Maria da Glória Carvalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde janeiro de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Maria da Glória Carvalho (Rio de Janeiro, 15 de Agosto de 1950) é uma modelo e miss brasileira que ficou famosa após ter vencido o concurso de Miss Beleza Internacional 1968. Seu nome é devido ao dia em que nasceu, dia de Nossa Senhora da Glória. Seu pai, Alberto Carvalho Filho, era veterinário e sócio do Iate Clube do Rio de Janeiro, sua mãe Célia Carvalho era dona de casa.

Concursos de Beleza[editar | editar código-fonte]

Miss Guanabara[editar | editar código-fonte]

Vinte e oito jovens desejavam o título de Miss Guanabara em Junho de 1968, em um Maracanãzinho lotado. As preferidas do público eram as Misses Monte Líbano, Radar, Botafogo, Paquetá e Renascença, que fizeram parte do grupo das oito finalistas, ao lado da Miss Telefônica e da Miss Sírio e Libanês. Miss Paquetá impressionou no teste de desembaraço ao afirmar que apreciava o talento de Omar Sharif, o dinheiro de Jorge Guinle, o lirismo de Chico Buarque e a humildade de Pelé. Ao ser anunciado o resultado do concurso, os aplausos foram unânimes para a primeira colocada, Maria da Glória Carvalho, Miss Monte Líbano. O público estranhou apenas a ausência de Ione Fernandes, Miss Renascença, entre as quatro finalistas, cabendo o segundo lugar à Regina Maria de Carvalho Melo, Miss Radar, e o terceiro a Tânia Drumond, Miss Botafogo.

Miss Brasil[editar | editar código-fonte]

A carioca não chegou como favorita ao concurso nacional, e mesmo contra o gosto dos fotógrafos locais que cobriam o evento, acabou ficando em terceiro lugar no ano que elegeu a baiana Martha Vasconcellos como rainha máxima da beleza brasileira. Posteriormente Martha se tornaria naquele ano Miss Universo 1968 em Long Beach, nos Estados Unidos. Em segundo lugar ficou a mineira Ângela Carmélia Stecca, que representaria o Brasil no Miss Mundo daquele ano. Com a terceira colocação, Maria da Glória representaria seu País na primeira edição do Miss Beleza Internacional realizado fora de terras americanas, este se realizaria em Tóquio, no Japão. Sobre sua terceira colocação, a revista Manchete chegou a declarar:

Miss Internacional[editar | editar código-fonte]

Realizado no recém-inaugurado Nippon Budokan Hall, em Tóquio, capital do Japão, no dia 09 de outubro de 1968, o Brasil conquistava seu terceiro título internacional. Maria da Glória e Martha Vasconcellos fizeram, sem querer, um feito grandioso em dias atuais, o de vencer no mesmo, dois dos quatro principais concursos de beleza do planeta. Quarenta e nove jovens desejavam o título de Miss Beleza Internacional. Maria da Glória Carvalho era uma das favoritas. A decisão da comissão julgadora foi quase unânime: Maria da Glória Carvalho foi eleita Miss Beleza Internacional [2] com 12 pontos de vantagem sobre Annika Hemminge, Miss Suécia, segunda colocada. Seus conhecimentos de língua japonesa contribuíram para sua vitória no concurso. [3] Com o primeiro lugar, Maria da Glória Carvalho recebeu 2 milhões de yens e uma coroa de pérolas, brilhantes e platina da Mikymoto. Ganhou muita fama e popularidade no Japão, onde trabalhou quatro anos como modelo e apresentadora de televisão, até que decidiu voltar definitivamente para o Brasil.

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Ela foi casada com o magnata Tião Maia e depois com o publicitário Aquiles Limberti de Mora, falecido em 1984, pai do seu único filho, Carlos Alberto Carvalho Limberti de Moura.

Referências

  1. Revista Manchete, 06 de Junho de 1968
  2. Machado, Fernando (02-09-2016). «Maria da Glória Carvalho é a Miss Beleza Internacional 1968!». Fernando Machado. 
  3. «Helped her win over the crowd and judges». Translate.google.com. 
  4. José Rodolpho Câmara, revista Manchete, 07/11/1992
Precedido por
Virgínia Barbosa de Souza
Miss Brasil Internacional
1968
Sucedido por
Maria Lúcia Alexandrino dos Santos
Precedido por
Mirta Massa
Miss Internacional
1968
Sucedido por
Valerie Holmes
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.