Margot Fonteyn

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Margot Fonteyn
Nascimento Margaret Evelyn Hookham
18 de maio de 1919
Reigate
Morte 21 de fevereiro de 1991 (71 anos)
Cidade do Panamá
Cidadania Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda, Reino Unido
Cônjuge Roberto Arias
Alma mater
  • Royal Ballet School
Ocupação bailarina, coreógrafo, bailarina, designer de moda
Prêmios
  • Dama Comandante da Ordem do Império Britânico
  • Medalha de Benjamin Franklin (1974)
Empregador American Airlines
Causa da morte câncer ovariano

Margot Fonteyn DBE (nome de batismo: Margaret Evelyn Hookham; 18 de maio de 191921 de fevereiro de 1991) foi uma bailarina inglesa. Considerada uma das maiores bailarinas de todos os tempos, por toda sua carreira dançou com o Royal Ballet, sendo apontada como Prima Ballerina Assoluta da companhia pela rainha Elizabeth II.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de pai inglês e de mãe irlandesa descendente de brasileiros, sendo filha de um industrialista chamado Antonio Fontes. No começo de sua carreira, Margaret transformou Fontes em Fonteyn e Margaret em Margot.[2] Em 1931 entrou para a escola de balé do Sadler's Wells. Ninette de Valois e seu coréografo, Frederick Ashton, investiram em suas qualidades excepcionais: lírica, dramática, musical e suas proporções físicas perfeitas. Em 1935, Fonteyn tornou-se a primeira bailarina com apenas dezesseis anos, dançando juntamente com Robert Helpmann. Em A bela adormecida, Margot interpretou a Princesa Aurora, conduzindo o futuro Royal Ballet a um período de glória em sua nova sede, no Convent Garden (1946), e à sua primeira e famosíssima temporada em Nova Iorque (1949).

Sua maior contribuição artística deu-se ao lado de Ashton, pois era sua musa inspiradora e uma intérprete ideal a inúmeras criações do coréografo, entre as quais se destaca Ondine, de 1958. O ápice de sua parceria de dança com Michael Somes aconteceu durante a primeira visita do Royal Ballet à Rússia, em 1961.

Logo depois, Margot Fonteyn começou a dançar com o bailarino soviético exilado Rudolf Nureyev, vinte anos mais jovem do que ela. Fonteyn e Nureyev eram idolatrados até Margot se aposentar em 1979.

Em 1955, Margot casou-se com o diplomata panamenho Roberto Arias, filho de um ex-presidente panamenho. Arias ficou paralítico após ser baleado em 1964 por um antigo colega de partido que o suspeitava de ter um caso com a sua mulher. Depois que se afastou do palco, ela dedicou-se ao marido até a morte dele, em 1989, vivendo em sua fazenda no Panamá.

Antes de morrer, Margot Fonteyn foi homenageada, junto com Nureyev, como a grande dama do balé do século XX.

Referências

  1. «Ballerina Margot Fonteyn». a-england.co.uk. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  2. Fonteyn, Margot. Autobiography (New York: Alfred A. Knopf 1976), pp. 3–4, 50. ISBN-10: 039448570X.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]