Marcos Rolim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Marcos Rolim
Marcos Rolim em maio de 2010.
Deputado Federal
pelo Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul
Período 1 de fevereiro de 1999
até 1 de fevereiro de 2003
Deputado Estadual
do Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul
Período 1 de fevereiro de 1991
até 1 de janeiro de 1999
Vereador de Santa Maria BandeiraSantaMariaRS.svg
Período 1983 até 1988
Dados pessoais
Nome completo Marcos Flávio Rolim
Nascimento 16 de agosto de 1960 (58 anos)[1]
Porto Alegre, Rio Grande do Sul[1]
Alma mater Universidade Federal de Santa Maria[1]
Partido PT (1984-2009)[1][2]
PMDB (1981-1984)[1]
MDB (1975-1981)[1]
Profissão Jornalista, político e sociólogo[3][4]

Marcos Flávio Rolim[1] (Porto Alegre, 16 de agosto de 1960) é um jornalista, sociólogo e político brasileiro, que atua como professor universitário e consultor em segurança pública e direitos humanos.[5][6]

É formado em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), estudou doutorado e mestrado em sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e é professor da cátedra de direitos humanos do Centro Universitário Metodista (IPA).[7][6]

Foi vereador em Santa Maria entre 1983 a 1988 e foi eleito deputado estadual nas eleições de 1990 e 1994.[8] [9] Na Assembleia Legislativa, presidiu a Comissão de Cidadania e Direitos Humanos durante seis anos.[10] Em 1998, elege-se deputado federal com 54 mil votos.[11] Durante seu mandato na Câmara dos Deputados, presidiu a Comissão de Cidadania e Direitos Humanos e a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, foi vice-presidente da Comissão de Constituição e Justiça e vice-líder da bancada do Partido dos Trabalhadores.[1] Em 1999, recebeu o Prêmio UNESCO em Direitos Humanos no Brasil.[12] Nas eleições de 2002, não conseguiu ser reeleito.[13]

Mudou-se com a família para a Inglaterra em 2003, onde foi professor-visitante da Universidade de Oxford.[13][8] Em entrevista à Gazeta do Sul, concedida quando já tinha retornado ao Brasil, declarou que a militância havia lhe custado muito caro e que ter perdido sua reeleição como deputado federal foi "algo muito bom".[12]

Em 2009, desfiliou-se do Partido dos Trabalhadores.[5] Integrou a executiva da campanha presidencial de Marina Silva em 2010 e 2014.[14] Atualmente, é coordenador de Comunicação Social do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE-RS) e membro do Conselho Nacional de Política Criminal.[15][16][17] Também é articulista do jornal Zero Hora.[18]

Em março de 2010, recebeu o título de Cidadão Emérito de Porto Alegre, pela Câmara Municipal de Porto Alegre.[19]

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • 1980- “Hora do Povo: Uma Vertente para o Fascismo”, em co-autoria com Adelmo Genro Filho e Sérgio Weigert. São Paulo, Brasil Debates.[20]
  • 1993- “A Imitação da Política”, Porto Alegre, Editora Tchê.ISBN 853071232[21]
  • 1999- “Teses para uma Esquerda Humanista”, Porto Alegre, Sulina. ISBN 9788520502419
  • 2005- “Desarmamento: evidências científicas”, Porto Alegre, Palmarinca/Dacasa.[22]
  • 2006- “A Síndrome da Rainha Vermelha: policiamento e segurança pública no século XXI”, Rio de Janeiro, Zahar/Universidade de Oxford.ISBN  e ISBN 8571109176
  • 2008 – “Mais educação, menos violência. Caminhos inovadores do programa de abertura das escolas públicas nos fins de semana”.ISBN 9788576520757 Brasília, UNESCO, Fundação Vale.[23]
  • 2010 – “Bullying, o pesadelo da escola”. Porto Alegre, Editora Dom Quixote. ISBN 8599988212
  • 2012 – Inicia como articulista de Direitos Humanos no jornal Extra Classe, publicado pelo Sinpro/RS, com sede em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Referências

  1. a b c d e f g h «Marcos Rolim - PT/RS». Câmara dos Deputados do Brasil. Consultado em 7 de abril de 2015 
  2. Guilherme Kolling e João Egydio Gamboa (21 de setembro de 2009). «Candidatura de Marina forçará debate ambiental, avalia Rolim». Jornal do Comércio. Consultado em 7 de abril de 2015 
  3. «Estudo que aponta uso da maconha como terapia para derrotar o crack gera polêmica». Zero Hora. 2 de agosto de 2010. Consultado em 7 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  4. Taís Seibt (11 de agosto de 2013). «Necessidade de repensar as polícias civil e militar ganha força no parlamento, na academia e nas redes sociais». Zero Hora. Consultado em 7 de abril de 2015 
  5. a b «Uma introdução aos novos paradigmas em segurança pública». Centro Universitário Metodista. Consultado em 7 de abril de 2015 
  6. a b Daniel Cassol (8 de abril de 2011). «"O normal é que massacres assim se repitam", diz Marcos Rolim». Ig. Consultado em 7 de abril de 2015 
  7. «Marcos Rolim palestrará em aula magna na Faccat». Panorama. 21 de abril de 2014. Consultado em 7 de abril de 2015 [ligação inativa]
  8. a b «Resultado da eleição geral de 1990». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 7 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Marcos Rolim-9" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  9. «Cargo: Deputado Estadual». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 7 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  10. «"A Síndrome da Rainha Vermelha" apresenta as evidências mais recentes a respeito do crime e da violência». Sindsepers. Consultado em 7 de abril de 2015 
  11. «Deputados Federais eleitos». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 7 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  12. a b «Prêmio da Unesco ao deputado Rolim». Correio do Povo. 19 de 1999. Consultado em 7 de abril de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  13. a b Ricardo Düren (22 de setembro de 2010). «Rolim nem pensa em voltar à política». Gazeta do Sul. Consultado em 7 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  14. «Marco Rolim, da Rede: Votar em Dilma "para evitar o pior"». Viomundo. 13 de outubro de 2014. Consultado em 7 de abril de 2015 
  15. Guilherme Mergen (26 de julho de 2009). «Contra descontrole, especialistas defendem polícia integrada». Terra. Consultado em 7 de abril de 2015 
  16. «Marcos Rolim se prepara para assumir cargo no TCE». Zero Hora. 17 de novembro de 2009. Consultado em 7 de abril de 2015 
  17. «Conselho de Comunicação Social do TCE-RS é instalado». Jus Brasil. 2014. Consultado em 7 de abril de 2015 
  18. «Um jornal com cara de revista para o domingo». Zero Hora. 2 de maio de 2014. Consultado em 7 de abril de 2015 
  19. Câmara Municipal de Porto Alegre (19 de março de 2010). «Marcos Rolim recebe título de Cidadão hoje». Consultado em 9 de maio de 2018 
  20. «Hora do povo: uma vertente para o fascismo». Books Google. Consultado em 7 de abril de 2015 
  21. «A imitação da política: textos para uma crítica da burocracia». Books Google. Consultado em 7 de abril de 2015 
  22. «Desarmamento: evidências científicas : ou "tudo aquilo que o lobby das armas não gostaria que você soubesse"». Books Google. Consultado em 7 de abril de 2015 
  23. «Mais educação, menos violência : caminhos inovadores do programa de abertura das escolas públicas nos fins de semana». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 7 de abril de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]