Maria Capeto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Maria de França.
Maria Capeto
Selo de Maria de França
Condessa de Champanhe
Reinado 116417 de março de 1181
 
Cônjuge Henrique I de Champanhe
Descendência Henrique II de Champanhe
Maria de Champanhe
Teobaldo III de Champanhe
Escolástica, condessa de Mâcon e Vienne
Casa Capetiana (por nascimento)
Blois (por casamento)
Nascimento 1145
Reims, Champanha-Ardenas, Reino da França
Morte 11 de março de 1198 (53 anos)
Condado de Champanhe, Reino da França
Sepultamento Catedral de Meaux, Sena e Marne, Reino da França
Pai Luís VII de França
Mãe Leonor da Aquitânia


Maria Capeto, também conhecida como Maria da França e Maria de Champanhe (em francês: Marie; 114511 de março de 1198), foi a filha mais velha do rei Luís VII da França e de sua primeira esposa, Leonor da Aquitânia. Sua irmã mais nova foi Alice Capeto.

Biografia[editar | editar código-fonte]

O casamento de seus pais foi anulado, em 1152, e a custódia de Maria e de sua irmã foi dada a seu pai. Leonor casou com Henrique II de Inglaterra, e logo deixou a França. Em 1160, Luís VII casou-se com Adélia de Champanhe, e prometeu ambas suas filhas aos irmãos de Alice. Após seu engajamento, Maria foi enviada à abadia de Avenay, em Champanhe, para sua educação. Em 1164, casou com o irmão de sua madrasta, Henrique I de Champanhe, com quem teve quatro filhos.

Regente[editar | editar código-fonte]

Assumiu o cargo de regente de Champagnhe quando Henrique partiu em peregrinação à Terra Santa. Enquanto seu esposo se ausentava, seu pai morreu, e seu meio-irmão Filipe tornou-se rei. Ele confiscou as terras de sua mãe e casou-se com Isabel de Hainaut, que fora prometida ao filho mais velho de Maria, Henrique II. Isto levou Maria a se unir a um grupo de nobres descontentes, incluindo a rainha-mãe e o arcebispo de Reims, que conspiravam contra o rei. Todavia, as relações entre Maria e seu meio-irmão melhoraram.

Henrique voltou da Terra Santa, mas morreu quase que imediatamente. Agora uma viúva com quatro filhos, Maria considerou em se casar com Filipe I de Flandres, mas o noivado foi desfeito repentinamente por razões desconhecidas.

Após a morte de seu esposo, atuou como regente do condado até 1187, quando seu filho Henrique II atingiu a maioridade. Todavia, ele partiu em cruzada e, mais uma vez, tornou a reger até a morte de seu filho, em 1197. Ela então se retirou para o convento de Fontaines-les-Nones, perto de Maux.

Maria é lembrada hoje principalmente por seu papel na heresia que foi alvo da cruzada albigense. Foi também patrocinadora da literatura, abrigando escritores como André Capelão, que fez parte de sua corte, e Chrétien de Troyes. Ela foi letrada em francês e latim e tinha sua própria biblioteca.

Família[editar | editar código-fonte]

Maria tinha muito contato com sua irmã Alice e com seus meios-irmãos, frutos dos outros casamentos de seus pais. Ricardo I de Inglaterra lhe dedicou um poema escrito durante seu encarceramento. Tinha também um relacionamento próximo com a terceira filha de seu pai, Margarida, que casou com o jovem Henrique Plantageneta, sendo assim tanto sua meia-irmã como sua cunhada. Depois da morte de Henrique, em 1185, Margarida passou a viver na corte de Maria e, juntas, atenderam ao funeral de Godofredo da Bretanha.

Existe muita controvérsia sobre se ela e a mãe se visitavam, uma vez que não há documentos que o afirmem, embora seja bem possível na verdade. Elas poderiam ter se encontrado na época em que Leonor teve sua própria corte em Poitiers ou quando ela viajou da Sicília, para onde levara Berengária de Navarra para se casar com Ricardo, assim como em outras ocasiões. Ao saber das mortes de sua irmã Margarida e de seu filho, cujas mortes ocorreram muito próximas uma da outra, na Terra Santa, ficou desonsolada, vindo a falecer três meses depois. Seu corpo foi sepultado na Catedral de Meaux. No entanto, seu túmulo foi destruído durante a Reforma Protestante.

Henrique I de Champanhe e Maria tiveram quatro filhos:

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • WHEELER, Bonnie. Eleanor of Aquitaine: Lord and Lady, 2002
  • EVERGATES, Theodore. Aristocratic Women in Medieval France, 1999
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedida por:
Matilde da Caríntia
Brasão do Condado de Champanhe
Condessa consorte de Champanhe

1164 - 17 de Março de 1181
Sucedida por:
Isabel I de Jerusalém
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Capeto