Maria, Duquesa da Borgonha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maria
Imperatriz do Sacro Império Romano-Germânico
Duquesa da Borgonha, Brabante, Gueldres, Limburgo, Lothier, Baixa-Lorena e Luxemburgo
Retrato por Michael Pacher, c. 1490
Reinado 10 de fevereiro de 147727 de março de 1482
Consorte Maximiliano I do Sacro Império Romano-Germânico
Antecessor(a) Carlos, o Temerário
Sucessor(a) Filipe IV
 
Casa Valois (por nascimento)
Habsburgo (por casamento)
Título(s) Condessa de Artois, Charolais, Flandres, Hainaut, Holanda, Zelândia e Zutfen
Condessa Palatina da Borgonha
Marquesa de Namur
Nascimento 13 de fevereiro de 1457
Bruxelas, Bélgica
Morte 27 de março de 1482 (25 anos)
Bruges, Bélgica
Sepultamento Igreja de Nossa Senhora, Bruges, Bélgica
Filho(s) Filipe I de Castela
Margarida, Duquesa de Saboia
Francisco
Pai Carlos, Duque da Borgonha
Mãe Isabel de Bourbon

Maria de Borgonha (Bruxelas, 13 de fevereiro de 1457Bruges, 27 de março de 1482), cognominada a Rica, foi duquesa titular da Borgonha.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Maria nasceu nas terras do Palatinado, no castelo de Inmillen, nos arredores de Bruxelas, no dia 13 de fevereiro de 1457. Filha única do Duque da Borgonha, Carlos, o Temerário e de Isabel de Bourbon, herdou o ducado, aos 20 anos após ser apoiada pela nobreza territorial.

Era uma mulher de temperamento forte e decidido, tendo evitado contrair matrimônio, por um bom tempo. Maria enfrentou a pretensão de Luís XI, rei da França de anexar seus território e promulgou a carta " O Grande Privilégio", pela qual conseguiu expulsar os franceses do ducado e garantir seu próprio governo. Envolvida nas intrigas políticas francesas, enfrentou o rei Luís XI e fez com que este se rebaixasse diante do poderio borgonhês.

Obteve a anexação de Estrasburgo e de Foiunties.

Alguns historiadores dizem que teria vivido um caso de amor com o Conde de Brabante, com quem teria tido um filho bastardo, que permaneceu oculto e cujo paradeiro perdeu-se.

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

A família de Maximiliano I e Maria
Por Bernhard Strigel
Museu de História da Arte em Viena

Casou-se com Maximiliano I de Habsburgo, filho do imperador Frederico III, em 18 de agosto de 1477, na cidade de Gante. Nasceram dois filhos, que se uniram em casamentos, na mesma ocasião, à Casa de Trastâmara, ou seja, a filhos dos reis católicos Fernando II de Aragão e Isabel I de Castela.

  1. Filipe I de Castela (22 de junho de 1478 - 25 de setembro de 1506), casado com Joana de Castela. Por esse casamento, Maria foi avó do imperador Carlos V.
  2. Margarida de Áustria, duquesa de Saboia (10 de janeiro de 1480 - 1 de dezembro de 1530), que casou com João, Príncipe das Astúrias, irmão de Joana de Castela.
  3. Francisco (10 de setembro de 1481 - 26 de dezembro de 1481).

Maria tinha uma grande paixão por caça, maior ainda do que a da maioria dos homens da época. No dia 27 de março de 1482, apesar de estar já grávida do seu terceiro filho, Maria saiu para caçar nas proximidades da cidade de Bruges. No entanto, durante a saída, o cavalo descontrolou-se, fazendo com que Maria fosse embater com força numa árvore. Foi encontrada já quase inconsciente e levada para Bruges, onde morreu pouco depois.[1]

Referências

  1. Wheatcroft, Andrew (1995). "The Habsburgs - Embodying Empire" [S.l.: s.n.] p. 86. ISBN 0140236341. 
Precedida por:
Carlos, Duque da Borgonha
Blason FR Marie de Bourgogne.svg
Duquesa da Borgonha
com Maximiliano de Habsburgo

1477—1482
Sucedida por:
Filipe IV


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria, Duquesa da Borgonha