Maria Josefa da Áustria (1751–1767)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a esposa de Augusto III da Polónia, veja Maria Josefa da Áustria (1699–1757).
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Maria Josefa
Arquiduquesa da Áustria
Casa Habsburgo-Lorena
Nome completo
Maria Josefa Gabriela Joana Antónia Ana
Nascimento 19 de março de 1751
  Palácio Imperial de Hofburg, Viena, Áustria, Sacro Império Romano-Germânico
Morte 15 de outubro de 1767 (16 anos)
  Palácio de Schönbrunn, Viena, Áustria, Sacro Império Romano-Germânico
Enterro Cripta Imperial, Viena, Áustria
Pai Francisco I do Sacro Império Romano-Germânico
Mãe Maria Teresa da Áustria

Maria Josefa Gabriela Joana Antónia Ana da Áustria (em alemão: Maria Josepha Gabriella Johanna Antonia Anna; 19 de março de 1751 - 15 de outubro de 1767) foi uma filha do imperador Francisco I e da sua esposa Maria Teresa da Áustria. Morreu de varíola aos 16 anos e foi enterrada na Cripta Imperial em Viena, Áustria.

Infância e Noivado[editar | editar código-fonte]

Maria Josefa quando criança

Nascida no dia 19 de março de 1751, Maria Josefa era a nona criança nascida, mas sexta sobrevivente do imperador Francisco I e da sua esposa Maria Teresa.

Após a morte da sua cunhada, a princesa Isabel de Parma, ela era a mulher mais importante na corte austríaca depois da sua mãe, da sua sobrinha Maria Teresa e da sua irmã Maria Amália. Perdeu a sua posição em maio de 1767 quando o seu irmão mais velho, José, se casou com a sua prima em segundo-grau, a princesa Maria Josefa da Baviera.

A imperatriz Maria Teresa queria casar a quarta filha sobrevivente mais velha, a arquiduquesa Maria Amália, com Fernando de Nápoles e Sicília por motivos políticos. Depois que o pai de Fernando, Carlos III de Espanha, se opôs à diferença de cinco anos de idade, Maria Josefa, como a filha mais velha seguinte, foi deixada como a candidata óbvia para a mão de Fernando em casamento. Ela e Fernando tinham a mesma idade e, melhor ainda, Maria Josefa era considerada "deliciosamente bonita, flexível por natureza" e a favorita de seu irmão José. No início de outubro de 1767 , Maria Josefa recebeu como presente de Fernando um retrato decorado com diamantes. No entanto, a menina se opôs fortemente ao compromisso e tornou-se cada vez mais triste e melancólica.

Morte[editar | editar código-fonte]

Arquiduquesa Maria Josefa em 1767

Maria Josefa ficou aterrorizada com a ideia de morrer de varíola depois da morte da sua irmã mais velha, a arquiduquesa Maria Joana Gabriela da Áustria, no dia 23 de dezembro de 1762. Os seus medos foram confirmados quando morreu de varíola no mesmo dia em que deveria ter deixado Viena para a sua viagem até Nápoles onde se casaria com o rei Fernando I das Duas Sicílias. Na altura a população acreditava que ela tinha apanhado a doença porque a sua mãe, Maria Teresa, tinha insistido para que a sua filha fosse rezar junto do túmulo mal fechado da sua cunhada que tinha recentemente morrido da mesma doença. Contudo, uma vez que os sintomas começaram a aparecer apenas dois dias depois da visita e, normalmente, a doença demora uma semana para se manifestar, é improvável que tenha sido esta a razão.

Maria Josefa encontra-se enterrada no túmulo número 46 da Cripta Imperial de Viena. Depois da sua morte foi a sua irmã, Maria Carolina, que se casou com o Rei de Nápoles e da Sicília.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Notas

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Josefa da Áustria (1751–1767)