Maria Isabel de Alcântara Bourbon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Maria Isabel
Condessa de Iguaçu
Cônjuge Pedro Caldeira Brant
Descendência Isabel dos Santos
Luís de Alcantâra Caldeira Brant
Pedro de Alcântara Caldeira Brant
Deulinda dos Santos
Maria Teresa Caldeira Brant
Isabel Maria dos Santos
João Severino de Alcântara Caldeira Brant
Nascimento 28 de fevereiro de 1830
  São Paulo, Brasil
Morte 06 de setembro de 1896 (66 anos)
  São Paulo, Brasil
Enterro Cemitério da Consolação, São Paulo
Pai Pedro I do Brasil
Mãe Domitília de Castro e Canto Melo

Maria Isabel de Alcântara Bourbon[1] (São Paulo, 28 de fevereiro de 1830São Paulo, 5 de setembro de 1896) foi a quinta e última filha do imperador imperador D. Pedro I do Brasil e de sua amante, Domitília de Castro e Canto Melo, a marquesa de Santos.

Maria Isabel recebeu o mesmo nome que sua quarta e falecida irmã, a duquesa do Ceará, morta com dois meses de vida em 1828. Sua irmã mais velha, Isabel Maria, era titulada como duquesa de Goiás. Recebeu vastas terras de seu meio-irmão Dom Pedro II do Brasil, dentre elas destacam-se vários pastos e cabeças-de-gado em Juiz de Fora, Ouro Preto, em seus distritos de Antônio Pereira, Cachoeira do Campo, Lavras Novas e Amarantina. Além de terras em Congonhas, Moeda e Mariana.

A condessa de Iguaçu segurando um de seus filhos, c.1852

No dia 2 de setembro de 1848, aos dezoito anos, Maria Isabel desposou Pedro Caldeira Brant, conde de Iguaçu, tornando-se sua segunda esposa. Seu marido era filho do marquês de Barbacena. Pelo seu casamento, Maria Isabel tornou-se a segunda condessa consorte de Iguaçu. O casal teve sete filhos:

A segunda condessa consorte de Iguaçu faleceu aos sessenta e seis anos em São Paulo, estando enterrada no Cemitério da Consolação.[1]

Referências

  1. a b Veiga, Edison (27 de Junho de 2015). «Filha de d. Pedro foi sepultada no Cemitério da Consolação». O Estado de S. Paulo. Consultado em 28 de Junho de 2015 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.