-00720-7. Consultado em 28 de agosto de 2012 
  4. Este artigo incorpora texto da Enciclopédia Judaica (Jewish Encyclopedia) (em inglês) de 1901–1906 (artigo "Jesus"), uma publicação agora em domínio público.
  5. «Strong's Concordance G2899». Consultado em 3 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2008 
  6. a b Kilgallen 124
  7. Brown 136

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]