Marcos Breda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Marco Antônio Dornelles Breda (Porto Alegre, 14 de outubro de 1960) é um ator brasileiro [1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

É graduado em Letras pela UFRGS (1990) e mestre em Teatro pela UNIRIO (1999).

Quando ainda era estudante, no início da década de 1980, Breda começou a trabalhar com teatro e fazer pequenas atuações em filmes realizados em Porto Alegre. Em 1983 passou a fazer parte do grupo teatral Vende-se Sonhos, com o qual participou das criações coletivas Trenaflor e Das duas, uma. Em 1985 integrou-se ao elenco do grande sucesso do teatro gaúcho Bailei na curva.

Em 1986, chamado para protagonizar, ao lado de Malu Mader, o filme Feliz Ano Velho, e pelo qual recebeu o prêmio de Melhor Ator no Festival de Gramado, mudou-se para São Paulo e, em seguida, para o Rio de Janeiro. Tornou-se conhecido em todo o país com a telenovela Mandala, da TV Globo.

Mesmo com dezenas de trabalhos em cinema e televisão, Marcos Breda nunca parou de fazer teatro. A partir de 2002, tornou-se um dos sócios da Caravana Produções Associadas, responsável pela montagem dos espetáculos Arlequim, servidor de dois patrões, um clássico da commedia dell'arte, com texto de Carlo Goldoni; A maldição do Vale Negro, com texto de Caio Fernando Abreu, que faz uma divertida sátira ao melodrama; e Farsa, uma colagem de textos de Cervantes, Tchékhov, Molière e Martins Pena.

Marcos Breda recebeu o Kikito de Melhor Ator de Curta-metragem em Gramado, por Sargento Garcia, em 2000. No mesmo ano, recebu o Prêmio Prawer/APTC por seu trabalho nos filmes Sargento Garcia e Dois filmes em uma noite. Em 2003, recebeu ainda o Prêmio Qualidade Brasil como melhor ator de comédia pela peça Arlequim, servidor de dois patrões.

Em 2009, integra o elenco da novela do horário das 19 horas, Caras & Bocas, interpretando o atrapalhado e covarde Pelópidas.

Em Novembro de 2010, Marcos Breda assina contrato com o SBT para participar de dez capítulos da novela Amor e Revolução, de Tiago Santiago [2].

Em Maio de 2013, Marcos Breda volta à TV Globo no seriado semanal Pé na Cova, de Miguel Falabella.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Na televisão[editar | editar código-fonte]

No cinema[editar | editar código-fonte]

  • 1982 - Às margens plácidas (super-8)
  • 1984 - Verdes anos .... Teco
  • 1984 - Me beija .... César
  • 1986 - Quero ser feliz
  • 1986 - O dia em que Dorival encarou a guarda (curta-metragem) .... apache
  • 1987 - Feliz Ano Velho.... Mário [4]
  • 1994 - Jogos (curta-metragem)
  • 1996 - Nós (curta-metragem)
  • 1997 - For All - O trampolim da vitória
  • 2000 - Dois filmes em uma noite (curta-metragem)
  • 2000 - Sargento Garcia (curta-metragem) … sargento Garcia
  • 2000 - O abajur lilás (curta-metragem)
  • 2001 - Colher de chá (curta-metragem)
  • 2002 - A encomenda (curta-metragem)
  • 2002 - Viva Sapato
  • 2003 - O refém (curta-metragem)
  • 2003 - My Father, Rua Alguém 5555 .... Samuel Lifton
  • 2004 - São João do Carneirinho (curta-metragem)
  • 2004 - O sebo (curta-metragem)
  • 2005 - Sal de prata .... Rudi Veronese
  • 2013 - Somos tão Jovens .... Dr. Renato

No teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1982 - Marat-Sade (direção Nestor Monastério)
  • 1982 - Trenaflor (Grupo Vende-se Sonhos)
  • 1984 - Mil e Uma Histórias (infantil, direção Nestor Monastério)
  • 1984 - Das Duas, Uma (Grupo Vende-se Sonhos)
  • 1985 - Bailei na Curva (direção Júlio Conte)
  • 1987 - De Repente, no Recreio (infantil, direção Karen Acioly)
  • 1988 - O Amigo da Onça (direção Paulo Betti)
  • 1990 - Retrato de Corpo Inteiro (direção Cláudio Torres Gonzaga)
  • 1991 - Os Gigantes da Montanha (direção Moacyr Góes)
  • 1992 - A Volta ao Lar (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 1992-93 - A Dama e o Vagabundo (infantil, direção Marcelo Saback)
  • 1993 - A Caravana da Ilusão (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 1994 - A Bela Adormecida (infantil, direção Chico Expedito)
  • 1994-95 - Bailei na Curva (remontagem, direção Júlio Conte)
  • 1995 - Como Diria Montaigne (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 1996 - O Mercador de Veneza (direção Amir Haddad)
  • 1996 - Roberto Zucco (direção Moacir Chaves)
  • 1997-98 - O Homem e a Mancha (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 1999 - Omelete (direção Hamilton Vaz Pereira)
  • 2000 - Luzes da Boemia (direção Aderbal Freire-Filho)
  • 2001 - Os Olhos Verdes do Ciúme (direção Caio de Andrade)
  • 2002-04 - Arlequim, Servidor de Dois Patrões (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 2004 - A Maldição do Vale Negro (direção Luiz Arthur Nunes)
  • 2006 - Arte (direção Alexandre Reinecke)
  • 2006 - Lavanderia Brasil (direção Moacir Chaves)
  • 2007 - Farsa (direção Luiz Arthur Nunes)

Referências

  1. SILVA NETO, Antônio Leão da: "Dicionário de astros e estrelas do cinema brasileiro", Imprensa Oficial, São Paulo, 2010, p. 75
  2. «Notícia sobre a contratação de Marcos Breda pelo SBT». Consultado em 19 de dezembro de 2010 
  3. Keila Jimenez (22 de agosto de 2014). «Nova série de Miguel Falabella, 'Sexo e As Negas' terá Marcos Breda como bicheiro; veja». Folha Online. Outro Canal. Consultado em 02 de setembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. Cinemateca Brasileira, Feliz Ano Velho [em linha]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]