Maria Teresa da Áustria (1816–1867)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria Teresa
Arquiduquesa da Áustria
Rainha Consorte das Duas Sicílias
Reinado 27 de janeiro de 1837
a 22 de maio de 1859
Predecessora Maria Cristina de Saboia
Sucessora Maria Sofia da Baviera
 
Marido Fernando II das Duas Sicílias
Descendência Luís, Conde de Trani
Afonso, Conde de Caserta
Maria Anunciata das Duas Sicílias
Maria Imaculada das Duas Sicílias
Caetano, Conde de Girgenti
Maria Pia das Duas Sicílias
Maria Luísa das Duas Sicílias
Januário, Conde de Caltagirone
Casa Habsburgo-Lorena (nascimento)
Bourbon-Duas Sicílias (casamento)
Nome completo
Maria Teresa Isabel
Nascimento 31 de julho de 1816
  Viena, Império Austríaco
Morte 8 de agosto de 1867 (51 anos)
  Albano Laziale, Estados Papais
Enterro Basílica de Santa Clara, Nápoles, Itália
Pai Carlos, Duque de Teschen
Mãe Henriqueta de Nassau-Weilburg
Religião Catolicismo

Maria Teresa da Áustria (Viena, 31 de julho de 1816Albano Laziale, 8 de agosto de 1867) foi arquiduquesa da Áustria e rainha consorte das Duas Sicílias, esposa do rei Fernando II.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

Maria Teresa.

Maria Teresa nasceu no Palácio Albertina, em Viena, sendo a primogênita do arquiduque Carlos de Habsburgo-Teschen e da princesa Henriqueta de Nassau-Weilburg. Seus avós paternos foram o imperador Leopoldo II do Sacro Império Romano-Germânico e a infanta Maria Luísa da Espanha e seus avós maternos foram o príncipe Frederico Guilherme de Nassau-Weilburg e a princesa Luísa Isabel de Sayn-Wittgenstein.

Entre 1834 e 1835, Maria Teresa foi princesa-abadessa do Real e Imperial Capítulo Teresiano das Nobres Damas do Castelo de Praga.[1]

Casamento[editar | editar código-fonte]

A arquiduquesa conheceu o rei Fernando II das Duas Sicílias em julho de 1836, durante uma visita deste a Viena.[2] Aliado da Áustria, o rei encontrava-se na cidade para refazer-se da viuvez recente (sua primeira esposa, Maria Cristina de Saboia, havia falecido apenas seis meses antes) e do escândalo provocado pela fuga de seu irmão, o Príncipe de Cápua, para casar-se com uma plebeia irlandesa sem o consentimento real.[3] Entretanto, o envolvimento entre Maria Teresa e Fernando II - que também serviria para consolidar os laços entre os dois países - foi mantido em sigilo até dezembro daquele ano, quando o noivado foi anunciado pelo jornal Augsburger Allgemeine. Eles casaram-se em uma cerimônia privada em Trento, em 9 de janeiro de 1837.[2]

Maria Teresa com o hábito de Princesa-Abadessa do Real e Imperial Capítulo Teresiano das Nobres Damas do Castelo de Praga.

Rainha-consorte[editar | editar código-fonte]

Diferente de sua antecessora, Maria Teresa não cativou a simpatia do povo ou da corte. Embora fosse uma pessoa afável, sua ascendência gerava a desconfiança de que estaria a serviço do chanceler austríaco Metternich num plano para dominar as Duas Sicílias.[2]

O casal teve doze filhos:

Rainha das Duas Sicílias[editar | editar código-fonte]

A família de Fernando II e Maria Teresa.

Maria Teresa foi descrita como alguém que não correspondia à imagem de um membro da realeza: vestia-se mal, detestava suas funções públicas, os protocolos e a vida na corte, passando a maior parte do tempo em seus aposentos privados, cuidando dos filhos ou dedicando-se à costura.

Tinha um bom relacionamento com o marido e com o enteado (a quem chamava de filho). Também interessava-se por política, chegando a atuar como conselheira do rei, influenciando-o a agir com maior rigor contra seus opositores. Quando não podia participar das reuniões de estado, costumava ouvir os debates por detrás das portas.

Viuvez[editar | editar código-fonte]

Maria Teresa em cerca de 1860.

Quando Maria Sofia da Baviera chegou a Nápoles como esposa do futuro Francisco II, Fernando já se encontrava bastante doente. Maria Teresa passava todo o tempo à cabeceira do rei (que, mesmo acamado, insistia em continuar trabalhando), auxiliando-o durante o dia e vigiando seu sono durante a noite.

Com a morte de Fernando II e a ascensão de Francisco II, Maria Teresa fez questão de manter sua posição, agora como conselheira pessoal do enteado. A rainha-viúva, favorável à criação de um estado rigoroso e autoritário, exercia uma grande influência sobre Francisco II, completamente submisso à madrasta. Muitos historiadores consideram que Maria Teresa foi co-responsável pelo descontentamento do povo, que viria a receber Garibaldi como um libertador.

