Maria Antónia da Áustria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria Antónia da Áustria
Princesa Eleitora da Baviera
Benjamin von Block 002.jpg
Retrato de Maria Antónia, Arquiduquesa da Áustria e Princesa Eleitora da Baviera, por Benjamim von Block
Reinado 1685–1692
Consorte Maximiliano II Emanuel, Eleitor da Baviera
Casa Habsburgo (por nascimento)
Witelsbach (por casamento)
Dinastia Habsburgo
Nascimento 18 de janeiro de 1669
  Viena, Áustria
Morte 24 de dezembro de 1692 (23 anos)
  Viena, Áustria
Filho(s) José Fernando da Baviera, Príncipe das Astúrias
Pai Leopoldo I do Sacro Império Romano-Germânico
Mãe Margarida Teresa de Habsburgo

Maria Antónia da Áustria em alemão: Maria Antonia Theresia Josefa von Habsburg (18 de janeiro de 166924 de dezembro de 1692) era a filha mais velha e único criança que sobreviveu do casamento do imperador Leopoldo I do Sacro Império Romano-Germânico com Margarida Teresa de Habsburgo. Por casamento tornou-se Princesa Eleitora da Baviera ao casar, em 1685, com Maximiliano II Emanuel, mas morreu prematuramente em 1692.

Infância[editar | editar código-fonte]

O seu nascimento é resultado endogamia crónica praticada pelos Habsburgos durante os séculos XVI e XVII. O seu pai Leopoldo era, simultaneamente, tio materno da mãe de Maria Antónia, bem como seu primo co-irmão. Além disso, os seus avós maternos (Filipe IV de Espanha e Mariana da Áustria), eram tio e sobrinha. Desde a infância, Maria Antónia foi uma jovem inteligente e culta, partilhando a paixão musical de seus pais.

O último Habsburgo de Espanha, o rei Carlos II, nunca teve geração. De acordo com as leis sucessórias espanholas, Maria Antónia seria a sua legítima sucessora se tivesse vivido o tempo suficiente, uma vez que era a única filha sobrevivente de Imperatriz Margarida Teresa, única irmã do rei Carlos II de Espanha. Durante a sua infância, ficou decidido que ela casaria com o seu tio materno, o rei Carlos II, mas este plano acabou por se gorar por circunstâncias políticas.

Como alternativa, pensou-se em casa-la com o Duque de Saboia, Vítor Amadeu II, projeto que também falhou.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Maria Antónia casou finalmente com Maximiliano II Emanuel, o Príncipe Eleitor da Baviera, em 15 de julho de 1685 em Viena. O casamento foi infeliz, mas nasceram três filhos, todos mortos na infância. Um deles, José Fernando da Baviera, teve grande importância no panorama politico europeu no final do século XVII, apesar de muito jovem, omo pretendente ao trono Espanha por antecipação à extinção do ramo espanhol da Casa de Habsburgo. A morte de José Fernando antes da do rei Carlos II, o último Habsburgo rei de Espanha, desencadeou a Guerra de Sucessão de Espanha. Se ele tivesse sobrevivido a Carlos, as potências europeias ter-lhe-iam permitido a sua ascensão ao trono de Espanha.

Descendência[editar | editar código-fonte]

  1. Leopoldo Fernando (Leopold Ferdinand) (22 de maio de 1689) morreu ao nascer;
  2. António (Anton) (19 de novembro de 1690) morreu ao nascer;
  3. José Fernando (Joseph Ferdinand) (1692–1699), Príncipe das Astúrias.

Ascendência[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Antónia da Áustria