Maria Leopoldina Guia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria Leopoldina Guia
Nascimento 3 de fevereiro de 1946
Alcochete
Morte 19 de abril de 2006 (60 anos)
Moita
Cidadania Portugal
Ocupação cantora

Maria Leopoldina Guia (Alcochete, 3 de Fevereiro de 1946Moita, 19 de Abril de 2006) foi uma fadista portuguesa. Aficionada das touradas, era esposa do toureiro Manuel Pires Rosa "Balé" e mãe do forcado Bernardo Pires Rosa "Balé" do Grupo de Forcados Amadores do Aposento da Moita.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fadista desde cedo, cantou até aos 19 anos de idade fado-canção, tendo por referências primordiais Simone de Oliveira e Maria de Lurdes Resende. Gravou o seu primeiro disco aos 20 anos. Entre os seus principais êxitos está Versos do orgulho, poema de Florbela Espanca e o "Novo Fado de Alcochete" com poema de Constantino Menino.

Progressista do fado ribatejano, entre os temas que cantou sobressaíram as touradas da Lezíria. Participou no primeiro DVD sobre o fado, Fado em Alcochete e gravou um disco com a tauriníssima Banda Imparcial 15 de Janeiro de 1898 de Alcochete intitulado "Viva el Pasodoble" cantando três músicas, dois fados de Alcochete e o Pasodoble que deu nome ao disco.

Faleceu aos 60 anos, de doença prolongada. Foi cremada no Cemitério dos Olivais, em Lisboa.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]