Maria Julieta Drummond de Andrade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Maria Julieta Drummond de Andrade (Belo Horizonte, 4 de março de 1928 - Rio de Janeiro, 5 de agosto de 1987) foi uma escritora brasileira[1].

Era filha do poeta Carlos Drummond de Andrade e de Dolores Morais Drummond de Andrade. Foi retratada aos 11 anos de idade por Cândido Portinari.

Publicou aos 17 anos o seu primeiro livro, a novela A Busca. Casou-se em 1949 com o escritor e advogado argentino Manuel Graña Etcheverry e foi morar em Buenos Aires, onde chefiou de 1976 a 1983 a Fundação Centro de Estudos Brasileiros, mantida pela embaixada brasileira. Em 1980 foi homenageada como Personalidade do Ano pela Universidade de Buenos Aires[2].

A partir de 1977 passou a escrever uma crônica semanal para o jornal O Globo. Em 1985, sem que ela soubesse, seu pai publicou o Diário de uma Garota, reunindo textos escritos por ela aos 13 anos.

Morreu de câncer em 1987.

As cartas trocadas entre a cronista e seu pai ao longo de 50 anos serviram como base para o monólogo teatral Cartas de Maria Julieta e Carlos Drummond de Andrade, encenado por Sura Berditchevski em 2012[3][4]depois de seu pai se suicido

Obras[editar | editar código-fonte]

  • 1946 - A Busca (novela)
  • 1980 - Um Buquê de Alcachofras (crônicas)
  • 1982 - O Valor da Vida (crônicas)
  • 1985 - Diário de uma Garota
  • 1986 - Gatos e Pombos (crônicas)
  • 1986 - Loló e o computador (infantil)

Referências

  1. Maria Julieta Drummond de Andrade. Instituto Moreira Salles
  2. Maria Julieta, filha de peixe. Observatório da Imprensa, 18 de junho de 2013
  3. Veja carta que a filha de Drummond mandou para ele. Folhinha, 26 de maio de 2012
  4. Cartas de Maria Julieta & Carlos Drummond de Andrade - São Paulo. Teatro Eva Herz

Ligações externas[editar | editar código-fonte]