A indomável, determinada e inteligente Maria Sofia (irmã da imperatriz Sissi), entretanto, tinha uma personalidade oposta à de seu marido e não se submetia às ordens da sogra. Francisco logo se tornou o alvo da disputa das duas rainhas, dando ouvidos aos conselhos antagônicos de ambas, mas sendo incapaz de optar entre a esposa e a madrasta. Maria Sofia tinha ideias liberais e era favorável à promulgação de uma Constituição, muito diferente das inclinações absolutistas de Maria Teresa. Além das divergências no campo político, a consorte de Francisco II acreditava ser a única a vislumbrar as verdadeiras intenções de sua sogra: depor o rei e colocar seu primogênito Luís no trono.

De fato, Maria Teresa, aliando-se a generais, cortesãos e clérigos, organizou uma conspiração contra seu enteado, que foi descoberta e debelada a tempo. Apesar de Maria Sofia apresentar, perante o marido e a sogra, as provas do envolvimento da rainha-viúva no complô mal sucedido, Francisco II não quis acusá-la. Maria Teresa, por sua vez, chorou aos pés do rei, jurando inocência perante os fatos.

Exílio[editar | editar código-fonte]

Apesar da feroz oposição de Maria Teresa à promulgação de uma Constituição, o indeciso Francisco resolveu seguir os conselhos de sua esposa quando os distúrbios populares em Nápoles começaram a se tornar preocupantes. Entretanto, já era tarde demais para qualquer providência e o processo instalado não poderia mais ser revertido.

Maria Teresa e os filhos foram os primeiros a fugir de Nápoles, instalando-se em Gaeta. Logo a cidadela passou a receber cortesãos, assessores e ministros fiéis à rainha-viúva, que acabaram formando uma segunda côrte e continuaram a conspirar contra o rei. Quando o troar dos primeiros canhões chegou a Gaeta, Maria Teresa foi novamente a primeira a fugir, acompanhada por seus filhos menores.

Os fugitivos reais chegaram à Roma, onde o Papa Pio IX lhes disponibilizou o Palácio do Quirinal. Quando Gaeta capitulou, Francisco II e Maria Sofia se juntaram à Maria Teresa. Formaram-se, então, duas pequenas côrtes, vivendo paralelamente sob o mesmo teto.

Morte[editar | editar código-fonte]

Em 1867, uma epidemia de cólera forçou a população, ou pelo menos aqueles que podiam, a deixar a capital. Maria Teresa levou então seus filhos do Palácio do Quirinal à comuna de Albano Laziale, atravessando as colinas Albanas. Apesar de seus esforços, seu último filho, Januário, contraiu a doença, morrendo quase imediatamente, aos dez anos de idade.

A rainha, também infectada, foi assistida ininterruptamente pelo enteado Francisco, enquanto seus filhos fugiam, com medo do contágio. Ela recusou-se, inicialmente, a receber os cuidados médicos do Dr. Manfrè, por ele ser liberal. Depois, à mercê de fortes dores, Maria Teresa aceitou o tratamento médico, mas seu quadro já havia se agravado demais e ela morreu em seguida, aos 51 anos de idade, em 8 de agosto de 1867.[4].

Seu corpo foi sepultado na Cripta Real da Basílica de Santa Clara, em Nápoles.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Czech Eccleastical Establishments Female Leaders». Worldwide Guide to Women in Leadership (em inglês). 2013. Consultado em 10 de Novembro de 2016 
  2. a b c Ciferri, Elvio (2008). «Maria Teresa di Asburgo Lorena, regina delle Due Sicilie». Dizionario Biografico degli Italiani (em italiano). Treccani. Consultado em 9 de Novembro de 2016 
  3. Scirocco, Alfonso (1996). «Ferdinando II di Borbone, re delle Due Sicilie». Dizionario Biografico degli Italiani (em italiano). Treccani. Consultado em 9 de Novembro de 2016 
  4. Arrigo Petacco, La regina del sud, Milano, Mondadori, 1992. ISBN 88-04-43391-4

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Elvio Ciferri, Maria Teresa di Asburgo Lorena, regina delle Due Sicilie, in «Dizionario Biografico degli Italiani», 70, Roma, Istituto della Enciclopedia Italiana fondata da Giovanni Treccani, 2008.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Teresa da Áustria (1816–1867)
Maria Teresa da Áustria
Casa de Habsburgo-Lorena
Ramo da Casa de Habsburgo
31 de julho de 1816 – 8 de agosto de 1867
Precedida por
Maria Cristina de Saboia
Coat of Arms of Maria Theresa, Queen of the Two Sicilies.svg
Rainha Consorte das Duas Sicílias
27 de janeiro de 1837 – 22 de maio de 1859
Sucedida por
Maria Sofia da Baviera